Xanana Gusmão anuncia coligação em Timor-Leste para formar Governo

O partido liderado por Xanana Gusmão conta com o apoio dos 21 deputados do CNRT, maior partido da atual coligação do Governo, a nova aliança inclui ainda os cinco deputados do Kmanek Haburas Unidade Nacional Timor Oan (KHUNTO) e cinco do Partido Democrático (PD).

O líder do Congresso Nacional da Reconstrução Timorense (CNRT), Xanana Gusmão, anunciou a formação de uma nova maioria parlamentar para apoiar a formação de um novo Governo em Timor-Leste.

“Para ultrapassar o impasse, os partidos falaram. Estamos prontos para avançar com uma nova maioria. Temos 34 cadeiras no parlamento e nova maioria”, declarou Xanana Gusmão, em conferência de imprensa.

“Perante o impasse, fazemos saber ao nosso povo e à sociedade que perante a situação de incerteza e indefinição políticas que estamos a enfrentar, estes seis partidos vieram aqui para confirmar publicamente que estão preparados para assumir a governação nos próximos anos”, reiterou.

Presentes na conferência de imprensa, na sede do CNRT, em Díli, estavam os dirigentes dos seis partidos políticos que integram a coligação e o antigo Presidente timorense José Ramos-Horta.

Além de contar com o apoio dos 21 deputados do CNRT, maior partido da atual coligação do Governo, a nova aliança inclui ainda os cinco deputados do Kmanek Haburas Unidade Nacional Timor Oan (KHUNTO) e cinco do Partido Democrático (PD).

Fazem ainda parte da nova coligação, os três deputados dos partidos mais pequenos no parlamento de 65 lugares, Partido Unidade e Desenvolvimento Democrático (um deputado), Frente Mudança (um) e União Democrática Timorense (um).

De fora ficam apenas a Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin), maior partido com assento parlamentar, e o Partido Libertação Popular (PLP), força do atual primeiro-ministro, Taur Matan Ruak.

Xanana Gusmão recusou para já avançar pormenores sobre quando será apresentada a nova coligação ao Presidente de Timor-Leste, ou sobre a questão dos nomes de ministros indigitados, maioritariamente do CNRT, que o chefe de Estado não empossou.

Ler mais
Recomendadas

PremiumGaliza e País Basco sem nada de novo na frente autonómica

A norte de Portugal, o PP deverá manter a maioria absoluta obtida em 2009. Bem mais longe, coligação entre nacionalistas e socialistas é para manter.

“Vai acontecer outra vez”, garante comité independente da OMS para avaliar pandemia

Após ter sido nomeada, a antiga primeira-ministra apontou que o mundo deve enfrentar as futuras crises económicas, sociais e políticas com os “pés assentes na terra”.

Pandemia deverá contrair economia do Japão ao ritmo mais rápido de várias décadas, estima Reuters

“Levaria dois ou três anos para a atividade económica regressar a níveis normais no Japão, enquanto os mercados internacionais devem continuar a sofrer com a propagação do vírus”, afirma o economista chefe do Instituto de Investigação Itochu, Atsushi Takeda.
Comentários