Wall Street fecha sem tendência definida

Dados económicos e Fed voltam a confundir investidores: a Reserva Federal, depois de ter decidido baixar as taxas de juro em 25 pontos base, mantém “todas as opções em aberto”.

Brendan McDermid/Reuters

As bolsas dos Estados Unidos fecharam sem uma tendência definida, num dia em que os dados económicos não ajudaram a clarificar a divisão na Fed, Reserva Federal norte-americana, que, depois de ter decidido baixar as taxas de juros em 25 pontos, diz agora que mantém todas as opções em aberto.

O dia ficou marcado pela divulgação de dados económicos, que influenciaram os investidores em sentidos opostos, aparentemente sem preceberem se devem optar pela hipótese de o Fed descer as taxas diretoras ou, ao contrário, se optará por subí-las. A indecisão costuma ser, como se sabe, o pior cenário para os investidores.

O Dow Jones foi o único dos três principais índices a subir, registando um ganho de 0,19% para 26.252,24 pontos, enquanto o Nasdaq recuou 0,36% para 7.991,39 pontos. Já o S&P500 fechou o dia com uma queda de apenas 0,05% para 2.922,95 pontos.

Do lado positoivo esteve a queda, superior à prevista pelos analistas, dos pedidos de subsídios de desemprego. Do lado oposto esteve um outro dado que aponta para uma contração na atividade industrial – que motivou a criação líquida de emprego muito abaixo daquilo que o governo tinha prometido. Segundo a imprensa norte-americana, a criação de emprego pode ter ficado cerc a de meio milhão atrás do previsto.

Paradoxalmente, às primeiras horas do mercado, e depois da divulgação das minutas da última reunião da Reserva Federal, os ínices estiveram do lado positivo, mas o certo é que, no fecho, a tendência deixou de ser tão positiva.

Amanhã, os investidores estarão atentos às palavras do presidente da Fed, Jerome Powell – já anteriormente declarado inimigo do presidente Trump. O líder da autoridade vai falar em Jackson Hole e os investidores estão expectantes para perceberem se serão deixados mais sinais – e, já agora, para que lado.

Por setores, as tecnológicas pressionaram a negociação, enquanto a banca travou as quedas. Apple, IBM, Intel recuaram todas mais de 0,5%, enquanto o Bank of America, o Goldman Sachs  e o Citigroup subiram cerca de 1%.

Destaque para as ações da Nordstrom, uma retalhista, que disparou 16%, depois de, à semelhança da Target e da Lowe na última sessão, ter apresentado resultados trimestrais que superaram as estimativas dos analistas.

Ler mais

Recomendadas

‘Earnings season’ e reunião do BCE: hoje há “Mercados em Ação”, às 17h00

Acompanhe o “Mercados em Ação” no site e nas redes sociais do Jornal Económico. E reveja-o através da plataforma multimédia JE TV.

BCP e CTT levam PSI 20 ao ‘vermelho’ no fecho da sessão

Praça lisboeta fechou a sessão desta terça-feira com uma descida de 0,08% para 5.303,81 pontos, seguindo a tendência da maioria das suas congéneres europeias.

Alterações climáticas poderão provocar crise financeira mais grave do que a de 2008

O Banco de Compensações Internacionais (BIS) alertou para a necessidade de os bancos centrais “mais proactivos” em preconizar esforços maiores para mitigar as consequências do aquecimento global e das alterações climáticas. “As catástrofes climáticas são mais sérias do que a maioria das crises financeiras sistémicas: podem ameaçar a  humanidade”, frisou a instituição no livro “Cisne Verde: Bancos Centrais e Estabilidade Financeira na Era das Alterações Climáticas”, do Banco de Compensações Internacionais”, que foi hoje publicado.
Comentários