225 mil milhões em ‘green bonds’. UE vai financiar 30% da recuperação via dívida ‘verde’.

No discurso do ‘Estado da União’, no Parlamento Europeu em Bruxelas, a presidente da Comissão disse que o plano de recuperação é uma oportunidade para a Europa reforçar a posição de liderança global na emissão de obrigações ‘verdes’, ou seja, que são reguladas por critérios ambientais.

Ursula Von Der Leyen | Twitter

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, revelou esta quarta-feira que 30% do valor do programa de recuperação para a economia comunitária, que totaliza 750 mil milhões de euros, irá ser financiado pela emissão de obrigações ‘verdes’.

No primeiro discurso ‘Estado da União’ do seu mandato, von der Leyen recordou que a Europa quer ser o primeiro continente neutro em termos climáticos até 2050 e que a Comissão Europeia propõe aumentar a meta de redução de emissões para 2030 para pelo menos 55%.

“Reconheço que esse aumento de 40% para 55% é demais para alguns e não o suficiente para outros”, disse, no Parlamento Europeu, em Bruxelas. “Mas a nossa avaliação de impacto mostra claramente que a nossa economia e indústria podem gerir isso”.

“A nossa avaliação de impacto mostra claramente que cumprir este objetivo colocaria a UE no caminho certo para a neutralidade climática até 2050 e cumprir as obrigações do Acordo de Paris”, sublinhou.

A presidente da Comissão Europeia explicou que o cumprimento dessa nova meta reduzirá a dependência da importação de energia, criará milhões de empregos e reduzirá em mais da metade a poluição do ar.

“Vamos melhorar o comércio de emissões, impulsionar as energias renováveis, melhorar a eficiência energética e reformar a tributação da energia. Mas a missão do Acordo Verde (Green Deal) europeu envolve muito mais do que cortar emissões”, vincou.  “Trata-se de fazer uma modernização sistêmica da nossa economia, sociedade e indústria. Trata-se de construir um mundo mais forte para se viver”.

“E é aqui que NextGenerationEU fará uma diferença real”, referindo-se ao programa de recuperação acordado pelos lideres europeus em julho.

“Em primeiro lugar, 37% do NextGenerationEU será gasto diretamente em nossos objetivos de Acordo Verde na Europa e vou garantir que isso também leve o financiamento verde para o próximo nível”, disse von der Leyen.

Adiantou que a Europa é líder mundiais em finanças ‘verdes’ e o maior emitente de títulos ‘verdes’ em todo o mundo.

“Posso anunciar hoje que definiremos uma meta de 30% dos 750 mil milhões de euros da NextGenerationEU a serem levantados através de títulos verdes”.

Relacionadas

Ursula von der Leyen: “Temos de manter os apoios, pois o vírus e a incerteza permanecem”

A alemã que lidera a Comissão Europeia proferiu esta quarta-feira o seu primeiro discurso do ‘Estado da União’, no Parlamento Europeu. “Chegou a altura de continuarmos”, frisou, em relação aos apoios para a economia da União Europeia, após uma retração de 12% no segundo trimestre.

Von der Leyen: “É o momento da Europa passar da fragilidade para uma nova vitalidade”

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, defendeu hoje, no seu primeiro discurso sobre o Estado da União, que é momento de a Europa “passar da fragilidade para uma nova vitalidade”, após os impactos da pandemia de covid-19.
Recomendadas

Fim das moratórias: Governo avança com medidas para proteger as famílias

Depois das empresas, o Executivo avança com medidas de proteção das famílias após o fim das moratórias bancárias, em setembro. É a forma encontrada para tentar encontrar uma solução à recusa das autoridades europeias em estender a solução indefinidamente.

IVAucher. Portugueses acumularam 21,2 milhões de euros em junho

O valor acumulado em junho corresponde a um  acréscimo de 48% face ao valor registado em junho de 2020, ficando apenas dois  milhões  de euros abaixo do cenário pré-pandemia. Feitas as contas, o Governo estima que o impacto do Programa IVAucher seja, para já, de pelo menos 42,4 milhões de euros

ANACO elogia prolongamento do prazo de entrega do IVA, mas estranha falta de medidas para o IRC

Apesar de concordarem que a medida é relevante, por permitir a manutenção do apoio à atividade económica nacional”, a ANACO questiona porque motivo não foi esta legislação aplicada também ao IRC.
Comentários