Volume do comércio a retalho diminui 5,1% na União Europeia

O Eurostat aponta que a queda representa uma redução 5,4%, na União Europeia, em comparação a janeiro de 2020. Os pedidos por correio e internet aumentaram 39,1%.

O volume do comércio a retalho diminuiu 5,9% na zona euro e  5,1% ao nível da União Europeia (UE) no mês de janeiro, segundo dados do Eurostat desta quinta-feira, 4 de março.

A organização estatística da União Europeia aponta que a queda representa uma redução  de 6,4%, na zona euro, e 5,4%, na União Europeia, em comparação a janeiro de 2020.

O Eurostat diz que, na zona euro, em janeiro de 2021, em comparação com janeiro de 2020, o volume do comércio a retalho diminuiu 18,3% para combustíveis de gases poluentes e 13,6% para produtos não alimentares, dentro desta categoria, os pedidos por correio e internet aumentaram 39,1%. Para contrariar a tendência que foi na sua maioria de descida, o  volume do comércio a retalho avançou 5,9% para alimentos, bebidas e tabaco, na zona euro.

Por sua vez, na UE, o volume do comércio a retalho diminuiu em 15,7% para combustíveis de gases poluentes e 11,5% para produtos não alimentares, os pedidos por correio e internet aumentaram 40,0%. Também ao nível da UE registou-se aumentos para alimentos, bebidas e tabaco de 5,4%.

Entre os Estados-Membros que disponibilizaram dados, o Eurostat destaca que as maiores reduções no volume total do comércio a retalho foram registadas na Áustria e Eslováquia, ambas um recuo de 16,8%, seguidas pela Eslovénia, com uma queda de 13,0%, e Portugal com uma redução de 10,9%. Os mais altos aumentos foram observados na Estónia, onde o volume de comércio a retalho subiu 8,0% na Estónia, 4,2 na Bélgica e 3,8 na Finlândia.

 

Ler mais

Relacionadas

Desemprego agrava em janeiro para 8,1% na zona euro e 7,3% na UE

Em janeiro de 2021, havia 15,663 milhões de desempregados na UE, sendo que 13,282 milhões encontravam-se na zona euro. Entre a população ativa com menos de 25 anos, contava-se em janeiro 2,929 milhões de jovens desempregados na UE, dos quais 2,356 milhões na zona euro.
Recomendadas

IGCP volta hoje ao mercado com dois leilões entre 1.000 e 1.250 milhões de euros

A entidade já tem previsto mais dois leilões, um no dia 19 de maio, para entre 1.500 milhões de euros e 1.750 milhões de euros e outro no dia 16 de junho, com um montante previsto entre 1.000 milhões de euros e 1.250 milhões de euros, de acordo com informação no ‘site’ do IGCP.

Portugal corre o maior risco na UE de uma crise prolongada, afirma o banco ING

A elevada exposição ao turismo e outros sectores vulneráveis, o que significa uma percentagem considerável da economia sem a possibilidade de teletrabalho, bem como fragilidades macro e falta de literacia digital colocam o país em risco de uma crise profunda que, juntamente com o resto do Sul da Europa, pode resultar num agravamento do fosso em relação ao Norte mais desenvolvido.

Venda de combustível nos postos de abastecimento cai mais em fevereiro

Daí que a procura e consumo de produtos petrolíferos devam aumentar, sobretudo a partir do segundo semestre deste ano, devendo apesar de tudo “começar a ser sentido de forma mais clara a partir dos meses de abril e maio deste ano”.
Comentários