Xanana Gusmão anuncia coligação em Timor-Leste para formar Governo

O partido liderado por Xanana Gusmão conta com o apoio dos 21 deputados do CNRT, maior partido da atual coligação do Governo, a nova aliança inclui ainda os cinco deputados do Kmanek Haburas Unidade Nacional Timor Oan (KHUNTO) e cinco do Partido Democrático (PD).

O líder do Congresso Nacional da Reconstrução Timorense (CNRT), Xanana Gusmão, anunciou a formação de uma nova maioria parlamentar para apoiar a formação de um novo Governo em Timor-Leste.

“Para ultrapassar o impasse, os partidos falaram. Estamos prontos para avançar com uma nova maioria. Temos 34 cadeiras no parlamento e nova maioria”, declarou Xanana Gusmão, em conferência de imprensa.

“Perante o impasse, fazemos saber ao nosso povo e à sociedade que perante a situação de incerteza e indefinição políticas que estamos a enfrentar, estes seis partidos vieram aqui para confirmar publicamente que estão preparados para assumir a governação nos próximos anos”, reiterou.

Presentes na conferência de imprensa, na sede do CNRT, em Díli, estavam os dirigentes dos seis partidos políticos que integram a coligação e o antigo Presidente timorense José Ramos-Horta.

Além de contar com o apoio dos 21 deputados do CNRT, maior partido da atual coligação do Governo, a nova aliança inclui ainda os cinco deputados do Kmanek Haburas Unidade Nacional Timor Oan (KHUNTO) e cinco do Partido Democrático (PD).

Fazem ainda parte da nova coligação, os três deputados dos partidos mais pequenos no parlamento de 65 lugares, Partido Unidade e Desenvolvimento Democrático (um deputado), Frente Mudança (um) e União Democrática Timorense (um).

De fora ficam apenas a Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin), maior partido com assento parlamentar, e o Partido Libertação Popular (PLP), força do atual primeiro-ministro, Taur Matan Ruak.

Xanana Gusmão recusou para já avançar pormenores sobre quando será apresentada a nova coligação ao Presidente de Timor-Leste, ou sobre a questão dos nomes de ministros indigitados, maioritariamente do CNRT, que o chefe de Estado não empossou.

Ler mais
Recomendadas

Quando um vírus serve para tentar legitimar as democracias musculadas

Populações são condescendentes com limitações no contexto de estado de emergência, mas há governos que tendem a exagerar as intrusões e a eternizar as medidas de exceção. Os suspeitos são os do costume.

Reino Unido poderá demorar mais de seis meses a regressar à normalidade

A previsão foi avançada durante o encontro virtual com os meios de comunicação, realizado diariamente a partir de Downing Street, – residência oficial do primeiro-ministro, Boris Johnson – que hoje contou também com o ministro britânico da Habitação, Robert Jenrick.

Alemanha. Ministro das finanças do estado de Hasse encontrado morto em linha do comboio

Thomas Schäfer tinha 54 anos e tinha aparecido recentemente em diversos eventos públicos para alertar para o risco do contágio da Covid-19. Era membro da CDU, o partido de centro-direita da chanceler Angela Merkel.
Comentários