PremiumViseu orgulha-se de “ecossistema que a região conseguiu fixar”

Presidentes da Câmara e do Instituto Politécnico destacam importância das autoestradas digitais para sucesso de uma cidade no “território esquecido”.

Numa altura em que o debate sobre regionalização ou descentralização perdeu fôlego – após ter reacordado no final da legislatura anterior –, os autarcas que cumprem a espinhosa função de manter o interior do país habitável e (mais ou menos) povoado e os agentes que têm em mãos as instituições que lá vão sobrevivendo, convergem numa apreciação muito pessimista da envolvente.

O ciclo de conferências Portugal Inteiro, realizado pelo grupo Altice em parceria com o Jornal Económico – que tem percorrido algumas das principais cidades do interior – deixa claro que, tantos anos depois de o problema ter sido identificado, as regiões do interior continuam a ser “um território esquecido”, como afirmou João Monney Paiva, presidente do Instituto Politécnico de Viseu, onde o ciclo encerrou esta semana.

“Viseu está na zona esquecida do país, que é 80% do território nacional”, disse MonneyPaiva, para enfatizar que as alternativas são aquelas que os responsáveis regionais quiserem e conseguirem encontrar. No caso do politécnico, a alternativa da internacionalização parece ser a que mais créditos consegue junto dos seus responsáveis – que já têm nos alunos estrangeiros uma percentagem sensível do total de educandos.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Aposta na digitalização é fundamental para Viseu

A cidade do interior (mas não muito) soube entender que a redução das distâncias permitida pelas novas tecnologias foi uma oportunidade que importa manter como um ativo regional que quebra o próprio isolamento geográfico.

“Resiliência e inovação” são a chave do sucesso da região de Viseu

A disseminação do empreendedorismo e do empresariado tem sido uma preocupação central da associação que, no terreno, em Viseu, tenta manter a região em pé.

Presidente do Instituto Politécnico de Viseu: “80% do país é território esquecido”

As Conferências Portugal Inteiro, da Altice em parceria com o JE, estacionaram em Viseu, cidade que está à espera de que Lisboa se lembre dela. Almeida Henriques, presidente da autarquia, e Sá Paiva, presidente do instituto local, convergem na denúncia.
Comentários