Whitestar ganha gestão de carteira de NPL de 200 milhões do portefólio ‘Guincho’

A carteira de crédito ‘non-performing unsecured’, que vai ser gerida pela empresa, é composta por mais de 3.700 créditos, cerca de 1.300 devedores e um valor em dívida que ultrapassa os 200 milhões de euros. 

A Whitestar anunciou que ganhou a gestão de uma carteira de 200 milhões de euros, de crédito malparado (NPL – Non Performing Loans) unsecured, ou seja, sem garantias.

A Whitestar Asset Solutions, uma empresa de gestão de carteiras de crédito e imobiliário com cerca de 10 mil milhões de euros em ativos sob gestão, ficou a gestão de uma carteira de NPL que originalmente era do Santander Totta (portefólio ‘Guincho’ Finance) no valor de 481 milhões de euros, que foi vendido no fim de 2018 à 400 Capital Management (o comunicado não identifica o dona da carteira de NPL) e que tinha como servicers a Whitestar Asset Solutions, a Hipoges e a Altamira.

A Altamira saiu e a Whitestar substitui a Altamira como servicer.

A carteira de crédito non-performing unsecured, que vai ser gerida pela Whitestar é composta por mais de 3.700 créditos, cerca de 1.300 devedores e um valor em dívida que ultrapassa os 200 milhões de euros.

“Esta carteira estava a ser gerida por um servicer concorrente e, acima de tudo, é mais um sinal importante da confiança do mercado na qualidade dos nossos  serviços”, explica João Bugalho, managing director de Asset Managment do sul da Europe na Arrow Global e CEO da Whitestar Asset Solutions.

A gestão da nova carteira tem efeitos a 1 de maio. “Trata-se de um portefólio que integra a carteira Guincho, a segunda titularização pública de NPL realizada em Portugal, cuja gestão tinha sido dividida por três servicers: Whitestar – Individual Secured; Hipoges – Corporate Secured e Altamira – Unsecured”, diz o comunicado.

João Bugalho acrescenta ainda que “esta notícia ganha ainda maior relevo por tratar-se de uma carteira integrada numa titularização pública com rating”.

Recomendadas

Hélder Rosalino reconduzido no Banco de Portugal com efeitos retroativos a 2019

Hélder Rosalino tem menos de três anos pela frente na administração do Banco de Portugal porque o Governo reconduziu o ex-governante social democrata, mas com efeitos retroativos a setembro de 2019. O mandato dos administradores do banco central são de cinco anos.

Fitch admite que o malparado dos bancos portugueses vai aumentar em 2022

Rafael Quina antevê que o malparado decorrente de 18 meses de moratória se vai fazer sentir especialmente em 2022. O analista disse ainda que há espaço para aumentar a consolidação bancária o que “ajudaria a melhorar os modelos de negócio da banca portuguesa, no sentido de  aumentar a resiliência e a rentabilidade”. Mas ainda há barreiras a derrubar.

Banco CTT vai recolher e reciclar cartões de débito inutilizados através de envelope RSF

“O Banco CTT tem neste momento uma base com mais de 600 mil clientes, pelo que acreditamos que juntarmo-nos a este movimento terá um impacto a prazo relevante na fomentação de hábitos de sustentabilidade ecológicos”, afirma no comunicado Luís Pereira Coutinho, Presidente Executivo do Banco CTT.
Comentários