Venezuela: Jornalista sueca expulsa do país assim que aterrou em Caracas

Uma jornalista sueca foi expulsa na quinta-feira da Venezuela assim que chegou ao aeroporto de Caracas, informou o Sindicato Nacional de Trabalhadores da Imprensa (SNTP) do país.

National Interest

O caso foi avançado pela própria jornalista na rede social twitter, e mais tarde confirmado pelo secretário-geral da SNTP.

“Estou a ser expulsa sem razão aparente”, lamentou Annika Rothstein, antes do voo de regresso para Paris.

“Estou sentada no avião, a chorar. Levaram o meu passaporte e não sei onde é que estão as minhas coisas. Não sei também se alguma vez poderei voltar à Venezuela”, acrescentou.

Annika Rothstein, que já trabalhou no passado como jornalista na Venezuela, foi detida e interrogada por quatro oficiais sem que lhe tivesse sido dada qualquer explicação, disse à agência France-Presse (AFP) o porta-voz da SNTP.

“É recorrente. Eles não dão nenhuma explicação”, afirmou Marco Ruiz. “Acho que é porque a Annika não tinha visto de trabalho. No entanto, a ausência de visto não deve conduzir automaticamente à expulsão”, frisou.

Sem mencionar explicitamente o caso de Annika Rothstein, o chefe da diplomacia da Venzuela, Jorge Arreaza, escreveu depois no Twitter: “Os jornalistas de todo o mundo sabem que (…) para trabalhar legalmente na Venezuela, devem antes de tudo ser acreditados”.

“Há [na Venezuela] 50 meios de comunicação estrangeiros cujo pessoal é devidamente acreditado”, disse o ministro dos Negócios Estrangeiros.

Em 27 de fevereiro, Annika Rothstein falou perante o Parlamento venezuelano, o único órgão do poder venezuelano controlado pela oposição, para denunciar um ataque de que havia sido vítima, dias antes, por parte dos “coletivos” [milícias maduristas].

Nos últimos anos, vários jornalistas estrangeiros foram detidos e expulsos da Venezuela por não terem visto de trabalho.

Ler mais
Recomendadas

Procurador francês diz que estão acionados todos os meios para encontrar suspeito do atentado de Lyon

As autoridades francesas procuram o presumível autor do atentado ocorrido na sexta-feira numa rua em Lyon, que fez 13 feridos. A investigação judicial, aberta inicialmente por tentativa de homicídio, foi transferida para o Ministério Público de Paris, que centraliza os casos de terrorismo em França.

“Marginalização de África no comércio mundial não mudou muito”, diz ex-dirigente da ONU Carlos Lopes

Carlos Lopes, antigo adjunto do secretario-geral das Nações Unidas, defendeu este sábado em Lisboa que a Zona de Livre Comércio Continental (ZLEC) pode contribuir para acelerar a industrialização da região.

Agências de espionagem dos EUA cedem informações a investigação sobre interferência russa

Presidente norte-americano já disse que vai desclassificar os documentos relacionados com as origens da investigação sobre as ligações russas à campanha.
Comentários