Venezuela: Ministro da Defesa desvaloriza possível golpe de Estado ou transição política

O ministro da Defesa venezuelano desvalorizou a possibilidade de uma tentativa de golpe de Estado no país, ou uma transição política que a oposição considera necessária para acabar com a crise.

“Não vai haver nem golpe de Estado, nem governo de facto, nem transição alguma”, disse Vladimir Padrino López, na terça-feira.

“Aqui não se vai instalar qualquer governo porque as Forças Armadas estão consciente das suas obrigações morais e constitucionais”, frisou.

Vladimir Padrino López acrescentou que os militares vão “defender a democracia” e o “Presidente Nicolás Maduro, eleito pelo povo”.

A crise política, económica e social venezuelana agravou-se desde janeiro último, quando o presidente da Assembleia Nacional (parlamento, onde a oposição detém a maioria), Juan Guaidó, se autoproclamou Presidente interino da Venezuela.

A oposição, que conta com o apoio de mais de 50 países, incluindo Portugal, defende que para resolver a crise Maduro deve ser afastado do poder, deve ser designado um governo de transição e convocadas eleições livres e transparentes.

Mais de quatro milhões de venezuelanos abandonaram o país, desde 2015, de acordo com dados da ONU.

Ler mais
Recomendadas
trump e pence

Organização Trump tem extensa e prolongada conduta criminosa, concluem procuradores

Os advogados do Presidente norte-americano tinham considerado no mês passado que a intimação judicial para a entrega das declarações fiscais tinha sido feita com má-fé e era uma manifestação de assédio a Trump.

França suspende acordo de extradição com Hong Kong seguindo decisão de outros países

“À luz dos últimos desenvolvimentos, a França não procederá à ratificação do acordo de extradição assinado a 04 de maio de 2017 entre a França e a Região Administrativa Especial de Hong Kong”, declarou a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros francês.

Rei emérito Juan Carlos I vai abandonar Espanha

O envolvimento do rei emérito em negócios pouco recomendáveis e a existência de duas fundações suspeitas impedem Juan Carlos de continuar em Espanha. O filho, Filipe VI, já se tinha distanciado de Juan Carlos, na tentativa de conter os estragos provocados à monarquia.
Comentários