Venezuela: Ministro da Defesa desvaloriza possível golpe de Estado ou transição política

O ministro da Defesa venezuelano desvalorizou a possibilidade de uma tentativa de golpe de Estado no país, ou uma transição política que a oposição considera necessária para acabar com a crise.

“Não vai haver nem golpe de Estado, nem governo de facto, nem transição alguma”, disse Vladimir Padrino López, na terça-feira.

“Aqui não se vai instalar qualquer governo porque as Forças Armadas estão consciente das suas obrigações morais e constitucionais”, frisou.

Vladimir Padrino López acrescentou que os militares vão “defender a democracia” e o “Presidente Nicolás Maduro, eleito pelo povo”.

A crise política, económica e social venezuelana agravou-se desde janeiro último, quando o presidente da Assembleia Nacional (parlamento, onde a oposição detém a maioria), Juan Guaidó, se autoproclamou Presidente interino da Venezuela.

A oposição, que conta com o apoio de mais de 50 países, incluindo Portugal, defende que para resolver a crise Maduro deve ser afastado do poder, deve ser designado um governo de transição e convocadas eleições livres e transparentes.

Mais de quatro milhões de venezuelanos abandonaram o país, desde 2015, de acordo com dados da ONU.

Ler mais
Recomendadas

Novo Presidente argentino quer agenda ambiciosa com o Brasil, para além da tensão com Jair Bolsonaro

O Presidente da Argentina, Alberto Fernández, destacou esta terça-feira no Brasil no seu discurso de posse no parlamento e pediu uma “agenda ambiciosa” apoiada pela história dos dois povos e não pela “diferença pessoal” com o seu homólogo brasileiro, Jair Bolsonaro.

Boris Johnson admite risco de falhar maioria absoluta nas eleições legislativas

Johnson aludiu às eleições de 2017, quando a antecessora Theresa May tinha uma vantagem nas sondagens mas acabou por não conseguir uma maioria de deputados na Câmara dos Comuns, precisando do apoio do Partido Democrata Unionista (DUP) da Irlanda do Norte para formar governo.

Boris Johnson recria cena da porta do filme “O amor acontece”. Hugh Grant já criticou vídeo

Na nova versão, o primeiro-ministro britânico pede o voto ao seu eleitorado para que o Reino Unido consiga avançar no processo do Brexit. Hugh Grant, que entrou no filme, já criticou o filme.
Comentários