Wall Street a crescer, mesmo com a incerteza no comércio mundial

As declarações de Donald Trump sobre o comércio mundial continuam a ser difíceis de entender. Aparentemente, o mercado mobiliário norte-americano decidiu seguir em frente.

Em Wall Street, o Dow Jones Industrial Average subiu 26,74 pontos, ou 0,1%, para 27.676,52 pontos; o S&P 500 ganhou 4,48 pontos, ou 0,14%, para 3.117,24 pontos; e o Nasdaq Composite aumentou 2,88 pontos, ou 0,03%, para os 8.569,55 pontos.

Os mercados crescenram, mas o entusiasmo sobre as ações da Apple foi compensado pelas persisitentes dúvidas sobre a probabilidade de um acordo comercial da primeira fase antes do início de uma nova ronda de negociações entre os Estados Unidos e a China.

Um relatório oficial indicando que a economia norte-americana estáresiliente – onde se inclui uma queda na procura semanal de emprego e um declínio no défice comercial, o que sugeria que o comércio poderia contribuir para o crescimento no quarto trimestre, sustentou o crescimento dos mercados, segundo os analistas.

Mas o ouro – commodities de refúgio – subiu à medida que se avolumaram mensagens confusas sobre as negociações comerciais Estados Unidos-China. As observações do presidente Donald Trump sobre o comércio durante a sua visita a Londres para a cúpula da NATO confundiram os investidores, disseram os mesmos analistas. Trump disse que as conversas com a China estavam a correr “muito bem”, enquanto advertia que um acordo só poderia ocorrer após as eleições presidenciais, em novembro de 2020.

Trump reiterou novamente esta quinta-feira que as negociações com a China estavam “a ir bem” e disse que algo poderia acontecer em relação às tarifas em 15 de dezembro, “mas não estamos discutindo isso”.

Trump também disse que os Estados Unidos podem tomar medidas sobre o comércio com países que não estão a contribuir o suficiente para a NATO – o que é mais uma má notícia para os mercados.

Além das declarações conflitantes sobre comércio e com as audiências de impeachment no Congresso, alguns investidores vêem Trump um pouco enfraquecido, disse Rick Meckler, sócio da Cherry Lane Investments, uma casa de investimentos familiares em New Vernon, Nova Jersey, citado pela Reuters.

Ler mais

Recomendadas

Lagarde vê economia da zona euro a contrair 8% a 12% este ano

A presidente do Banco Central Europeu afirma que após a pandemia não haverá uma crise das dívidas soberanas na zona euro e explica que o aumento dos níveis de dívida pública é transversal a nível mundial.

Bolsa de Lisboa e praças europeias negoceiam em terreno positivo

Em Lisboa, a Pharol lidera os ganhos com uma subida de 1,43%, com destaque para uma subida de 1,24% do BCP.

Fitch revê em baixa previsão do PIB da zona euro e antecipa contração de 8,2% este ano

A agência de notação financeira norte-americana tinha antecipado uma contração de 7% no último ‘Global Economic Outlook’. No relatório publicado esta terça-feira os analistas antecipam ainda que os programas globais de ‘quantitative easing’ cheguem aos 6 biliões de dólares em 2020 (cerca de 5,5 biliões de euros).
Comentários