Venezuela: Jornalista sueca expulsa do país assim que aterrou em Caracas

Uma jornalista sueca foi expulsa na quinta-feira da Venezuela assim que chegou ao aeroporto de Caracas, informou o Sindicato Nacional de Trabalhadores da Imprensa (SNTP) do país.

National Interest

O caso foi avançado pela própria jornalista na rede social twitter, e mais tarde confirmado pelo secretário-geral da SNTP.

“Estou a ser expulsa sem razão aparente”, lamentou Annika Rothstein, antes do voo de regresso para Paris.

“Estou sentada no avião, a chorar. Levaram o meu passaporte e não sei onde é que estão as minhas coisas. Não sei também se alguma vez poderei voltar à Venezuela”, acrescentou.

Annika Rothstein, que já trabalhou no passado como jornalista na Venezuela, foi detida e interrogada por quatro oficiais sem que lhe tivesse sido dada qualquer explicação, disse à agência France-Presse (AFP) o porta-voz da SNTP.

“É recorrente. Eles não dão nenhuma explicação”, afirmou Marco Ruiz. “Acho que é porque a Annika não tinha visto de trabalho. No entanto, a ausência de visto não deve conduzir automaticamente à expulsão”, frisou.

Sem mencionar explicitamente o caso de Annika Rothstein, o chefe da diplomacia da Venzuela, Jorge Arreaza, escreveu depois no Twitter: “Os jornalistas de todo o mundo sabem que (…) para trabalhar legalmente na Venezuela, devem antes de tudo ser acreditados”.

“Há [na Venezuela] 50 meios de comunicação estrangeiros cujo pessoal é devidamente acreditado”, disse o ministro dos Negócios Estrangeiros.

Em 27 de fevereiro, Annika Rothstein falou perante o Parlamento venezuelano, o único órgão do poder venezuelano controlado pela oposição, para denunciar um ataque de que havia sido vítima, dias antes, por parte dos “coletivos” [milícias maduristas].

Nos últimos anos, vários jornalistas estrangeiros foram detidos e expulsos da Venezuela por não terem visto de trabalho.

Ler mais
Recomendadas

Brexit: Emmanuel Macron afirma que ‘backstop’ é para manter

O presidente francês avisou Boris Johnson que a salvaguarda para a Irlanda, conhecida como ‘backstop’ é indispensável para a estabilidade política da Irlanda.

Guterres preocupado com incêndios na Amazónia

As Nações Unidas dizem, como já outros disseram antes, que a sustentabilidade da Amazónia é crítica. António Guterres diz que está “profundamente preocupado” e que Aa Amazónia tem de ser protegida”.

Presidente italiano permite aos partidos negociar novo governo até terça-feira

“Foi-me comunicado por parte de alguns partidos políticos que começaram negociações para formar outro governo” de maioria parlamentar, referiu Sergio Mattarella.
Comentários