Wall Street afasta-se dos máximos pressionada pelo vírus chinês

As ações das empresas que atuam nos segmentos de viagens, onde se incluem as companhias aéreas, os casinos e hotéis, foram as mais afetadas na sessão de hoje, que também foi pressionada pelas empresas norte-americanas mais expostas à economia chinesa, como as que atuam nos setores da tecnologia, materiais e energia.

Traders work on the floor of the New York Stock Exchange (NYSE) shortly before the closing bell in New York, U.S., January 6, 2017. REUTERS/Lucas Jackson

Wall Street encerrou a primeira sessão da semana em queda depois de os investidores recearem o impacto do coronavírus na economia chinesa, numa altura em que já foi confirmada a primeira morte de uma pessoa infetada em Pequim, a capital da China, país em que já há 81 mortes confirmadas.

Esta segunda-feira, o S&P 500 perdeu 1,60%, para 3.242,69 pontos; o tecnológico Nasdaq recuou 1,89% para 9.139,31 pontos, e o industrial Dow Jones cedeu 1,57%, para 28.535,80 pontos.

As ações das empresas que atuam nos segmentos de viagens, onde se incluem as companhias aéreas, os casinos e hotéis, foram as mais afetadas na sessão de hoje, que também foi pressionada pelas empresas norte-americanas mais expostas à economia chinesa, como as que atuam nos setores da tecnologia, materiais e energia.

Entre as tecnológicas norte-americanas, destaque para as quedas da Apple, Microsoft, Alphabet e a Amazon, que vinham de uma tendência positiva durante o ano, renovando máximos com frequência, perderam entre 1,6% e 3%.

A Wynn Resorts, a Melco Resorts & Enternaiment e a Las Vegas Sands Corp, que já tinha registado perdas na sexta-feira passada, voltaram a ter uma sessão negativa, uma vez que têm uma forte presença no mercado chinês, e perderam hoje entre 3,7% e 7%.

Nas matérias-primas, o “ouro negro” também regista uma tendência negativa, pressionado pela quebra da procura chinesa por petróleo. Em Londres, o barril de Brent, referência mundial, perde 2,92%, para 58,14 dólares. Nos Estados Unidos, o West Texas Intermediate cai 2,69%, para 52,75 dólares.

Ler mais

Relacionadas

Coronavírus ‘contagia’ Wall Street. Todos os índices em queda

A imprensa internacional dá conta de que o vírus chinês, que teve origem na cidade de Wuhan, já vitimou pelo menos 80 pessoas. A China, que já disse que os sintomas do vírus podem demorar até 14 dias para se manifestaram, cancelou diversos serviços de transportes públicos e celebraçoes da entrada no novo ano para conter a propagação do vírus. As chegadas de turistas a Macau, a capital do jogo, registaram uma queda de 80% face a igual período do ano passado, noticiou a “Bloomberg”.

Coronavírus remete touros ao descanso

Os investidores optam para já pela cautela, alocando capital nos activos refúgio, em resposta à incerteza que emana da situação relativa ao coronavírus.
Recomendadas

PSI-20 desvaloriza mais de 3% e segue perdas da Europa

As ações do grupo EDP estão a afundar mais de 5%. Destaque ainda para a queda superior a 2% de cotadas como o BCP, CTT, Corticeira Amorim, Pharol, Sonae, Galp Energia e Navigator.

Praça portuguesa acompanha Europa em queda. BCP, EDP e Galp pressionam PSI 20

PSI20 cai 0,36%, para 4.871,00 pontos, em linha com as principais congéneres europeias.

‘Tapering’ é a palavra que a Fed quer abafar, pelo menos por enquanto

Mais estimulos orçamentais devido ao controlo do Senado pelos democratas e a perspetiva de um aumento do consumo pós-vacina fizeram aumentar as expectativas sobre a inflação e acender o debate sobre o ‘timing’da redução das compras de ativos pelo banco central. Jerome Powell deverá reiterar após a reunião de dois dias que ainda não é altura para essa discussão.
Comentários