Volume de negócios nos serviços acelera 43,6% em abril

O volume de negócios nos serviços acelerou em abril, em termos homólogos, 43,6%, depois dos 0,5% registados em março, divulgou esta sexta-feira o Instituto Nacional de Estatística.

“O acentuado aumento reflete a comparação com o mês de abril de 2020, fortemente afetado pela pandemia [de covid-19], em que o índice caiu para 73,2 [pontos]”, explica o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Comparativamente com abril de 2019, o índice é ainda inferior em 11,2%, sinaliza.

Os dados não ajustados de sazonalidade e de efeitos de calendário passaram de uma variação de 3,6% em março, para 47,5% no mês em análise.

A variação em cadeia do índice, por sua vez, foi de 5,9% (3,5% em março), com crescimentos “expressivos” no alojamento, restauração e similares (27,2%) e nas atividades de informação e comunicação (18,1%).

Os índices de emprego, de remunerações e de horas trabalhadas ajustado de efeitos de calendário, apresentaram variações homólogas de -3,4%, 4,6% e 18,5%, respetivamente (-8,9%, -5,2% e -14,1% em março, pela mesma ordem).

Os índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas nos Serviços produzidos pelo INE têm por objetivo mostrar a evolução do mercado de bens e serviços neste setor, sendo obtidos com base no Inquérito Mensal ao Volume de Negócios e Emprego nos Serviços, realizado essencialmente por via eletrónica, junto de unidades estatísticas selecionadas a partir das empresas sediadas no território nacional.

Recomendadas

Portugal terá a ganhar com acordo tributário global, diz ministro das Finanças

João Leão ressalva, contudo, ser “prematuro retirar consequências diretas para Portugal” deste compromisso, uma vez que este dependerá da forma como a criação de uma taxa mínima global sobre os lucros daquelas empresas e a atribuição de direitos fiscais aos países onde as empresas operam e não apenas onde estão sedeadas se irão articular e também de questões que precisam ainda de ser consensualizadas.

Detalhes são importantes na continuação de acordo tributário do G7, dizem especialistas

No passado fim de semana, os países que integram o G7 alcançaram um acordo sobre a reforma do sistema tributário mundial que prevê uma taxa de imposto mínima de 15% sobre as empresas e que as multinacionais paguem impostos nos países onde obtêm receitas e lucram e não apenas naquele (s) onde estão sedeadas.

PremiumPatrões e sindicatos: resposta à crise não foi suficiente

Desde a burocracia excessiva no acesso aos apoios à insuficiência das medidas para proteger rendimentos e empresas, tanto patrões, como sindicatos apontam falhas no primeiro ano de João Leão à frente das Finanças portuguesas.
Comentários