Wall Street em queda ligeira com investidores à espera de Powell

Maioria dos analistas e dos mercados antecipa que o Federal Open Market Committee (FOMC) deverá anunciar um novo corte de 25 pontos base na federal funds rate para um intervalo de 1,75% a 2%.

Reuters

Os principais índices norte-americanos abriram a sessão desta quarta-feira a negociar em queda ligeira, com os investidores expectantes sobre o final da reunião da Reserva Federal norte-americana.

O industrial Dow Jones recua 0,18% para 27.063,31 pontos, o S&P 500 cai 0,25% para 2.998,28 pontos e o tecnológico Nasdaq perde 0,27% para 8.163,85 pontos.

A maioria dos analistas e dos mercados antecipa que o Federal Open Market Committee (FOMC) deverá anunciar um novo corte de 25 pontos base na federal funds rate para um intervalo de 1,75% a 2%. O banco central cortou na reunião de julho a taxa de juro diretora para um intervalo de 2% a 2,25%.

“O mercado estará especialmente atento às palavras de [o presidente da Fed, Jerome] Powell, de forma a encontrar pistas sobre futuras ações da Fed. Certamente irá repetir a mensagem de que «a Fed utilizará todas as ferramentas que tem ao seu alcance para suportar a expansão económica». Veremos. As taxas forward encontram-se em 1,67% para dez’19 e 1,26% para dez’20”, realça a nota de research do Bankinter, divulgada esta quarta-feira.

A pressionar Wall Street está também a queda de 11% da FedEx depois de sinalizar que os resultados deverão ficar aquém das expectativas.

No mercado petrolífero, o Brent cai 1,05% para 63,87 dólares por barril, enquanto o petróleo Bruto WTI recua 1,40% para 58,27 dólares.

‘Same again, please’: Fed deverá fazer novo corte de 25 pontos base na taxa de juro

Ler mais
Relacionadas

‘Same again, please’: Fed deverá fazer novo corte de 25 pontos base na taxa de juro

Os analistas prevêem que o banco central norte-americano anuncie um novo corte na taxa diretora para 1,75%-2%. Depois disso é difícil dizer para onde irá a política monetária. Mas uma coisa é certa, Trump vai achar que o corte é curto.

Um passo atrás da Fed e do BCE, bancos centrais em Londres e Tóquio têm de esperar para lançar estímulos

Os bancos centrais do Japão e de Inglaterra têm reuniões esta quinta-feira e ambos têm razões para adiar novas medidas acomodatícias para combater as incertezas globais. No caso do primeiro será o aumento do IVA, enquanto no do segundo a causa do atraso será o suspeito do costume: o Brexit.
Recomendadas

Bolsa nacional acompanha Europa, dominada pelo tema Brexit

Em Lisboa, há quinze empresas cotadas a negociar em alta, uma em baixa e duas sem variação.

Brexit, uma história interminável

O mercado está agora numa fase de algum risco acrescido, que a época de resultados não tem conseguido amenizar, até porque as empresas não fazem milagres e o ambiente económico é hoje bem mais desafiante do que há um ano

Topo da agenda: tudo o que não pode perder na economia e nos mercados esta semana

A reunião do BCE esta quinta-feira será a última do mandato de Mario Draghi, numa semana na qual a incerteza sobre o Brexit irá continuar. A época de resultados chega ao PSI 20, com a Galp e a Jerónimo Martins a divulgarem números do terceiro trimestre.
Comentários