5G. Rangel acusa Costa de “lavar as mãos como Pilatos” e diz que existem meios legais para destituir líder da Anacom (com áudio)

O social-democrata disse que Portugal está na “cauda da Europa” no 5G, sendo o único país, a par da Lituânia, que permanece no “ponto zero” desta tecnologia.

Flickr/PPE

Paulo Rangel deixou hoje duras críticas ao primeiro-ministro pela forma como o Governo tem lidado com o leilão 5G, que se arrasta há nove meses sem fim à vista, apesar das duas alterações já feitas ao regulamento.

O social-democrata disse hoje que António Costa “lavou as mãos como [Pôncio] Pilatos ao atacar a Anacom”, o regulador das telecomunicações, em referência ao episódio bíblico que serve para exemplificar uma pessoa que quer descartar responsabilidades.

“As operadoras de telecomunicações pediram durante dois anos a destituição e o Governo não quis fazer, através dos meios legais próprios, que tem de ir depois ao Parlamento”, afirmou em Bruxelas à entrada para uma reunião do Partido Popular Europeu.

O eurodeputado apontou que apenas Portugal e a Lituânia estão no “ponto zero” do 5G na União Europeia. “A transição digital está em risco, não tivemos capacidade de avançar no 5G. Estamos na cauda da Europa na digitalização”.

Sobre uma eventual destituição de João Cadete de Matos, Rangel defende que o primeiro-ministro tem de tirar “consequências” das suas críticas ao líder da Anacom feitas ontem no Parlamento. “Isto não pode ser uma espécie de escândalo Galp 2 para não acontecer nada”, em referência às críticas do primeiro-ministro à Galp pelo encerramento da refinaria de Matosinhos.

O primeiro-ministro criticou duramente a Anacom na quarta-feira no Parlamento. “O modelo de leilão que a Anacom inventou é o pior modelo de leilão possível. Nunca mais termina e está a provocar um atraso imenso do desenvolvimento do 5G em Portugal”, afirmou António Costa.

“Quem construiu essa doutrina absolutamente extraordinária de que era preciso limitar os poderes dos governos para dar poderes às entidades reguladoras deve refletir sobre este exemplo do leilão do 5G para ver se é este o bom modelo de governação económica do futuro”, afirmou o primeiro-ministro.

A NOS foi a primeira operadora a reagir às declarações do primeiro-ministro, defendendo a demissão de João Cadete de Matos.

“Se dúvidas ainda restassem sobre a profunda incompetência deste regulador, as graves afirmações hoje produzidas pelo sr. primeiro ministro desfazem-nas por completo. Face aos danos que já causou ao país, e perante esta tomada de posição, não resta outra alternativa ao presidente da Anacom do que apresentar de forma imediata a sua demissão, permitindo desta forma evitar que Portugal seja ainda mais sacrificado do que já foi”, defendeu a operadora em comunicado.

Relacionadas

NOS pede demissão do presidente da Anacom por causa do 5G e acusa-o de incompetência (com áudio)

A NOS defende que o presidente da Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom), João Cadete de Matos, deve pedir a demissão, “face aos danos que já causou ao país”. Isto depois das críticas de António Costa ao processo do 5G.

Modelo do leilão do 5G “inventado” pela Anacom é o “pior possível”, critica António Costa

A 11 deste mês, no 189.º dia de licitação principal e à beira de cumprir nove meses, as propostas dos operadores totalizavam 416,8 milhões de euros, num encaixe de mais de 501 milhões de euros.
Recomendadas

PremiumEugénio Rosa: “A substituição da administração do Banco Montepio é necessária”

“Sou totalmente contra uma administração que caia de paraquedas no Banco Montepio”, defende Eugénio Rosa, líder da lista C, candidata às eleição dos órgãos associativos do Montepio Geral.

PremiumPedro Corte-Real: “Há garantias do primeiro-ministro que o Montepio ia ser apoiado”

Pedro Corte-Real, que lidera a lista B para a presidência da Associação Mutualista Montepio Geral, defende que o Estado deve ajudar o Banco Montepio e diz que “esse apoio ainda não foi dado por falta de credibilidade das direções”.

Goldman Sachs quer aumentar diversidade étnica e de género nas cotadas do S&P 500 e do FTSE 100

A Goldman Sachs Asset Management diz que quer estar na vanguarda para impulsionar uma maior diversidade e inclusão nos conselhos de administração em todo o mundo.
Comentários