WPP Portugal deixa estrutura acionista do Grupo Marktest

A mudança na estrutura acionista não belisca o acionista maioritário, a Gestmedia (detida por Jorge Fonseca Ferreira, José Manuel Oliveira e Luís Queiró), que continua a deter 60% da Marktest

A reestruturação da estrutura acionista do grupo de estudos de mercado Marketest está concluída e, dessa forma, a WPP Portugal sai de cena dando lugar ao fundo investimento Bain Capital, uma das maiores gestoras de ativos do mundo (controla mais de 100 mil milhões de dólares em ativos), apurou o Jornal Económico esta terça-feira.

A mudança na estrutura acionista não belisca o acionista maioritário, a Gestmedia (detida por Jorge Fonseca Ferreira, José Manuel Oliveira e Luís Queiró), que continua a deter 60% da Marktest. Mas os restantes 40% já não estão nas mãos da WPP Portugal, que transferiu a sua participação para a holandesa Kantar Holding S.A, que pertence a 100% à WPP. Por sua vez, a WPP vai vender 60% da Kantar ao fundo de investimento Bain que passa assim a ser acionista da Marktest – A WPP fica apenas com 40% da Kantar.

É a Kantar Holding S.A que concentra todos os ativos que a WPP detinha nas áreas de negócio de estudos de mercado e de medição de audiências.

Em 25 de outubro, o semnário “Expresso” tinha noticiado que a reestruturação estava em curso e que o fundo Bain, através da operação entre a WPP e a Kantar, passaria a ter uma participação indireta na Marktest de 24%.

As operações do grupo Marktest congrega atividades na medição de audiências de meios e monitorização de investimentos publicitários, bem como a elaboração de barómetros em diversas áreas como telecomunicações, banca, seguros e distribuição. O grupo foi fundado em 1980.

Recomendadas

Sindicato dos Maquinistas critica falta de explicações da IP

Apesar das fortes críticas à IP, o SMAQ garante que se vai abster de fazer mais declarações sobre este assunto, preferindo aguardar, “serenamente, e confiante na competência do GPIAFF, pelo relatório final”.
cais do sodré, pink street

PME dizem que novas medidas do Governo “são de bradar aos céus”

“As últimas medidas anunciadas pelo Governo para as Micro, Pequenas e Médias Empresas são de bradar aos céus”, afirma em comunicado a CPPME, acrescentando que “a permissão para os bares noturnos e as discotecas poderem abrir das 08:00 às 20:00, em serviço de pastelaria, só pode ser uma brincadeira de mau gosto”.

Rede da Câmara de Comércio e Indústria retoma prospeção de mercados em setembro

Estão previstas missões empresariais à Sérvia, Marrocos, Polónia, Azerbaijão e Costa do Marfim,
Comentários