Wall Street em alta contagiada pelo otimismo em torno das negociações entre EUA e China

A impulsionar as ações americanas esteve, em parte, uma entrevista dada pelo principal conselheiro económico do Presidente Trump, Larry Kudlow, que referiu que a parte final da primeira fase do processo negocial com a China “está a correr bem”. Larry Kudlow adiantou ainda que a imposição de novas tarifas sobre produtos chineses, agendada para dia 15 de dezembro, poderá ser suspensa.

Andrew Kelly/Reuters

O otimismo em torno das negociações comerciais entre os Estados Unidos e a China impulsionaram os três principais índices da bolsa de Nova Iorque e o S&P 500 recuperou para a fasquia dos três mil pontos. Os resultados trimestrais apresentados pelas cotadas norte-americanas também animaram o sentimento do mercado.

Esta segunda-feira, o S&P 500 encerrou a primeira sessão da semana com uma subida de 0,68%, para os 3.006,60 pontos; o tecnológico Nasdaq ganhou 0,91%, para 7,940,33 pontos; e o industrial Dow Jones valorizou 0,21%, para 26,826.96 pontos.
A impulsionar as ações americanas esteve, em parte, uma entrevista dada pelo principal conselheiro económico do Presidente Trump, Larry Kudlow, que referiu que a parte final da primeira fase do processo negocial com a China “está a correr bem”. Larry Kudlow adiantou ainda que a imposição de novas tarifas sobre produtos chineses, agendada para dia 15 de dezembro, poderá ser suspensa.

As ações da Boeing fecharam em queda, perdendo mais de 3%, depois de a empresa ter sido alvo de três revisões dos bancos UBS e Credit Suisse terem revisto em baixa o guidance.

As revisões em baixas foram justificadas pelos riscos do modelo 737 Max depois de ter sido divulgado que um piloto tinha assinalado perigos durante o processo de certificação do avião que, mais tarde, vieram a ser relacionados com dois incidentes fatais.

Em causa estão as falhas do modelo 737 Max que estiveram na génese de dois desastres que levaram à morte de 157 pessoas em março passado, num voo da Ethiopian Airlines, depois de já terem morrido 189 pessoas a bordo da mesma aeronave da Boeing em outubro de 2018.

A earnings season será um dos principais temas dos próximos dias, com mais de 120 empresas do S&P 500 a reportarem as suas contas. Entre estas, de salientar a McDonalds, a Microsoft, a 3M, a Amazon e a Caterpillar.

Nas matérias-primas, o barril de Brent, referência para o mercado mundial, caiu 0,56%, para 59,09 dólares. Nos EUA, o West Texas Intermediate perdeu 0,50%, para 53,51 dólares.

Ler mais

Relacionadas

Declarações chinesas sobre guerra comercial impulsionam Wall Street

Na sexta-feira passada, Liu He assegurou que a China está disponível em continuar a negociar com os EUA e reconheceu que uma trégua beneficiaria os dois países e a economia mundial.
Recomendadas

Trump corta laço com a OMS mas não sobe tarifas à China e Wall Street fecha mista

Os Estados Unidos vão aumentar o escrutínio das empresas chinesas cotadas em Nova Iorque, algo que a Tencent se prepara para fazer já na próxima semana. “As empresas de investimento não devem sujeitar os clientes aos riscos escondidos e impróprios associados ao financiamento de empresas chinesas que não seguem as mesmas regras”, disse esta sexta-feira Donald Trump.

Bolsas europeias acabam semana com perdas. Papeleiras abalam PSI-20

Já EDP Renováveis subiu 1,71%, para 11,92 euros, um dia depois de ter informado que assegurou um contrato de 20 anos num leilão de energia eólica em Itália.

Wall Street abre mista à espera da conferência de imprensa de Donald Trump

A pressão vendedora começou a sentir-se logo ontem à noite, quando o presidente norte-americano informou que iria falar aos jornalistas sobre a China. “O governo dos Estados Unidos está… Vou usar a palavra furioso com o que a China fez nos últimos dias, semanas e meses”, disse esta sexta-feira o assessor económico da Casa Branca.
Comentários