Wall Street fecha em alta em dia de banca

O índice KBW Banks, que inclui os principais bancos americanos, valorizou 1,8%, até aos 100,5 pontos. A bolsa dos EUA subiu à boleia dos resultados dos bancos.

Reuters

Os três principais índices da New York Stock Exchange fecharam em alta. O Dow Jones subiu 0,89% para 27.024,8 pontos, o S&P 500 ganhou 1% para 2.995,7 pontos e o Nasdaq valorizou 1,24% para 8.148,7 pontos.

O dia foi marcado pelo regresso dos lucros dos gigantes da banca.  O JP Morgan Chase subiu em bolsa 3,03% após exceder as previsões nos seus resultados trimestrais. Jamie Dimon, CEO, reconheceu que a economia dos EUA “desacelerou”, mas que o  consumidor ainda está “saudável”.

Além disso, o Citigroup avançou 1,4% depois das suas contas do trimestre agradarem os investidores. O CEO, Michael Corbat, também enfatizou a força do consumidor americano “apesar da atmosfera de incerteza” na economia. O banco diz que a atividade comercial permitiu “cumprir a estratégia de melhorar o retorno aos acionistas”.

Outro banco que subiu fortemente foi o Wells Fargo (+ 1,6%), após exceder as previsões nas suas receitas. Por sua vez, o Goldman Sachs foi infectado pelo tom ascendente de seus concorrentes e, apesar de uma queda de 23% dos lucros no período, o banco de investimento recuperou 0,3% em bolsa.

OO Índice KBW Banks, que inclui os principais bancos americanos, valorizou 1,8%, até aos 100,5 pontos.

Ao nível macroeconómico, o Fundo Monetário Internacional (FMI) reduziu em 3% a sua previsão de crescimento para a economia mundial em 2020, devido a um “abrandamento sincronizado” causado pela “incerteza da guerra comercial”.

O FMI fala num crescimento real do PIB mundial de 3,0% em 2019 e 3,4% em 2020 (valores revistos em baixa em 0,2 p.p. e 0,1 p.p. face ao update de julho). As economias desenvolvidas deverão crescer 1,7% em 2019 e em 2020 (valor de 2019 revisto em baixa em 0,2 p.p. em comparação com o update de julho) e a zona euro deverá crescer 1,2% e 1,4%, em 2019 e 2020, respetivamente (valor de 2019 revisto em baixa em 0,1 p.p. e valor de 2020 revisto em baixa em 0,2 p.p. em comparação com o update de julho).

O crescimento previsto pelo FMI para os países emergentes é de 3,9% em 2019 e 4,6% em 2020 (valores revistos em baixa em 0,2 p.p. e 0,1 p.p. face ao update de julho).

Na cena internacional, o Reino Unido e União Europeia estão muito perto de um novo acordo para o Brexit.

No caso dos EUA, O FMI espera um crescimento de 2,4% para este ano, face aos 2,6% previstos em julho. Por outro lado, até 2020, prevê um crescimento de 2,1%, acima dos 1,9% anteriores. Segundo sua avaliação, a economia americana enfrenta a diluição gradual dos efeitos expansivos da reforma tributária de 2017 e a incerteza causada pela guerra comercial com a China.

Além disso, o FMI alertou para a dívida pública, que “está em uma clara trajetória ascendente”, o que requer uma consolidação “gradual”. Sobre as recentes reduções nas taxas de juros do Federal Reserve (Fed), o FMI apontou que “a baixa inflação e a pressão sobre os salários abriram espaço para proteger a economia contra os riscos negativos da economia global”.

Noutros mercados, o petróleo do West Texas cai 1,23%, para 52,93 dólares.

Ler mais

Recomendadas

Trump corta laço com a OMS mas não sobe tarifas à China e Wall Street fecha mista

Os Estados Unidos vão aumentar o escrutínio das empresas chinesas cotadas em Nova Iorque, algo que a Tencent se prepara para fazer já na próxima semana. “As empresas de investimento não devem sujeitar os clientes aos riscos escondidos e impróprios associados ao financiamento de empresas chinesas que não seguem as mesmas regras”, disse esta sexta-feira Donald Trump.

Bolsas europeias acabam semana com perdas. Papeleiras abalam PSI-20

Já EDP Renováveis subiu 1,71%, para 11,92 euros, um dia depois de ter informado que assegurou um contrato de 20 anos num leilão de energia eólica em Itália.

Wall Street abre mista à espera da conferência de imprensa de Donald Trump

A pressão vendedora começou a sentir-se logo ontem à noite, quando o presidente norte-americano informou que iria falar aos jornalistas sobre a China. “O governo dos Estados Unidos está… Vou usar a palavra furioso com o que a China fez nos últimos dias, semanas e meses”, disse esta sexta-feira o assessor económico da Casa Branca.
Comentários