Wall Street abre em baixa com medo da ‘recessão’ dos lucros das cotadas

Segundo os dados da Refinitiv, uma empresa especialista na análise dos mercados, espera-se que os lucros do S&P500 desçam 1,7% por comparação com o mesmo período do ano passado. Mais de um terço das empresas cotadas no S&P 500 vão apresentar resultados trimestrais, incluindo a Boeing, a Amazon, a Facebook, o que poderá sinalizar se a recessão nos lucros poderá ser evitada.

Brendan McDermid / Reuters

Os três principais índices da bolsa de Nova Iorque abriram a sessão desta segunda-feira em queda, o primeiro dia de uma semana preenchida pela apresentação de resultados relativos aos últimos três meses das cotadas norte-americanas.

Segundo os dados da Refinitiv, uma empresa especialista na análise dos mercados, espera-se que os lucros do S&P500 desçam 1,7% por comparação com o mesmo período do ano passado. A confirmar-se, será a primeira contração nos lucros desde 2016, o que poderá prejudicar o sentimento dos investidores.

Mais de um terço das empresas cotadas no S&P 500 vão apresentar resultados trimestrais, incluindo a Boeing, a Amazon, a Facebook, o que poderá sinalizar se a recessão nos lucros poderá ser evitada.

Esta segunda-feira, após o toque do sino de abertura, o S&P 500 desvalorizava 0,29%, para 2.896,72 pontos; o tecnológico Nasdaq caía 0,45%, para 7.654,91 pontos; e o industrial Dow Jones cedia 0,34%, para 26.470,20 pontos.

Nas empresas, destaque para o setor petrolífero. A produção mundial de petróleo vai cair depois de a administração de Donald Trump ter anunciado que vai cortar as exportações do “ouro negro” iraniano, com as ações das petrolíferas a subirem.

A Exxon Mobil ganha 1,39%, para 82,26 dólares; a Schlumberger avança 0,22%, para 45,66 dólares; e a Chevron valoriza 0,65%, para 120,65 dólares.

Nas matérias-primas, o preço do petróleo está a subir na Europa e nos Estados Unidos. Segundo Carla Santos, sales team leader da corretora online XTB, “o petróleo dispara em alta, com as ameaças de Donald Trump em avançar com sanções aos países que continuem a comprar petróleo ao Irão. O Irão é um dos maiores produtores de petróleo mundiais, colocando a oferta do ouro negro em check”.

Em Londres, o Brent, a referência para o mercado europeu, o petróleo sobe 2,36%, para 73,67 dólares. Nos Estados Unidos, o West Texas Intermediate ganha 2,02%, para 65,29 dólares.

 

Ler mais
Relacionadas

Wall Street fecha em alta devido aos bons dados do retalho

Vendas a retalho norte-americanas crescem 1,6% em março acima do esperado. Isso motivou os investidores. Hoje foi o dia em que Pinterest entrou em bolsa.
Recomendadas

Wall Street fecha semana a subir animado com tréguas na ‘guerra tecnológica’

Wall Street recuperou das perdas de quinta-feira. Declarações do presidente norte-americano sobre a possibilidade da Huawei poder ser incluída no acordo entre EUA e China relativamente à ‘guerra comercial’ animou os investidores.

Fitch mantém rating de Portugal, mas sobe perspetiva para ‘positiva’

Agência de notação financeira norte-americana manteve o ‘rating’ de Portugal no segundo grau de investimento, mas subiu o ‘outlook’, destacando a trajetória de diminuição do rácio da dívida pública face ao PIB e a diminuição do défice. Resultados das eleições legislativas de outubro não se deverão traduzir em “desvios das atuais políticas orçamentais”, antecipa.

‘May Day’ puxa pelas bolsas da Europa. Lisboa não foi exceção

No Reino Unido, confirmou-se o cenário de demissão de Theresa May, que deixa o cargo de Primeira-ministra no dia 7 de junho.  O FTSE 100 subiu 0,65% para 7.277,73 pontos. Por cá o PSI 20 fechou a subir 0,78% para 5.097,28 euros impulsionado pelas ações da EDP; da Sonae; pela REN; pela Jerónimo Martins e pelo BCP.
Comentários