Vitorino Silva defende dez deputados para a emigração e junção de círculos com menos deputados

Candidato presidencial conhecido por “Tino de Rans” quer junção dos três círculos alentejanos ou dos dois trasmontanos para aumentar representatividade na Assembleia da República. E garante que nunca pediu “um ‘frame’ de televisão” por ter sido ensinado a não aceitar “rebuçados envenenados”.

“Não tenho dúvidas de que nestas eleições o RIR vai ser o ‘tomba gigantes’. É preciso um ‘tomba gigantes’. É preciso fazer com que os grandes desçam à terra, porque a terra é o que o dá equilíbrio.”

O candidato presidencial Vitorino Silva, mais conhecido pela alcunha “Tino de Rans”, defendeu em entrevista ao Jornal Económico que, entre outras alterações na legislação eleitoral, os emigrantes portugueses passem a eleger dez deputados para a Assembleia da República. Uma mudança que mais do que duplicaria o número atual (quatro) e que, em seu entender, devia ser acompanhada pelo fim da separação entre os círculos de Europa e Fora da Europa. “Os emigrantes são tão portugueses em New Jersey como em Paris”, defende o candidato que obteve 152.094 votos nas presidenciais de 2016 (3,28%), considerando “uma vergonha e provinciano” que se mantenha a distinção e realçando que deve passar a haver a garantia de que os deputados sejam mesmo emigrantes.

A solução defendida por Vitorino Silva para o aumento de deputados da emigração, depois de no debate com André Ventura ter concordado que a Assembleia da República deveria passar a ter menos de 230 eleitos, envolveria reduzir o número daqueles que atualmente representam os círculos que têm mais deputados, como os de Lisboa e Porto. “É tipo Robin dos Bosques: tirar aos ricos para dar aos pobres”, explica.

Igualmente defendida pelo candidato que também é presidente do RIR – Reagir, Incluir, Reciclar é a junção dos círculos alentejanos, permitindo que mais partidos obtenham representação parlamentar nessa região. “Há distritos que têm dois deputados, como Portalegre, e nunca ninguém consegue lá entrar. Seria diferente se o Alentejo juntasse Évora, Portalegre e Beja, com sete, oito ou dez deputados”, afirma Vitorino Silva, que aponta igual para os círculos de Vila Real e Bragança e para os distritos do Centro.

Para o candidato a quem a mãe deu o “conselho sábio” de nunca pedir esmola ou aceitar rebuçados, “pois podem estar envenenados”, não foi esquecida a resistência inicial à sua inclusão nos debates entre candidatos presenciais. “As televisões não me chamaram, apertaram-me, maltrataram-me e quiseram abafar a voz do povo”, disse, repetindo que não “entra na casa de ninguém se não lhe abrirem a porta com carinho”. “Nunca pedi um frame de televisão, nunca pedi um segundo de rádio, nunca pedi uma linha num jornal”, garante.

Relacionadas

PremiumVitorino Silva: “Se Marcelo tiver 70% Costa será o primeiro a cair”

Candidato conhecido por “Tino de Rans” diz que chefe de Estado “embalou” Governo por interesse e promete ter “povo avulso” no Conselho de Estado.

“Se Marcelo tiver 70% Costa será o primeiro a cair”. Assista ao “Primeira Pessoa” com Vitorino Silva

Acompanhe o “Primeira Pessoa” na plataforma multimédia JE TV, através do site e das redes sociais do Jornal Económico.
Recomendadas

OE2022: BE vai enviar ao Governo propostas de articulado de nove pontos negociais

Esta posição sobre as negociações do Orçamento do Estado para 2022 consta de uma nota divulgada pela assessoria de imprensa do BE.

Profissionais do SNS têm 17 milhões de horas extra acumuladas

De acordo com o “JN”, os médicos, enfermeiros e assistentes operacionais fizeram entre de janeiro e outubro mais de 17 milhões de horas extra, o que representa uma aumento de seis milhões em relação a 2019.

Portugal com 465 casos confirmados por Covid-19 e 9 mortes. Internamentos voltam a aumentar

Em relação à pressão sobre os hospitais, foram admitidas, nas últimas 24 horas, mais 10 pessoas em enfermaria e mais dois doentes em UCI.
Comentários