Wall Street fecha sem tendência definida

Dados económicos e Fed voltam a confundir investidores: a Reserva Federal, depois de ter decidido baixar as taxas de juro em 25 pontos base, mantém “todas as opções em aberto”.

Brendan McDermid/Reuters

As bolsas dos Estados Unidos fecharam sem uma tendência definida, num dia em que os dados económicos não ajudaram a clarificar a divisão na Fed, Reserva Federal norte-americana, que, depois de ter decidido baixar as taxas de juros em 25 pontos, diz agora que mantém todas as opções em aberto.

O dia ficou marcado pela divulgação de dados económicos, que influenciaram os investidores em sentidos opostos, aparentemente sem preceberem se devem optar pela hipótese de o Fed descer as taxas diretoras ou, ao contrário, se optará por subí-las. A indecisão costuma ser, como se sabe, o pior cenário para os investidores.

O Dow Jones foi o único dos três principais índices a subir, registando um ganho de 0,19% para 26.252,24 pontos, enquanto o Nasdaq recuou 0,36% para 7.991,39 pontos. Já o S&P500 fechou o dia com uma queda de apenas 0,05% para 2.922,95 pontos.

Do lado positoivo esteve a queda, superior à prevista pelos analistas, dos pedidos de subsídios de desemprego. Do lado oposto esteve um outro dado que aponta para uma contração na atividade industrial – que motivou a criação líquida de emprego muito abaixo daquilo que o governo tinha prometido. Segundo a imprensa norte-americana, a criação de emprego pode ter ficado cerc a de meio milhão atrás do previsto.

Paradoxalmente, às primeiras horas do mercado, e depois da divulgação das minutas da última reunião da Reserva Federal, os ínices estiveram do lado positivo, mas o certo é que, no fecho, a tendência deixou de ser tão positiva.

Amanhã, os investidores estarão atentos às palavras do presidente da Fed, Jerome Powell – já anteriormente declarado inimigo do presidente Trump. O líder da autoridade vai falar em Jackson Hole e os investidores estão expectantes para perceberem se serão deixados mais sinais – e, já agora, para que lado.

Por setores, as tecnológicas pressionaram a negociação, enquanto a banca travou as quedas. Apple, IBM, Intel recuaram todas mais de 0,5%, enquanto o Bank of America, o Goldman Sachs  e o Citigroup subiram cerca de 1%.

Destaque para as ações da Nordstrom, uma retalhista, que disparou 16%, depois de, à semelhança da Target e da Lowe na última sessão, ter apresentado resultados trimestrais que superaram as estimativas dos analistas.

Ler mais
Recomendadas

Ataques na Arábia Saudita fazem Dow Jones quebrar oito dias de ganhos

Os títulos das transportadoras aéreas JetBlue Airways (-3,05%, para 16,86 dólares), da United Airlines (-2,84%, para 88,76 dólares) e da American Airlines (-7,28%, para 27,27 dólares) reagiram em baixa à notícias dos ataques à petrolífera saudita.

Galp à boleia da escalada do petróleo põe PSI 20 em alta em contra-ciclo

A bolsa portuguesa encerrou o dia em alta em linha com a Europa. O petróleo foi a estrela da sessão. A justificar esteve o ataque a duas instalações petrolíferas na Arábia Saudita por drones, o que fez reduzir a capacidade de produção para menos de metade.

Respostas Rápidas: combustíveis em Portugal vão aumentar com a subida dos preços do petróleo?

Não haverá nenhuma crise de abastecimento, não vai faltar petróleo no mercado, mas é óbvio que isto causa nervosismo nos mercados financeiros e era natural que houvesse uma subida de preços hoje”, disse o hoje o secretário-geral da Associação Portuguesa de Empresas Petrolíferas.
Comentários