PremiumCTO da Altice Portugal: “A IA vai ser fundamental para o nosso negócio”

Luís Alveirinho, o Chief Technology Officer (CTO) da Altice Portugal, falou ao Jornal Económico sobre os grandes investimentos da operadora e da comercialização do 5G em Portugal.

A Inteligência Artificial é um dos pilares da Altice Portugal e a empresa está focada em desenvolver esta tecnologia. “A IA vai ser fundamental para o nosso negócio: melhorias operacionais, das ofertas dos nossos produtos e serviços ou a capacidade de ter um marketing mais orientado para as necessidades dos utilizadores e dos clientes”, diz ao Jornal Económico Luís Alveirinho, o Chief Technology Officer (CTO) da Altice Portugal.

A operadora pretende também juntar a IA com outros aspetos que tem vindo a desenvolver. Como explica Luís Alveirinho, a investigação, desenvolvimento e inovação fazem parte do ADN da Altice Labs. Entre os principais temas estratégicos encontram-se a Inteligência Artificial & Machine Learning, tecnologias Cloud (computação e rede), smart living, Internet das Coisas, Big Data, Segurança & Privacidade, Serviços Digitais & Plataformas, 5G e Redes do Futuro, incluindo o quadro de evolução ótica.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Deutsche Bank multado em mais de 130 milhões de euros após Epstein usar contas do banco para silenciar vítimas

De acordo com o “The New York Times”, o Deutsche Bank não fez “muitas perguntas” a Epstein para o ter como cliente. Nem mesmo quando foi observada a retirada de 100 mil dólares (88,6 mil euros) das contas do falecido multimilionário para “gorjetas e despesas domésticas”.

Lufthansa vai cortar mil empregos administrativos e reduzir novas aeronaves a metade

Como parte do plano de reestruturação, a companhia aérea anunciou que os cortes nos postos de trabalho vão incluir também os cargos administrativos e de gestão.

Crise no mercado de retalho deve ser pior do que crise de 2009

Quando a recuperação económica chegar, a publicação estima que esta seja lenta, uma vez que a maioria dos mercados afetados pela crise de 2008/2009 demorou perto de um ano até que as vendas retomassem a níveis pré-crise.
Comentários