“A economia está a arrefecer”, alerta banco central da Alemanha

O Bundesbank, banco central alemão, considerou esta segunda-feira que a economia da Alemanha está a abrandar após um período de grande prosperidade, mas espera uma estabilização no segundo semestre do ano.

O Bundesbank, banco central alemão, considerou esta segunda-feira que a economia da Alemanha está a abrandar após um período de grande prosperidade, mas espera uma estabilização no segundo semestre do ano.

“A economia está a arrefecer atualmente de forma notável após um período de grande prosperidade económica”, afirmou o Bundesbank no seu boletim económico de junho publicado hoje.

O banco central prevê que a economia alemã cresça 0,6% este ano, 1,2% em 2020 e 1,3% em 2021, com uma inflação de 1,4%, de 1,5% e de 1,7%, respetivamente.

Em comparação com as previsões de dezembro, estes números constituem uma forte revisão em baixa para este ano e, em menor medida, para o próximo.

Há seis meses, o Bundesbank tinha antecipado um crescimento de 1,6% para este ano e para o próximo e de 1,5% para 2021, com uma inflação de 1,4% para este ano e de 1,8% para os próximos dois anos.

A queda da indústria, devido a um enfraquecimento das exportações, é o principal motivo da perda de energia da economia alemã.

O Bundesbank prevê que as exportações cresçam de novo com maior vigor na segunda metade do ano, o que poderá beneficiar a produção industrial e espera também que a política financeira tenha nos próximos anos um efeito expansivo.

O excedente orçamental vai baixar significativamente este ano, mas continuará a ficar próximo de 1% do Produto Interno Bruto (PIB), recuando mais nos próximos anos com uma política orçamental mais expansiva.

O Governo alemão também baixou em cinco décimas a previsão de crescimento económico para 2019 fixando-o agora em 0,5%, o que justificou com a incerteza do ‘Brexit’ (saída britânica da União Europeia) e com a tensão comercial internacional. Para 2020, é esperado um crescimento de 1,5%.

Ler mais
Recomendadas

Rui Patrício nomeado para Fundação Coleção Berardo após demissão de administrador do Estado

A ministra da Cultura, Graça Fonseca, nomeou o advogado para a administração da fundação no seguimento da renúncia ao mandato de João Nuno Azevedo Neves. Demissão de administrador nomeado pelo Estado surge no âmbito do processo de guarda do arresto das cerca das 1.000 obras de arte José Berardo que estão no CCB , tal como noticiado nesta terça-feira, 17 de Setembro pelo Jornal Económico.

UTAO: Novo Banco atira défice para 0,8% do PIB no 1.º semestre

O valor estimado pela UTAO para o semestre fica aquém da meta do Governo para o conjunto do ano, de 0,2% do PIB, “sem, contudo, colocar em causa o seu cumprimento”, consideram os técnicos do parlamento.

Região norte é a que mais cresce no setor do turismo em Portugal

O Porto e norte de Portugal afirmou-se, durante o mês de Julho, como o destino que mais cresce na actividade turística no todo do contexto nacional. Dormidas totais registam aumento de perto de 12%,  o que corresponde a 1,1 milhões de dormidas.
Comentários