Wall Street fecha semana a subir animado com tréguas na ‘guerra tecnológica’

Wall Street recuperou das perdas de quinta-feira. Declarações do presidente norte-americano sobre a possibilidade da Huawei poder ser incluída no acordo entre EUA e China relativamente à ‘guerra comercial’ animou os investidores.

O otimismo voltou a reinar em Wall Street com os principais índices norte-americanos a fecharam a última sessão da semana a negociar no verde, animados pela hipótese dos Estados Unidos incluirem a Huawei no acordo da guerra comercial.

O industrial Dow Jones subiu 0,37% para 25.585,69 pontos, o alargado S&P 500 valorizou 0,14% para 2.826,06 pontos e o tecnológico Nasdaq ganhou 0,11% para 7.637,01 pontos.

O presidente norte-americano, Donald Trump, sugeriu que a Huawei pode ser incluída no acordo entre EUA e China relativamente à ‘guerra comercial’. As tréguas dos EUA, por 90 dias, à Huawei permitiram ao mercado respirar um pouco depois das quedas desde o início de maio.

A empresa de telemóveis chinesa, a Huawei, é neste momento a principal arma de arremesso na guerra comercial entre os EUA e a China. Donald Trump colocou a Huawei na lista negra, o que levou a Google e as empresas fabricantes de chips a suspenderem os negócios com a empresa chinesa.

No mercado petrolífero, o Brent valoriza 2,15% para 69,22 dólares e o West Texas Intermediate sobe 1,88% para 59 dólares, depois de ontem o preço o crude ter caído mais de 5%, na sequência da divulgação das reservas de petróleo pelos EUA. Na quinta-feira, o barril de Brent perdeu 4,27% para os 67, 96 dólares, e o West Texas Intermediate caiu 5,24% para 58,20 dólares.

Na semanada passada, o stock do crude atingiu o valor mais elevado desde 2017, fixado em 4,7 milhões e barris, contrariamente ao esperado pelos analistas.

Ler mais
Relacionadas

Ganhos modestos marcam abertura em Wall Street

Na abertura, o Dow Jones, S&P 500 e Nasdaq 100 estavam a valorizar 0,43%, 0,45% e 0,35% respetivamente.

Ações, moeda e ouro: como os mercados estão a reagir à demissão de May

Mercados reagem positivamente ao anúncio de demissão da primeira-ministra britânica, Theresa May. Tom moderado do discurso e perspetivas que uma nova liderança termine com a incerteza em torno do Brexit animam investidores, explicam analistas.

‘May Day’ puxa pelas bolsas da Europa. Lisboa não foi exceção

No Reino Unido, confirmou-se o cenário de demissão de Theresa May, que deixa o cargo de Primeira-ministra no dia 7 de junho.  O FTSE 100 subiu 0,65% para 7.277,73 pontos. Por cá o PSI 20 fechou a subir 0,78% para 5.097,28 euros impulsionado pelas ações da EDP; da Sonae; pela REN; pela Jerónimo Martins e pelo BCP.
Recomendadas

Ações do Benfica atingem novo máximo com proposta do Atlético Madrid por João Félix

As ações do clube da Luz atingiram os 3,17 euros, tendo registado uma subida de 4,6% desde que os encarnados informaram a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários de que estão analisar uma proposta sobre o jogador.

PSI-20 mantém-se no ‘verde’ impulsionado pela Altri e Sonae Capital

O principal índice da bolsa de Lisboa abriu a sessão desta quinta-feira com uma subida de 0,19% para 5.087,94 pontos, seguindo a tendência das congéneres europeias

2018: o ano em que o ‘crowdfunding’ chegou ao mercado nacional

O ano passado marcou a ‘estreia’ das plataformas de financiamento colaborativo em Portugal, CMVM a receber sete pedidos de registo. Mas, na Europa, as ambições passam por desenhar um quadro regulatório para impulsionar o ‘crowdfunding’. A Comissão Europeia já entregou proposta ao Parlamento.
Comentários