Wall Street caminha para a quarta semana de perdas. Bolsa de Nova Iorque em baixa

Em contraciclo, com subidas, estão a Royal Caribbean, da Carnival e da Norwegian, depois de o Barclays recomendar a compra de ações destas companhias de cruzeiros porque se estão a aproximar de um “ponto de inflexão”.

A bolsa de Nova Iorque abriu a sessão desta sexta-feira em terreno negativo e caminha, assim, para a quarta semana consecutiva de perdas, acompanhamento o ambiente que se tem vivido dos mercados financeiros da Europa nos últimos dias, perante o aumento de casos de coronavírus.

No arranque da última sessão da semana, o industrial Dow Jones desliza 0,18%, para os 26.767,53 pontos, o financeiro S&P 500 perde 0,40%, para os 3.233,76 pontos e o tecnológico Nasdaq cai agora 0,16%, para os 10.655,70 pontos. Já o Russell 2000 desvaloriza 0,62%, para os 1.445,75 pontos.

Entre os principais índices de Wall Street destacou-se o Nasdaq, uma vez que ainda conseguiu abrir as negociações com uma subida de 0,20% impulsionado pelos ganhos das gigantes Amazon (+0,25%, para 3.027,48 dólares) e Apple (+0,14%, para 108,37 dólares).

Como nota positiva, o facto de o Barclays ter feito um upgrade às ações da Royal Caribbean, da Carnival e da Norwegian, recomendando a compra de títulos de companhias de cruzeiros porque estas empresas se estão a aproximar de um “ponto de inflexão”.

A nível macroeconómico, tal como explicam os analistas da XTB, é a divulgação dos pedidos de bens duráveis dos Estados Unidos que está em destaque hoje. “Portanto, quaisquer atualizações de notícias sobre a Covid-19 e comentários do governo dos Estados Unidos sobre um novo pacote de estímulo podem causar alguns movimentos de mercado. Além disso, alguns banqueiros centrais devem discursar durante o dia”, referem, em research.

Em relação ao mercado petrolífero, o preço do ‘ouro negro’ está a cair ligeiramente. O valor do petróleo WTI, produzido no Texas, perde 0,92% para 39,94 dólares por barril, enquanto a cotação do barril de Brent está a desvalorizar 0,67% para 41,66 dólares.

Quanto ao mercado cambial, o euro desvaloriza 0,31% face ao dólar, para 1,1636 dólares, e a libra recua 0,20% face à moeda dos Estados Unidos, para 1,2723 dólares.

Ler mais

Recomendadas

‘Falcões’ vs ‘pombas’ no BCE. Lagarde vai dar sinal forte, mas tensões devem adiar estímulos

O banco central da zona euro está novamente dividido entre os que querem mais estimulos já e os que preferem aguardar. Christine Lagarde tem espaço de manobra e deverá aguardar até dezembro, quando tiver novas projeções e melhor visão sobre riscos politicos. A mensagem de hoje deverá ser, portanto, de promessa de agir face ao aumento de riscos.

Bolsa de São Paulo cai 4,25% com novas restrições na Europa face à pandemia

A bolsa paulista registou assim a sua quarta queda consecutiva, enquanto o dólar norte-americano continua a subir e hoje valorizou 1,31%, fechando a sua cotação em 5,75 reais (0,85 cêntimos de euro) para compra e venda.

Wall Street fecha em queda acentuada e Dow atinge o valor mais baixo desde julho

As ações foram castigadas pela 2.ª vaga da Covid-19. A crescente pandemia e o fracasso de Washington em alcançar um acordo em torno de um novo estímulo fiscal antes das eleições de 3 de novembro levaram todos os três índices de ações a fecharem em queda de mais de 3%. O petróleo também sofreu uma queda significativa.
Comentários