Whatsapp decide adiar atualização da política de privacidade que permitirá partilhar dados com o Facebook

“Daremos mais tempo para que todas as pessoas possam rever a nossa política antes de 15 de maio de 2021, data em que as novas opções comerciais ficarão disponíveis”, informou o Whatsapp.

Dado Ruvic/REUTERS

Depois de ter anunciado que iria alterar a política de privacidade do serviço, a partir do dia 8 de fevereiro, abrindo a porta à partilha de dados dos utilizados da aplicação com o Facebook, o Whatsapp decidiu adiar as mudanças previstas, segundo um comunicado da empresa divulgado na sexta-feira. A atualização dos termos de utilização da aplicação deverá ocorrer no dia 15 de maio.

Na origem da decisão estará o facto de milhares de utilizadores terem começado a mudar para plataformas concorrentes do Whatsapp, por rejeitarem ver os seus dados partilhados com a rede social Facebook.

“Decidimos prolongar o prazo no qual as pessoas deverão rever e aceitar os termos de atualização. Ninguém terá a sua conta suspensa ou apagada a 8 de fevereiro de 2021. Também faremos um trabalho intenso para esclarecer todas as informações incorretas sobre como a privacidade e a segurança funcionam no Whatsapp. Por isso, daremos mais tempo para que todas as pessoas possam rever a nossa política antes de 15 de maio de 2021, data em que as novas opções comerciais ficarão disponíveis”, informou a rede social.

Foi no dia 4 de janeiro que o Whatsapp anunciou que iria introduzir mudanças na politica de privacidade, para introduzir novas funcionalidades no serviço. Uma das novas funcionalidades passa por permitir que os utilizadores comuniquem diretamente com empresas – e que as empresas comuniquem diretamente com potenciais consumidores – através do Whatsapp

A atualização do serviço é obrigatória, sob pena dos utilizadores que não aceitarem as alterações não poderem continuar a utilizar a aplicação. Contudo, as novas regras não foram bem acolhidas, sobretudo, por incluírem uma autorização para que o Whatsapp partilhe dados pessoais dos utilizadores com o Facebook, mesmo que os utilizadores do Whatsapp não tenham conta no Facebook.

Whatsapp vai atualizar termos de serviço para monetizar aplicação

Ler mais
Relacionadas

Comissão Europeia recomenda colaboradores a trocarem o Whatsapp pelo Signal

A recomendação apareceu em painéis de mensagens internas no início de fevereiro, notificando os funcionários de que “o Signal foi selecionado como a aplicação recomendada para mensagens públicas instantâneas”.

Ultimato de Whatsapp atraiu novos utilizadores para a Signal e Telegram

A direção do Whatsapp anunciou que os utilizadores que optarem por não partilhar os seus dados com o Facebook e Instagram poderão ver as suas contas eliminadas. Face a este ultimato, aplicações alternativas registaram um aumento no número de novos utilizadores.

Whatsapp vai atualizar termos de serviço para monetizar aplicação

Numa nota enviada aos milhões de utilizadores em todo o mundo, a WhatsApp pede que aceitem os novos termos de serviço, sob pena de não poderem voltar a usar a aplicação. A atualização, encarada como um ultimato, gerou críticas entre os utilizadores nas redes sociais.
Recomendadas

Metade dos utilizadores de aplicações bancárias não sabe se os seus dados são vendidos

Este inquérito da ESET foi feito a «mais de dez mil utilizadores» do Reino Unido, EUA, Austrália, Japão e Brasil.

CEO do Twitter põe primeira publicação na rede social à venda. Já vale mais de 2 milhões

O ‘tweet’ de Jack Dorsey está à venda como um NFT, um token (ativo digital) certificado. Uma das maiores ofertas pelo ‘post’, feito em 2006, partiu de Justin Sun, o empreendedor chinês das criptomoedas que já venceu um leilão para um jantar de caridade de Warren Buffett.

Premium“Problema da transformação nas empresas está abaixo da comissão executiva”

O fundador da boutique de consultoria de gestão Evolution 4 All criou uma metodologia de inovação, ADAPT, que está a utilizar em clientes como o BNP Paribas.
Comentários