Venezuela não sabe o que fazer com as Bitcoin que foi acumulando desde as sanções norte-americanas

Desde que os EUA impuseram sanções ao regime de Maduro, a Venezuela deixou de poder comercializar com o resto do mundo em dólares. A solução encontrada pela Venezuela para contornar as sanções foram as criptomoedas, mas não as consegue converter em divisas.

A Venezuela não sabe o que fazer com as criptomoedas que foi acumulando desde que os Estados Unidos impuseram sanções ao Banco Central da Venezuela e à petrolífera estatal PVDSA, a maior fonte de rendimentos do governo de Nicolás Maduro.

Segundo o “El Economista”, desde que os EUA impuseram sanções ao regime de Maduro, a Venezuela deixou de poder comercializar com o resto do mundo em dólares, o que teve um impacto profundo nas receitas da PVDSA, uma vez que o mercado petrolífero se transaciona em dólares.

A solução encontrada pela Venezuela para contornar as sanções foram as criptomoedas. O plano da petrolífera venezuelana passa por converter as suas reservas em Bitcoin e Ethereum, as duas criptomoedas mais utilizadas no mundo, entregando-as depois ao banco central que as utilizaria depois para fazer pagamentos ou depósitos.

No entanto, a conversão de criptomoedas em em divisas é muito complexo uma vez que não há nenhum banco central no mundo que as utilize. Por isso, a PVDSA teria de comprar e vender as criptomoedas a outros utilizadores das moedas digitais para obter liquidez – mas o mercado de criptomoedas é incipiente e tem pouca liquidez, pressionando o preço de venda.

Em 2017, Nicolás Maduro tento criar uma criptomoedas denominada de “Petro” com o objetivo de a converter numa unidade internacional para a compra e venda de petróleo, mas o projeto fracassou por completo.

Economia venezuelana contraiu 55,2% em cinco anos

Relacionadas

Presidente da Venezuela em Moscovo à procura de apoio internacional

A viagem oficial de Nicolás Maduro é a primeira desde que Juan Guaidó se proclamou presidente interino da Venezuela. Putin tem sido um dos mais próximos apoiantes do regime.

A Venezuela e a Ucrânia, duas faces da mesma moeda

A explicação para a intervenção dos EUA na Venezuela, ou da Rússia na Ucrânia e na Geórgia reside na análise geoestratégica. As grandes potências não permitem a instalação de regimes percebidos como hostis no seu “near abroad”.

Uma caixa de preservativos custa 153 euros na Venezuela. Saúde pública está em causa

A crise económica e política que se sente no país de Maduro levou a uma escassez geral de produtos e, em circunstâncias favoráveis, alguns destes bens nunca se considerariam preciosos, como medicamentos, géneros alimentares e contracepção.
Recomendadas

Wall Street fecha semana de grande volatilidade em terreno misto

Uma semana de bastante volatilidade terminou com ganhos modestos para o Dow e S&P 500, enquanto o Nasdaq caiu consideravelmente no final da sessão, fechando em terreno negativo.

PremiumBancos centrais afastam receios da Evergrande

Mercados penalizados pela Evergrande no início da semana, recuperam com adiamento do ‘tapering’ pela Reserva Federal dos EUA.

PSI-20 fecha em queda arrastada pela EDP Renováveis e BCP. Europa corrige

Bolsa de Lisboa fechou em queda, em linha com a Europa. No plano macroeconómico, o Ifo revelou que o clima empresarial na Alemanha piorou inesperadamente em setembro. As eleições na Alemanha que põem fim ao mandato de Angela Merkel como chanceler acontecem este fim-de-semana.
Comentários