Zero habitantes, 18 toneladas de lixo: Bem-vindo à ilha mais poluída do mundo

Apesar da estar distante da ação humana, a crise da poluição de plástico nos oceanos atinge os locais mais improváveis. Uma das mais remotas ilhas do Oceano Pacífico foi considerada a mais poluída do mundo. Veja o porquê.

A ilha de Henderson, uma das mais remotas do Oceano Pacífico, tem zero habitantes, 18 toneladas de plástico e 38 milhões de detritos, de acordo com os cientistas marinhos da Universidade da Tasmânia.

Mesmo estando afastada da sociedade, a ilha é considerada a mais poluída do mundo com a maior densidade de detritos antropogénicos, isto é, resíduos derivados das atividades e ações humanas, noticia o The Guardian.

A equipa de cientistas afirma que, todos os dias, dão à costa cerca de 13 mil detritos, mas a maioria do lixo está enterrada na areia. Cerca de 99,8% do lixo encontrado são plásticos que provam a atual degradação do meio ambiente, causada pelos elevados níveis de poluição.

Em declarações à Bloomberg, a responsável do estudo, Jennifer Lavers, diz que “temos de repensar a  nossa relação com o plástico. É um material criado para durar para sempre, no entanto, apenas é utilizado por momentos e depois deitado fora”.

“Eu viajei por algumas das mais distantes ilhas do mundo e, independentemente de onde fui, o ano ou a área do oceano, a história é geralmente a mesma: as praias estão repletas de vestígios da atividade humana. Sempre pensei que o fato de ser uma ilha muito remota protegesse Henderson, mas estava completamente enganada. Fiquei sem palavras. Foi, por isso mesmo, que me dei a tanto trabalho para estudar e documentar ao detalhe este caso”, explicou a responsável ao The Guardian.

A ilha de Henderson é um lugar classificado como Património Mundial da Unesco. Apesar da estar distante da ação humana, a crise da poluição de plástico nos oceanos atinge os locais mais improváveis.

 

Recomendadas

Jovens entre 18 e 20 anos podem candidatar-se a 60 mil passes de interrail gratuitos

Os candidatos que ganhem um bilhete podem viajar durante 30 dias, entre março de 2022 e fevereiro de 2023, sendo que por ainda se desconhecer a evolução da pandemia, as reservas são flexíveis.

Bruxelas acusa Biden de “falta de lealdade e transparência” e exige explicações do pacto entre EUA, Austrália e Reino Unido

Charles Michel e von der Leyen consideram que existem “muitas perguntas por responder” depois de Joe Biden ter anunciado uma aliança entre a Austrália e o Reino Unido, tendo desfeito um acordo prévio entre a Austrália e a França sobre compra de submarinos. “Um dos nossos Estados-membros foi tratado de forma inaceitável, por isso queremos saber o que aconteceu e porquê”, frisou a presidente da Comissão Europeia.

Marcelo na ONU: “Conselho de Segurança deve ter presença de África, Brasil e Índia”

É um dos temas mais difíceis no interior da UNO, mas o Presidente português não quis deixar de se lhe referir. A sua intervenção foi toda ela no sentido da defesa do multilateralismo como única arma global para os problemas, que são também globais.
Comentários