Wall Street fecha semana a subir animado com tréguas na ‘guerra tecnológica’

Wall Street recuperou das perdas de quinta-feira. Declarações do presidente norte-americano sobre a possibilidade da Huawei poder ser incluída no acordo entre EUA e China relativamente à ‘guerra comercial’ animou os investidores.

O otimismo voltou a reinar em Wall Street com os principais índices norte-americanos a fecharam a última sessão da semana a negociar no verde, animados pela hipótese dos Estados Unidos incluirem a Huawei no acordo da guerra comercial.

O industrial Dow Jones subiu 0,37% para 25.585,69 pontos, o alargado S&P 500 valorizou 0,14% para 2.826,06 pontos e o tecnológico Nasdaq ganhou 0,11% para 7.637,01 pontos.

O presidente norte-americano, Donald Trump, sugeriu que a Huawei pode ser incluída no acordo entre EUA e China relativamente à ‘guerra comercial’. As tréguas dos EUA, por 90 dias, à Huawei permitiram ao mercado respirar um pouco depois das quedas desde o início de maio.

A empresa de telemóveis chinesa, a Huawei, é neste momento a principal arma de arremesso na guerra comercial entre os EUA e a China. Donald Trump colocou a Huawei na lista negra, o que levou a Google e as empresas fabricantes de chips a suspenderem os negócios com a empresa chinesa.

No mercado petrolífero, o Brent valoriza 2,15% para 69,22 dólares e o West Texas Intermediate sobe 1,88% para 59 dólares, depois de ontem o preço o crude ter caído mais de 5%, na sequência da divulgação das reservas de petróleo pelos EUA. Na quinta-feira, o barril de Brent perdeu 4,27% para os 67, 96 dólares, e o West Texas Intermediate caiu 5,24% para 58,20 dólares.

Na semanada passada, o stock do crude atingiu o valor mais elevado desde 2017, fixado em 4,7 milhões e barris, contrariamente ao esperado pelos analistas.

Ler mais

Relacionadas

Ganhos modestos marcam abertura em Wall Street

Na abertura, o Dow Jones, S&P 500 e Nasdaq 100 estavam a valorizar 0,43%, 0,45% e 0,35% respetivamente.

Ações, moeda e ouro: como os mercados estão a reagir à demissão de May

Mercados reagem positivamente ao anúncio de demissão da primeira-ministra britânica, Theresa May. Tom moderado do discurso e perspetivas que uma nova liderança termine com a incerteza em torno do Brexit animam investidores, explicam analistas.

‘May Day’ puxa pelas bolsas da Europa. Lisboa não foi exceção

No Reino Unido, confirmou-se o cenário de demissão de Theresa May, que deixa o cargo de Primeira-ministra no dia 7 de junho.  O FTSE 100 subiu 0,65% para 7.277,73 pontos. Por cá o PSI 20 fechou a subir 0,78% para 5.097,28 euros impulsionado pelas ações da EDP; da Sonae; pela REN; pela Jerónimo Martins e pelo BCP.
Recomendadas

Falta de liquidez é o principal fator que leva cotadas a abandonar a bolsa portuguesa, diz a OCDE

A OCDE sublinha que, nas últimas duas décadas, o número de empresas cotadas na bolsa de valores portuguesa diminuiu em dois terços, de 148 para 55, resultado de uma queda no número de novas listagens e um grande número de empresas que deixaram o mercado de ações através de cancelamentos de registo.

Juros da dívida portuguesa sobem a dois, a cinco e a 10 anos

Cerca das 08:30 em Lisboa, os juros a 10 anos avançavam para 0,582%, contra 0,571% na quarta-feira, depois de terem subido até 1,441% em 18 de março.

Bolsa portuguesa acompanha Europa em queda. BCP pressiona PSI 20

Após três sessões consecutivas de ganhos, o principal índice bolsista português (PSI 20) perde  0,86%, para 4.595,97 pontos, em linha com as principais congéneres europeia.
Comentários