Wall Street sem tendência definida. Dona do ‘post-it’ afundou cerca de 13% e arrastou o Dow

No setor industrial, destaque para o tombo de 12,95% da 3M, a empresa que inventou e comercializa os ‘post-it’, o que teve um impacto negativo de 0,4% no Dow.

Stringer/Reuters

Os três principais índices da bolsa de Nova Iorque encerraram a sessão desta quinta-feira sem uma tendência definida. O setor industrial contrabalançou os ganhos do setor tecnológico, impulsionado pelo Facebook e pela Microsoft, que voltou a tornar-se na empresa mais valiosa em bolsa.

Esta quinta-feira, o S&P 500 caiu ligeiramente 0,03%, para 2.926,32 pontos; o tecnológico Nasdaq avançou 0,42%, para 7.816,92 pontos; e o industrial Dow Jones perdeu 0,51%, para 26.462,08 pontos.

No setor industrial, destaque para o tombo de 12,95% da 3M, a empresa que inventou e comercializa os ‘post-it’, o que teve um impacto negativo de 0,4% no Dow.

As receitas da 3M nos primeiro trimestre do ano fixaram-se em 7,8 mil milhões de dólares, abaixo dos 8.025 milhões previstos pelos analistas. E empresa reviu em baixa o guidance para o resto do ano e anunciou o despedimento de dois mil trabalhadores.

A empresa sentiu dificuldade nos mercados fora dos Estados Unidos, nomeadamente na região da Ásia-Pacífico, onde as receitas caíram 7,4%.

No acumulado do ano, as ações da 3M estavam a valorizar 15%, mas perderam mais de 12% depois de um trimestre fraco. Com a desvalorização dos títulos registados esta quinta-feira, as ações estão apenas a valorizar 1% no acumulado do ano.

O setor tecnológico foi impulsionado pelos resultados acima das expectativas da Facebook e da Microsoft. As ações da rede social valorizaram 5,85%, para 193,26 dólares, enquanto os títulos da Microsoft subiram 3,31% para 129,15 dólares. Em bolsa, a Microsoft vale mais do que um bilião de dólares.

Nas matérias-primas, o preço do petróleo está a cair. Em Londres, o Brent, referência para o mercado europeu, está a perder 0,44%, para 74,24 dólares. Do outro lado do Atlântico, o West Texas Intermediate perde 1,29%, para 65,04 dólares.

Ler mais
Relacionadas

Lucro da Facebook cresce 26% mesmo com criação de provisão para multa de três mil milhões de dólares

O Facebook anunciou ontem, após o fecho de Wall Street, que criou uma provisão de contingência para enfrentar uma possível multa da Comissão Federal do Comércio (FTC, na sigla em inglês) de três mil milhões de dólares (2,7 mil milhões de euros).

Microsoft supera previsões de Wall Street com ajuda de computação em nuvem

O lucro líquido subiu a 8,8 mil milhões de dólares, ou 1,15 dólares por ação, que compara com 7,42 mil milhões, ou 0,96 dólares por ação, um ano antes.

Dólar e resultados esfriam optimismo em Wall Street

Já depois do fecho do mercado a Microsoft e a Facebook divulgaram resultados acima das previsões o que ajudou os títulos das empresas a valorizar no after-hours, com destaque para a empresa de social media que ganhou mais de 7%, sendo expectável que o optimismo seja transportado para a sessão de hoje, mais concretamente para o sector tecnológico.
Recomendadas

Wall Street fecha semana a subir animado com tréguas na ‘guerra tecnológica’

Wall Street recuperou das perdas de quinta-feira. Declarações do presidente norte-americano sobre a possibilidade da Huawei poder ser incluída no acordo entre EUA e China relativamente à ‘guerra comercial’ animou os investidores.

Fitch mantém rating de Portugal, mas sobe perspetiva para ‘positiva’

Agência de notação financeira norte-americana manteve o ‘rating’ de Portugal no segundo grau de investimento, mas subiu o ‘outlook’, destacando a trajetória de diminuição do rácio da dívida pública face ao PIB e a diminuição do défice. Resultados das eleições legislativas de outubro não se deverão traduzir em “desvios das atuais políticas orçamentais”, antecipa.

‘May Day’ puxa pelas bolsas da Europa. Lisboa não foi exceção

No Reino Unido, confirmou-se o cenário de demissão de Theresa May, que deixa o cargo de Primeira-ministra no dia 7 de junho.  O FTSE 100 subiu 0,65% para 7.277,73 pontos. Por cá o PSI 20 fechou a subir 0,78% para 5.097,28 euros impulsionado pelas ações da EDP; da Sonae; pela REN; pela Jerónimo Martins e pelo BCP.
Comentários