“yourEUright”: consumidor está mais protegido quando compra online do que quando compra nas lojas

Os mais recentes números da Comissão Europeia mostram que 43% dos portugueses conhece os seus direitos, face a 49% da média europeia.

Cristina Bernardo

Atendendo ao reduzido número de reclamações e da resistência de comprar online levaram a União Europeia a associar-se à Organização Europeia de Consumidores, representada em Portugal pela Deco Proteste, no desenvolvimento da campanha “yourEUright – Estás no teu Direito”.

Em destaque estão quatro dos sete direitos no e-commerce: mudança de banco vs transparência bancária; publicidade honesta; devolução em 14 dias; pacotes de viagem.

O mais recente estudo da UE revela que o nível de conhecimento dos direitos de consumo online tem crescido nos últimos anos mas apenas 43% dos portugueses os conece quando a média europeia é de 49%.

Para Sofia Colares, chefe da representação da Comissão Europeia em Portugal, esta inciativa a decorrer em 10 paises na UE, é essencialmente pensada para o publico mais jovem, a mioria dos conusmidores online. “São os que mais compram mas são também quam mais desconhece as soluções em caso de litígio”, reforça, sublinhando o crescimento significativo do e-commerce em Portugal, ainda que poucas pessoas saibam que “têm mais direitos quando compram online do que compram nas lojas físicas”.

Em análise ao perfil do consumidor português e o conhecimeto que exioste dos direitos nas compras online, Rita Rodrigues, head of public affairs & media relations da Deco Proteste, frisa que muito tem sido feito para responder à evolução de forma a dar respostas às crescentes necessidades do consumidor. Identifcando como tendências globais de consumo: influenciadores de consumo, compras mundiais, millennials – geração Z, live shopping, econimia colaborativa, consumo sustentável, realidade aumentada, conectados e saudáveis, entre outros, mas num universo em constante mudança.

O estudo da Deco Proteste aponta para um perfil do consumidor em que 34% fazem compras espontaneas, 20% não descansa enquanto não compra algo que tem em mente e 10% admite fazer compras inuteis.

“A confiança é a chave para os portugueses, porque pode até ir ver online mas não compra por falta de confiança. sendo que 44% se arrepende das compras, e registámos 1450 reclamações em comércio eletrónico mas 40% revela que recebe proutos que não correspondem ao que viram no site”, detalha a responsável. Da sua análise destaca ainda que também os tempos de entrega se destacam pela negativa, bem como o facto de os portugueses desconhecerem os seus direitos em matéria de devolução e reembolso. Na verdade, pode sempre devolver, à exceção dos proutos alimentares, e tem 14 dias para o fazer, com direito a reeembolso total.

Com a Black Friday e o Natal à porta, a respnsável deixa conselhos  para que as compras online corram bem: “acima de tudo informar-se antes de contratar seja o que for, e quando não corre bem conhecer todas as entidades que podem ajudar a resolver litigios; preparar e pesquisar preços, recolher informação para comparar a qualidade e preços; e por último, conhecer políticas de compra e devolução,

Considerando que esta campanha vem reforçar o trabalho que há muito tem vindo a ser feito em Portugal pela defesa do consuimdor, o secretário de Estado do Comércio, Serviços e Defesa do Consumidor, João Torres, sublinhou também que na evolução do consumo no nosso país  “é evidente que os portugueses valorizam cada vez mais a oferta nacional e têm hoje uma maior atenção às questões da sustentabildiade; num universo que é cda vez mais de oportunidade tanto paras empresas como para os consumidores”. Contudo, há ainda um grande desconhecimentos dos direitos, em compras online, que importa ultrapassar e “um exemplo paradigmático disto é a questão da  devolução em 14 dias. sendo qeu apenas dois em cada três consumidores sabe que há mecanismo dos proteção”, reforçou.

Neste contexto, assegurou ainda que o Governo tem trabalhado no sentido de melhorar alguns pontos chave, nomeadamente, promovendo a proximidade aos mecanismos de resolução de litigios, sobretudo os centros de arbitragem; melhorar a forma como é tratada a informação recolhida como por exemplo a que vem via livro de reclamações, quer seja em formato fisico, eletrónico ou via app; ue ainda, numa última dimensão, a de melhorar as ações de sensibilizaçao e capacitação.

Ler mais
Recomendadas

Euroxent indica que aumento de capital da Vista Alegre atraiu sobretudo investidores internacionais

O aumento de capital da Vista Alegre Atlantis (VAA) atraiu, maioritariamente investidores internacionais, numa operação “muito bem sucedida”, conforme defendeu esta sexta-feira a presidente executiva da Euronext Lisbon.

Seguradora Fidelidade entra no mercado chileno

Com esta entrada no Chilea Fidelidade vai também apostar em alianças com parceiros estratégicos locais, alavancadas numa rede ampla de corretores e grandes retalhistas e de bancassurance, apostando numa qualidade de serviço superior com o objetivo de proporcionar o melhor serviço aos clientes.

PAN pede campanha informativa sobre 5G em Matosinhos

Matosinhos tem uma Zonal Livre Tecnológica, promovida pelo CEiiA – Centro de Engenharia e Desenvolvimento, da qual faz parte a NOS. A operadora usa a zona para testar 5G e em outubro anunciou ter coberto “integralmente” com a nova tecnologia móvel. Agora o PAN pede palestras, conferências e debates por toda a cidade para explicar o que é o 5G.
Comentários