Wall Street impulsionada pelos dados de retalho

As vendas de retalho cresceram 1,6% no mês passado, o que compara com as estimativas de 1,%.

Reuters

Os três principais índices da bolsa de Nova Iorque iniciaram a última sessão desta semana com ganhos. O sentimento dos investidores está a ser impulsionado pelos dados do comércio, relativos ao mês de março, divulgados esta manhã nos Estados Unidos, revelaram a maior subida da atividade comercial nos últimos 18 meses.

As vendas de retalho cresceram 1,6% no mês passado, o que compara com as estimativas de 1,%.

O S&P 500 ganha 0,16%, para 2.905,02 pontos; o tecnológico Nasdaq avança 0,03%, para 7.682,78 pontos; e o Dow Jones sobe 0,40%, para 26.554,88 pontos.

Além disso, o departamento do Emprego norte-americano disse ainda que o número de desempregados que pediram subsídios desemprego caiu para mínimos dos últimos 18 meses na semana passada.

Na vertente empresarial, o analista do Millennium bcp, Ramiro Loureiro, destacou que a TSMC, um importante fornecedora da Apple, “antecipa um fraco trimestre”. A empresa projeta receitas de 7,6 mil milhões de dólares para o trimestre que acaba em junho. E, no último trimestre, “a empresa viu os lucros contraírem 32% no trimestre”, explicou o analista.

Na China, a Amazon “sentiu dificuldades em competir com a Alibaba e a JD. Com”, referiu Ramiro Loureiro. Em consequência, a empresa liderada por Jeff Bezos vai encerrar a loja online amazon.cm. Mas “os vendedores que queiram continuar a vender na Amazon fora da China podem fazê-lo através da Amazon Global Selling”, disse o analista.

Na indústria petrolífera, destaque para a Schlumberger. A maior fornecedora mundial de serviços à índústria do “ouro negro” mantém os planos de investimento para este ano, situados entre os 1,5 mil milhões e os 1,7 mil milhões de dólares, destacou o analista. As receitas ficaram ligeiramente acima das projeções, ascendendo aos 7,88 mil milhões.

“Empresa espera uma melhoria do sentimento em torno do mercado petrolífero no decorrer deste ano, suportado pela procura robusta, os cortes de produção da OPEP e Rússia e abrandamento no crescimento de produção de petróleo de xisto nos EUA”, referiu o analista.

Nas matérias-primas, o petróleo está a subir. O Brent, referência para o mercado europeu, está a valorizar 0,32% para 71,85 dólares. Do outro lado do Atlântico, o West Texas Intermediate, sobe 0,16%, para 63,86 dólares.

Wall Street estará encerrada amanhã, sexta-feira Santa.

 

Ler mais

Relacionadas

PSI 20 acompanha Europa em queda

O principal índice bolsista português cai 0,42%, para 5.345,51 pontos.

Falta de saúde leva Wall Street para o vermelho

A ser notório pela quarta vez desde o início desta earnings season que os investidores não estão para já preparados para impulsionar o mercado para novos máximos históricos, mas também não estão disponíveis para patrocinar uma correcção digna desse nome.
Recomendadas

Wall Street aguenta, mas perdeu fôlego ao longo do dia

Os principais índices do outro lado do Atlântico estiveram a subir, mas no final do dia acabaram por ceder. Mesmo assim, dizem os analistas, os investidores continuam a confiar em novos estímulos à economia.

Sexta sessão em queda. Bolsa de Lisboa penalizada por perdas do BCP e Galp

Num quadro pintado de encarnado, a EDP Renováveis e a Sonae sobressaíram pela positiva, ao subirem ambas cerca 0,20%. Nas restantes praças europeias, igualmente pessimistas, destacam-se as transações de M&A da banca espanhola – desta feita, entre o Unicaja e o Liberbank.

Depois das fortes quedas de quarta-feira, Wall Street abre em baixa

As inscrições no desemprego nos Estados Unidos aumentaram na última semana, sugerindo uma recuperação mais lenta do mercado laboral devido às medidas restritivas para limitar a propagação de covid-19, indicam os números divulgados hoje.
Comentários