Venezuela: Ministro da Defesa desvaloriza possível golpe de Estado ou transição política

O ministro da Defesa venezuelano desvalorizou a possibilidade de uma tentativa de golpe de Estado no país, ou uma transição política que a oposição considera necessária para acabar com a crise.

“Não vai haver nem golpe de Estado, nem governo de facto, nem transição alguma”, disse Vladimir Padrino López, na terça-feira.

“Aqui não se vai instalar qualquer governo porque as Forças Armadas estão consciente das suas obrigações morais e constitucionais”, frisou.

Vladimir Padrino López acrescentou que os militares vão “defender a democracia” e o “Presidente Nicolás Maduro, eleito pelo povo”.

A crise política, económica e social venezuelana agravou-se desde janeiro último, quando o presidente da Assembleia Nacional (parlamento, onde a oposição detém a maioria), Juan Guaidó, se autoproclamou Presidente interino da Venezuela.

A oposição, que conta com o apoio de mais de 50 países, incluindo Portugal, defende que para resolver a crise Maduro deve ser afastado do poder, deve ser designado um governo de transição e convocadas eleições livres e transparentes.

Mais de quatro milhões de venezuelanos abandonaram o país, desde 2015, de acordo com dados da ONU.

Ler mais
Recomendadas

Guardian: Nome de Isabel dos Santos removido da lista de participantes da cimeira de Davos

A Unitel, detida pela empresária angolana, é um dos patrocinadores do evento, mas os organizadores da cimeira de Davos dizem agora que estão a “reavaliar” a participação da empresa de telecomunicações, avança o jornal britânico The Guardian.

Topo da agenda: o que não pode perder na economia e nos mercados esta semana

Christine Lagarde poderá anunciar o início formal da revisão estratégica do BCE depois da reunião de quinta-feira. A semana ser marcada pelo World Economic Forum em Davos e pela época de resultados em Wall Street.
matteo_salvini

Itália: Salvini prepara novo assalto ao poder

No próximo domingo há eleições regionais em Emilia Romagna, Se correrem bem à Liga – e consequentemente mal aos partidos do governo, o ex-ministro do Interior vai voltar a pedir eleições antecipadas.
Comentários