Volume de negócios nos serviços apresenta quebra de 23,2% em junho

“A recuperação foi comum a todas as secções, exceto as atividade de informação, embora continuem a apresentar taxas de variação negativas”, aponta o gabinete estatístico nacional INE esta segunda-feira.

O índice do volume de negócios nos serviços caiu 23,2% no mês de junho, face ao período homólogo, após já ter registado uma diminuição de 31% em maio. Os dados fazem parte dos índices de volume de negócios, emprego, remunerações e horas trabalhadas nos Serviços publicados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) esta segunda-feira, 10 de agosto.

“A recuperação foi comum a todas as secções, exceto as atividade de informação, embora continuem a apresentar taxas de variação negativas”, aponta o gabinete estatístico nacional. Os dados não ajustados de sazonalidade e de efeitos de calendário mostraram que o índice passou de uma variação de -34% em maio para -20,9% no mês em análise.

O INE destaca ainda as secções que mais de destacaram para a variação do índice, entre os quais se verifica que o comércio por grosso, comércio e reparação de veículos e motociclos foi o maior contributo negativo, registando uma quebra de -8,7 pontos percentuais e uma taxa de variação homóloga de -15,4%.

A secção de alojamento, restauração e similares registou -6,0 pontos percentuais, o segundo contributo mais relevante para o resultado agregado, aponta o gabinete estatístico, “originado por uma variação de -60,8%”. O INE destaca que o alojamento “apresentou uma taxa de variação homóloga de -89,8% no mês de junho” e que a taxa da restauração se fixou em -50%.

Por sua vez, os transportes e armazenagem contribuíram com -5,4 pontos percentuais, tendo observado uma variação de -39,4% no mês em análise. De acordo com o INE, “este foi o agrupamento com a recuperação menos expressiva, mantendo-se o desempenho dos transportes aéreos, com uma redução homóloga de 84,9% em junho, 0,2 pontos percentuais inferior ao observado em maio”.

O gabinete aponta que “as atividades de informação apresentaram o único contributo positivo (0,2 pontos percentuais) para o resultado agregado”, sendo que esta secção cresceu 3,4% no mês em análise, após uma diminuição de 7,2% em maio, “destacando-se a divisão de consultadoria e programação informática e atividades relacionadas, que passou de uma queda de 6,7% em maio para um crescimento de 13,5% em junho”.

Assim, o índice de emprego registou uma contração homóloga de 8,3% em junho, a partir de -8,2% em maio, o índice de remunerações pagas passou de -12,8% em maio para -9,1% em junho e as horas trabalhadas caíram 17,3%, sendo que em maio tinham apresentado uma quebra de 28%.

Ler mais

Recomendadas

Fisco vai anular multas de 75 euros a trabalhadores independentes que esperam apoio extraordinário

A denúncia partiu hoje da Precários Inflexíveis, dando conta que muitos destes trabalhadores relataram à associação não conseguir submeter o pedido para o apoio relativo a julho, devido ao prazo curto para submeter o requerimento (uma semana, sem aviso prévio) e o tempo que leva a ser confirmada a reabertura de atividade.

Programa Valorizar apoia 24 projetos no Ribatejo e Alentejo em 7 milhões de euros

O apoio abrange projetos nas áreas do autocaravanismo, turismo literário, praias fluviais, estações náuticas, enoturismo e recursos endógenos.

Receita de IRC passa para níveis de 2014. São menos 1,5 mil milhões em 2020

“Andámos seis anos para trás em termos de receita do IRC”, diz Renato Carreira, Tax Partner da Deloitte. Fiscalista recorda que rombo na receita fiscal é em grande parte explicado pelo adiamento dos pagamentos por conta que só serão feitos pelas empresas se no final do ano tiverem lucros que os justifiquem. E a previsão é mais empresas com mais prejuízos, logo menos impostos a entrarem nos cofres do Estado.
Comentários