“Web Summit é um orgulho europeu”. Ursula von der Leyen diz que pandemia acelerou inovação

A presidente da Comissão Europeia acredita que a Europa tem condições para ser tornar “líder global” na transformação digital e garante que recuperação económica terá a digitalização como um dos pilares principais.

Twitter

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, referiu-se esta quarta-feira à Web Summit como “um orgulho europeu” e disse acreditar que 2020 poderá ficar marcado pela aceleração da digitalização da economia. Ursula von der Leyen considera que a pandemia serviu de “catalisador” para a inovação e que a União Europeia (UE) tem condições para ser tornar “líder global” na transformação digital.

“A Web Summit é um orgulho europeu e dá-me esperança de que de os anos 2020 possam ser a nossa década digital”, disse Ursula von der Leyen, na abertura da edição deste ano da Web Summit (que decorre apenas online), agradecendo aos “pioneiros e evangelistas da tecnologia” que permitiram a digitalização dos serviços e a realização de eventos, como a Web Summit, em segurança em tempo de pandemia.

A presidente do executivo comunitário revelou ser “uma otimista em relação à tecnologia” e disse que o impacto da chamada “tecnologia profunda” na vida dos cidadãos é “mais visível do que nunca” devido à Covid-19.

“Por causa da pandemia, vimos anos de inovação e digitalização no espaço de apenas algumas semanas. Empresas de todos os tipos digitalizaram todas ou parte de suas operações, da produção às vendas e atendimento ao cliente. E graças a isso, eles estão a sobreviver. Pessoas que nunca tinham pedido uma pizza online, agora acostumaram-se com todos os tipos de serviços online”, referiu.

Só em 2020, os dados da Comissão Europeia mostram que o valor das empresas europeias de tecnologia aumentou quase 50% e o setor “está a atrair mais capital de risco internacional do que nunca”. Ao mesmo tempo, a aposta nas startups da Europa continua a crescer. Segundo Ursula von der Leyen, “a pandemia foi um catalisador e um acelerador de mudanças”, mas parte dessas tendências “já eram visíveis há algum tempo”.

“Nos últimos cinco anos, o valor das empresas europeias de tecnologia quadruplicou. A Europa tem o maior número de cientistas de inteligência artificial, que publicam estudos nas melhores revistas do mundo. E há mais pessoas a desenvolver software aqui do que nos Estados Unidos”, notou, sublinhando que “a Europa tem todo o potencial para ser líder global na próxima onda de transformação digital”.

Ursula von der Leyen chamou, no entanto, à atenção para o facto de a Europa estar “a avançar abaixo do seu peso” devido a “obstáculos” que concorrentes noutras partes do mundo não enfrentam, como a complexidade regulatória e as barreiras burocráticas.

Para contornar isso, a Comissão Europeia vai investir num plano de recuperação, chamado Next Generation EU, no valor de 750 mil milhões de euros, 20% dos quais destinados à digitalização. “O NextGeneration EU ajudará as pequenas empresas a incorporar as tecnologias mais recentes que já estão disponíveis no mercado”, garantiu.

Ler mais
Recomendadas

Web Summit. Tóquio2020 vão ser os primeiros Jogos da 4.ª revolução industrial, realça COI

Com medalhas feitas com material eletrónico reciclado, veículos sem condutor com zero emissões poluentes, a rede de quinta geração (5G), a realidade aumentada e a robótica, Tóquio2020 vai “exibir universalidade, sustentabilidade e tecnologia”, e dará uma “mensagem de esperança e resiliência” ao mundo”, assinalou Thomas Bach, presidente do Comité Olímpico Internacional (COI), na Web Summit.

Web Summit. “Anseio estar convosco em Lisboa em 2021”, diz Marcelo Rebelo de Sousa

Marcelo Rebelo de Sousa despediu-se da maior cimeira de tecnologia do mundo com o forte desejo e convicção de que em 2021 volte o formato presencial, sublinhando a importância do contacto presencial, mas também de uma edição tão marcante como esta.

Web Summit. Membro da Comissão Federal de Eleições desvaloriza “teoria da conspiração” sobre fraude eleitoral

Ellen Weintraub sublinhou que a polarização de Washington se faz sentir sobretudo numa agência dividida a meio entre os dois partidos e que as declarações do presidente da Comissão não são censuráveis, mas preocupam-na por “não terem qualquer tipo de fundamento”.
Comentários