Venezuela não sabe o que fazer com as Bitcoin que foi acumulando desde as sanções norte-americanas

Desde que os EUA impuseram sanções ao regime de Maduro, a Venezuela deixou de poder comercializar com o resto do mundo em dólares. A solução encontrada pela Venezuela para contornar as sanções foram as criptomoedas, mas não as consegue converter em divisas.

A Venezuela não sabe o que fazer com as criptomoedas que foi acumulando desde que os Estados Unidos impuseram sanções ao Banco Central da Venezuela e à petrolífera estatal PVDSA, a maior fonte de rendimentos do governo de Nicolás Maduro.

Segundo o “El Economista”, desde que os EUA impuseram sanções ao regime de Maduro, a Venezuela deixou de poder comercializar com o resto do mundo em dólares, o que teve um impacto profundo nas receitas da PVDSA, uma vez que o mercado petrolífero se transaciona em dólares.

A solução encontrada pela Venezuela para contornar as sanções foram as criptomoedas. O plano da petrolífera venezuelana passa por converter as suas reservas em Bitcoin e Ethereum, as duas criptomoedas mais utilizadas no mundo, entregando-as depois ao banco central que as utilizaria depois para fazer pagamentos ou depósitos.

No entanto, a conversão de criptomoedas em em divisas é muito complexo uma vez que não há nenhum banco central no mundo que as utilize. Por isso, a PVDSA teria de comprar e vender as criptomoedas a outros utilizadores das moedas digitais para obter liquidez – mas o mercado de criptomoedas é incipiente e tem pouca liquidez, pressionando o preço de venda.

Em 2017, Nicolás Maduro tento criar uma criptomoedas denominada de “Petro” com o objetivo de a converter numa unidade internacional para a compra e venda de petróleo, mas o projeto fracassou por completo.

Economia venezuelana contraiu 55,2% em cinco anos

Ler mais

Relacionadas

Presidente da Venezuela em Moscovo à procura de apoio internacional

A viagem oficial de Nicolás Maduro é a primeira desde que Juan Guaidó se proclamou presidente interino da Venezuela. Putin tem sido um dos mais próximos apoiantes do regime.

A Venezuela e a Ucrânia, duas faces da mesma moeda

A explicação para a intervenção dos EUA na Venezuela, ou da Rússia na Ucrânia e na Geórgia reside na análise geoestratégica. As grandes potências não permitem a instalação de regimes percebidos como hostis no seu “near abroad”.

Uma caixa de preservativos custa 153 euros na Venezuela. Saúde pública está em causa

A crise económica e política que se sente no país de Maduro levou a uma escassez geral de produtos e, em circunstâncias favoráveis, alguns destes bens nunca se considerariam preciosos, como medicamentos, géneros alimentares e contracepção.
Recomendadas

Atividade industrial catalisa dia de ganhos na Europa. PSI-20 acompanha em alta

O principal índice bolsista português fechou a sessão desta segunda-feira a subir 1,85% para 4,789.11 pontos, à semelhança das congéneres europeias, perante a estabilidade nas ‘yields’ da dívida soberana nos EUA, cuja subida pressionou o sentimento na semana passada.

Volatilidade nas criptomoedas. Bitcoin sobe 9% depois de ficar abaixo dos 43 mil dólares

A moeda digital atingiu o seu recorde máximo no passado dia 21 de fevereiro, tendo-se fixado em 58.350 dólares.

Wall Street abre em alta com regresso à calma nos juros soberanos

Wall Street abre assim com ganhos à medida que o mercado de títulos acalma. Nos últimos dias os juros da dívida pública disparam com medo da inflação, devido a alguns indicadores.
Comentários