Venezuela volta a ficar às escuras

O corte de energia elétrica acontece na véspera do protesto convocado pelo autoproclamado presidente e líder da oposição na Venezuela, Juan Guaidó.

Miguel Gutierrez / EPA

A maioria dos venezuelanos está a passar mais uma noite às escuras. A cidade de Caracas e, pelo menos, mais uma dezena de estados deste país sul-americano sofreram um novo «apagão», que está a causar problemas nas várias infraestruturas, sistemas de saneamento e transportes.

O corte de energia elétrica aconteceu às 19:000 (hora local) – cerca das 23:00 em Lisboa – e na véspera do protesto convocado pelo autoproclamado presidente e líder da oposição na Venezuela, Juan Guaidó.

De acordo com a agência noticiosa espanhola “Efe”, as recorrentes falhas energéticas já causaram a paralisação do país durante 10 dias só durante o mês de março. Desta vez, o impacto foi sentido em estados como Arágua, Carabobo, Anzoátegui, Vargas, Monágas, Portuguesa, Nova Esparta, Lara e Zúlia.

A notícia surge um dia depois de a Cruz Vermelha anunciar que vai distribuir ajuda humanitária na Venezuela dentro de duas semanas. “Esperamos conseguir ajudar 650 mil pessoas num primeiro momento”, afirmou Francesco Rocca, presidente da Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho, em Caracas.

Relacionadas

Juan Guaidó impedido de exercer funções públicas durante 15 anos

Juan Guaidó está a ser acusado de mentir nas declarações de rendimentos e de ter gastos maiores do que o dinheiro que recebe.

Venezuela volta a sofrer apagões: Alugar um gerador custa 300 euros por dia

O apagão que hoje se repete pelo segundo dia consecutivo afeta quase todos os 23 Estados do país com as enormes reservas petrolíferas do mundo, mas cada vez mais vulnerável em termos de distribuição energética.
Recomendadas

Número de passageiros transportados pela TAP diminuiu 62% no primeiro semestre

“A TAP atuou com agilidade e rapidez aos primeiros sinais de impacto da pandemia, adequando a capacidade ao novo cenário de procura e minimizando assim os custos operacionais com o objetivo de preservação de caixa”, comentou a companhia, no documento em que demonstrou um prejuízo de 582 milhões de euros no primeiro semestre.

TAP: Plano de reestruturação será apresentado a Bruxelas até 10 de dezembro

O plano visa “assegurar a sustentabilidade e rentabilidade da TAP, através de um adequado planeamento de rotas e frota, da adaptação do produto TAP à realidade atual e pós Covid-19, e do aumento da eficácia e da eficiência dos serviços centrais e das unidades do Grupo TAP”, refere a companhia, que registou um prejuízo de 582 milhões de euros no primeiro semestre.

TAP apresenta prejuízo de 582 milhões de euros no primeiro semestre

Um resultado líquido negativo de 582 milhões de euros no primeiro semestre de 2020 é a primeira informação da TAP S.A. que o CEO interino, Ramiro Sequeira, comunica oficialmente. A margem EBITDA cai para -20%, isto é, 28,7 pontos percentuais abaixo do verificado no primeiro semestre de 2019.
Comentários