A extrema-direita aqui tão perto: Vox entra no Parlamento da Andaluzia

“Espanhóis primeiro”, defende o Vox, traduzindo-se na deportação de imigrantes, construção de muros na fronteira com Marrocos, proibição do aborto e do casamento homossexual, revogação da lei de violência de género, entre outras bandeiras políticas.

Nas eleições para o Parlamento da Andaluzia, comunidade autónoma de Espanha, realizadas no dia 2 de dezembro, o Vox obteve cerca de 397 mil votos (10,97% do total) e elegeu 12 deputados. É a primeira vez que um partido de extrema-direita ganha representação parlamentar em Espanha desde o período de transição para a democracia (1975-1982). Importa salientar que a Andaluzia é a mais populosa das 17 comunidades autónomas, com 8,4 milhões de habitantes, e costuma votar mais à esquerda, sendo aliás governada pelo PSOE (centro-esquerda) desde 1982.

O surpreendente resultado do Vox nas eleições antecipadas poderá abrir o caminho para uma inédita mudança de poder na Andaluzia, embora o PSOE continue a ser o partido maioritário (33 deputados de um total de 109). E representa mais um passo no processo em curso de definhamento eleitoral dos partidos centrais (PSOE e PP) do sistema político espanhol, tanto ao nível regional como ao nível nacional.

O que defende o Vox? “Espanhóis primeiro”, desde logo, principal slogan político deste partido fundado em 2013. Contra as ameaças da imigração, do islamismo e do independentismo na Catalunha e no País Basco, por exemplo. Mas também contra o que denominam como “ideologia de género”, ao ponto de quererem extinguir o apoio estatal a organizações feministas. Nesse âmbito, o Vox tem uma agenda ultra-conservadora: revogação da lei de violência de género, repressão das denúncias falsas de violência doméstica, proibição do aborto e da gestação de substituição (ou “barrigas de aluguer”), etc. Os direitos das pessoas LGBT são outro alvo sinalizado e o casamento entre homossexuais é para voltar a ser ilegal.

As políticas anti-imigração formam outra bandeira política do Vox que defende a deportação dos imigrantes ilegais para os respetivos países de origem, assim como dos imigrantes legais que tenham cometido crimes graves ou reincidido em crimes mais leves. O partido liderado por Santiago Abascal pretende estabelecer um regime de quotas para imigrantes, consoante as necessidades da economia espanhola e privilegiando as nacionalidades que partilhem o idioma castelhano e tenham relações mais próximas com Espanha.

“Identifico-me com a identidade cultural europeia e gostaria que se preservasse. Não acredito no multiculturalismo nem nessas misturas com as quais é impossível viver. Não tenho nenhum problema com a cor das pessoas, mas com o que elas têm dentro da cabeça. Esse é o meu problema com certa imigração e, sobretudo, com as necessidades da economia espanhola”, declarou recentemente Abascal, em entrevista ao jornal “El País”. Como tradução prática destas ideias, o Vox propõe a construção de muros de separação nas cidades autónomas de Ceuta e Melilla, na fronteira com Marrocos, como que mimetizando o projeto de Donald Trump, presidente dos EUA, para a fronteira com o México.

A unidade nacional é um valor inegociável para o Vox que defende a suspensão da autonomia catalã “até à derrota sem paliativos do golpismo”. O partido de Abascal pretende também ilegalizar todo os “partidos, associações ou organizações não governamentais que defendam a destruição da unidade territorial”. E aponta para a extinção das comunidades autónomas. Ao nível identitário quer promover o ensino da língua castelhana nas escolas, remetendo as línguas regionais para o estatuto de opcionais, e ainda revogar a Lei da Memória Histórica. O Vox é contra a exumação dos restos mortais do antigo ditador Francisco Franco, sepultado no Vale dos Caídos.

Ler mais
Recomendadas

Idai: Ainda há sete portugueses por localizar na cidade da Beira

Secretário de Estado da Proteção Civil, José Artur Neves, admite que estas pessoas não tenham meios de contacto permanente, como telemóveis.

Brexit: Partido da Irlanda do Norte prefere ‘no deal’ a acordo com Bruxelas

“Não vamos deixar a primeira-ministra ou o grupo de ‘remainers’ [favoráveis à manutenção na União Europeia] forçar-nos a apoiar um acordo de ‘Brexit’ tóxico”, afirmou o deputado do DUP responsável pelo ‘Brexit’, Sammy Wilson, numa declaração publicada na rede social Twitter.

Cidadãos da União Europeia à espera da lei que os coloca a salvo do Brexit

Relatório de uma comissão conjunta dos Comuns e dos Lordes enfatiza que o governo britânico tem de legislar para promover a proteção dos cidadãos europeus que vivem no Reino Unido.
Comentários