Yanis Varoufakis pede um dia de boicote à Amazon na Black Friday

“Ao boicotar a Amazon, está a fortalecer uma coligação internacional de trabalhadores e ativistas”, referiu o ex-governante grego. “A Amazon não é uma mera empresa nem uma mega empresa monopolista. É muito mais e muito pior do que isso. É o pilar do novo tecno-feudalismo”.

Yves Herman/Reuters

O economista e antigo ministro das Finanças da Grécia, Yanis Varoufakis, apelou para que os consumidores promovam um boicote de um dia à Amazon na Black Friday, enquanto alguns sindicatos, ativistas ambientais e promotores de campanhas a favor da proteção de dados, juntaram-se para ações de boicote aos sites e cadeia de abastecimento da Amazon, escreve esta quinta-feira o The Guardian.

Num vídeo publicado online, Varoufakis pediu aos consumidores para não acederem ao site da Amazon na Black Friday – o dia do ano mais lucrativo para o retalho, que este ano calha a 27 de novembro.

“Ao boicotar a Amazon, está a fortalecer uma coligação internacional de trabalhadores e ativistas”, referiu o ex-governante grego. “A Amazon não é uma mera empresa nem uma mega empresa monopolista. É muito mais e muito pior do que isso. É o pilar do novo tecno-feudalismo”.

 

Recomendadas

Propostas dos operadores superam os 194 milhões de euros no quinto dia da licitação principal do leilão do 5G

Em leilão estão faixas dos dos 700 MHz, 900 MHz, 2,1 GHz, 2,6 GHz e 3,6 GHz. No conjunto dos mais de 50 lotes em concurso, o preço base total é de 195,9 milhões. Esta quarta-feira, sete lotes viram o seu preço base aumentar.

Sindicatos da TAP foram avisados de que BE ia propor auditoria à gestão de Neeleman

A auditoria proposta pelo Bloco de Esquerda não será viabilizada no Parlamento. O projeto de resolução entregue pelo BE a recomendar ao Governo uma auditoria à gestão privada da TAP, não chegará a qualquer conclusão no sentido de saber quais são as efetivas responsabilidades do empresário David Neeleman na gestão da TAP e na situação financeira em que a companhia aérea se encontra.

AHRESP defende revogação da medida que proíbe venda de bebidas em ‘take-away’

A associação refere que a medida “apenas vai prejudicar a já difícil situação dos estabelecimentos”. A AHRESP acrescenta que “o que se quer prevenir é o consumo de produtos à porta do estabelecimento ou nas suas imediações, e não a venda”.
Comentários