50.964 alunos garantiram entrada no ensino superior. Consulte no JE as notas e as vagas que sobram para a 2.ª fase

Os resultados da primeira fase do Concurso Nacional de Acesso, divulgados este domingo pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior mostram um acréscimo de 15% face ao número de colocados o ano passado nesta fase.

São 50.964 os alunos que garantiram entrada nas universidades e politécnicos portugueses, segundo os resultados da primeira fase do Concurso Nacional de Acesso, divulgados ao primeiro minuto deste este domingo, 27 de setembro, pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

Consulte aqui as vagas a concurso, as vagas preenchidas, as médias de entrada nas várias instituições de ensino e as vagas que sobram para a segunda fase.

O número de candidatos e de colocados subiu em 2020 como nunca. Em relação à primeira fase do concurso do ano passado são mais 15% os novos estudantes no ensino superior público. E o número ainda vai crescer por via da segunda e terceira fases do concurso nacional e do ingresso através de outras modalidades de acesso.

Do total de alunos colocados, 30.671 foram-no em estabelecimentos de ensino universitário e 20.293 em politécnicos, representando aumentos de 12% e 18%, respetivamente do que no ano passado.

De acordo com os dados da Direção-Geral do Ensino Superior, os colocados em ciclos de estudo com maior concentração de melhores alunos (Índice de excelência dos candidatos), aumentou cerca de 29% face ao ano anterior, passando de 1.540 para 1.984 colocados.

Há a registar também um acréscimo de 13% nos estudantes já colocados em ciclos de estudos que visam a formação em competências digitais, que cresce de  6.486, no ano passado, para 7.344 colocados, a par com a consolidação da Iniciativa Nacional de Competências Digitais, INCoDe.2030.

De igual modo, regista-se um crescimento de 20% nos estudantes colocados nas instituições localizadas em regiões com menor pressão demográfica, ou seja, mais 2.028 estudantes.

Os dados divulgados pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior referem ainda um aumento de 37 colocados no curso de medicina ou ciclos básicos de medicina face a 2019, totalizando 1.548 estudantes.

Por seu turno, o contingente especial para estudantes com deficiência aumentou 39% face a 2019, registando 312 estudantes colocados.

Para a segunda fase do concurso sobram 6.050 vagas, representando uma diminuição de 10% em relação a 2019. Há, no entanto, instituições que esgotaram a sua capacidade, como o ISCTE-IUL, que conseguiu encher todas as vagas na 1ª fase. Também na Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, na Escola Superior de Enfermagem de Lisboa e na Escola Superior de Enfermagem do Porto não resta qualquer vaga e na Universidade Nova de Lisboa só resta uma.

As candidaturas à 2.ª fase do Concurso Nacional de Acesso 2020 decorrem entre 28 de setembro e 9 de outubro.

Com base nos resultados da primeira fase e nas estimativas das instituições de ensino superior para as outras vias de ingresso, a Direção-Geral do Ensino Superior “prevê que se inscrevam no ano letivo 2020/21 cerca de 95 mil novos estudantes no ensino superior público e privado, incluindo cerca de 73 mil estudantes nos cursos de licenciatura e mestrados integrados e mais de 9,5 mil estudantes em formações curtas de âmbito superior i.e., cursos técnicos superiores profissionais, TESP’s”.

Ler mais
Recomendadas

SNESup fez contas e denuncia: verbas para ensino superior e ciência crescem apenas 4% e não 17% como consta do relatório do OE2021

Segundo o Sindicato Nacional do Ensino Superior, a dotação para as instituições cresce apenas 23.2 milhões de euros. “Será necessário recuar 14 anos para encontrar um reforço na dotação em linha com estes valores”, denuncia a estrutura liderada por Gonçalo Leite Velho.

Governo determina “encerramento compulsivo” do ISLA de Leiria

Segundo despacho publicado em Diário da República, a instituição encerra no final do ano letivo de 2021-2022, de modo a possibilitar aos estudantes atualmente inscritos a conclusão dos respetivos ciclos de estudo.

PremiumCristina Vaz de Almeida: “Portugal precisa de mais especialistas de literacia em saúde”

ISPA lança programa para mudar comportamentos e melhorar resultados. Coordenado por Carlos Lopes e Cristina Vaz de Almeida, está previsto arrancar a 21 de novembro. Inscrições já abriram.
Comentários