14 mil milhões de euros “voaram” do Estado para a banca entre 2008 e 2015

Estado gastou em apoios públicos ao setor financeiro 14.348 milhões de euros entre 2008 e 2015, segundo o parecer do Tribunal de Contas à Conta Geral do Estado (CGE) do ano passado divulgado hoje.

No documento, o Tribunal de Contas afirma que nos últimos sete anos foram concedidos apoios ao setor financeiro de 14.348 milhões de euros, dos quais 2.526 milhões apenas no ano passado.

No final de 2015, acrescenta a entidade liderada por Vitor Caldeira, a nacionalização do BPN e da constituição e funcionamento das sociedades-veículo Parups e Parvalorem e Parparticipadas representaram um défice de 3.241 milhões de euros.

“Estas sociedades apresentavam capitais próprios negativos que totalizavam 2.201 milhões de euros (excluindo do passivo 2.440 milhões de euros de empréstimos do Estado) e beneficiavam de 3.098 milhões de euros de garantias prestadas pelo Estado”, lê-se no parecer.

Por sua vez, a resolução do Banif no ano passado, bem como a criação da Oitante “acarretou despesa pública no montante de 2.255 milhões de euros e beneficiou de uma garantia/contragarantia a uma emissão de obrigações no valor de 746 milhões de euros”.

Já a resolução aplicada ao Banco Espírito Santo (BES) no verão de 2014 teve um impacto nas contas de 3.900 milhões euros.

Recomendadas

“Os problemas do ambiente marinho vão além da sobrepesca ou poluição”, diz ministro do Mar

Celebra-se este sábado o Dia Nacional do Mar. Ricardo Serrão Santos esteve com representantes nacionais das instituições ligadas à pesca, em Sesimbra, onde alertou que “os oceanos de hoje foram levados ao limite pela praga do nosso tempo, o aquecimento global”.

Bloco de Esquerda defende englobamento no IRS para criar mais justiça fiscal

A coordenadora do BE, Catarina Martins, defendeu este sábado o englobamento de rendimentos no IRS como forma de aliviar a carga fiscal para quem trabalha e criar mais justiça fiscal, cobrando a quem ganha rendimentos de capital.

Saudi Aramco começa este domingo o período de subscrição de ações

A maior oferta pública de venda (OPV) de ações da história começa amanhã e estará aberta até ao dia 28 de novembro para investidores privados que somente serão sauditas por decisão da empresa e até 4 de dezembro para investidores institucionais.
Comentários