Viagens de empresários cabo-verdianos continuam dificeís por causa dos vistos

A Câmara de Comércio do Barlavento está também a preparar uma missão empresarial à ilha da Madeira.

O diretor do Gabinete de Promoção Empresarial da Câmara de Comércio do Barlavento (CCB) disse esta segunda-feira, no Mindelo, que “não está fácil” organizar deslocações de empresários de Cabo Verde ao exterior por dificuldades na obtenção de vistos.

José Lopes, em conferência de imprensa para abordar a importância das missões empresariais da CCB ao exterior, respondeu a perguntas dos jornalistas e pediu “sensibilidade maior e alguma flexibilidade” ao Centro Comum de Vistos (CCV) já que, “se as coisas continuarem como estão”, as possibilidades de organização de missões tornam-se “cada vez mais difíceis” ou até impraticáveis.

O responsável por este gabinete frisou que não está a “pedir nenhum tratamento de favor”, mas entende que os interesses são de ambos os lados: de Cabo Verde, que procura o exterior para desenvolver negócios, e dos próprios países que os empresários visitam.

“Acreditamos, por isso, que no futuro possa haver uma abertura maior porque percecionamos que as dificuldades, a burocracia e as exigências são cada vez maiores”, concretizou José Lopes. “Mas estamos em diálogo permanente e esta questão já foi colocada às instâncias cabo-verdiana, mas sobretudo estamos num diálogo construtivo com as representações dos países”, precisou.

José Lopes apontou também o reforço do diálogo entre as partes para aguardar que “as coisas possam melhorar” no futuro. “Um diálogo maior pode favorecer, e sempre que houver dúvidas a via terá que ser a do diálogo, pois a CCB terá a porta sempre aberta para esclarecimentos sobre os pedidos de visto que liderar”, asseverou, em declarações aos meios de comunicação social.

Num outro ponto da sua comunicação, o diretor do Gabinete de Promoção Empresarial da CCB informou que a instituição tem em preparação, para início do mês de junho, uma missão às Ilhas Canárias que tem como base “a retoma e o reforço dos laços empresariais e institucionais” com a Câmara de Comércio, Industria e Navegação de Las Palmas.

Trata-se, sintetizou, de uma feira multissectorial em que participarão várias empresas de vários quadrantes e sectores, e a missão deve permitir aos empresários cabo-verdianos uma visita à Fisaldo, uma feira de oportunidades.

Logo a seguir a esta missão será anunciada uma outra, desta feita à ilha da Madeira, em Portugal, que contempla a participação na Expo Madeira, no quadro das relações da CCB com a Associação Comercial da Madeira.

José Lopes considerou que quando a CCB prepara qualquer missão empresarial ao estrangeiro “o foco principal é aumentar a competitividade” da economia de Cabo Verde, “numa palavra”, concretizou, “internacionalizar a atividade das empresas e a própria economia”, obedecendo a uma estratégia lado-a-lado com os sectores estratégicos da economia do arquipélago, definidos pelo Governo.

Ler mais
Relacionadas

Cabo Verde e Guiné Equatorial acordam facilitação de vistos

Os dois países estão a trabalhar para que a livre circulação entre os dois países seja possível até ao final de 2019. A visita do presidente Teodoro Obiang a este país africano foi encurtada a pedida do próprio, de acordo com fontes do Ministério dos Negócios de Cabo Verde.

Câmara de Comércio de Sotavento suspende missão empresarial a Portugal

Em causa está a recusa de vistos para participar neste tipo de viagens ao país. A polémica surge na semana em que acontece a cimeira Cabo Verde-Portugal, em Lisboa.
Recomendadas

Mais seis casos de Covid-19 em Cabo Verde aumentam total para 542

Dos novos casos, cinco são da ilha de São Vicente, que eleva o total para nove, e o outro foi diagnosticado em Santa Catarina de Santiago, que torna-se no oitavo município do país com casos confirmados da doença.

Número de mortos em África sobe para 4.902 em quase 177 mil casos

Nas últimas 24 horas África teve mais 6.971 infectados e mais 146 mortes.

Futuro de Cabo Verde exige “super governo e super banco central”, diz economista

“As políticas a serem adotadas serão decisivas a nível do futuro que teremos tanto na economia mundial como na economia nacional. Desde já, eu penso que é fundamental termos um plano de estabilização económica e social, que deverá cobrir quatro dimensões”, disse José Luís Neves, secretário-geral da Câmara de Comércio de Sotavento.
Comentários