PremiumCTO da Altice Portugal: “A IA vai ser fundamental para o nosso negócio”

Luís Alveirinho, o Chief Technology Officer (CTO) da Altice Portugal, falou ao Jornal Económico sobre os grandes investimentos da operadora e da comercialização do 5G em Portugal.

A Inteligência Artificial é um dos pilares da Altice Portugal e a empresa está focada em desenvolver esta tecnologia. “A IA vai ser fundamental para o nosso negócio: melhorias operacionais, das ofertas dos nossos produtos e serviços ou a capacidade de ter um marketing mais orientado para as necessidades dos utilizadores e dos clientes”, diz ao Jornal Económico Luís Alveirinho, o Chief Technology Officer (CTO) da Altice Portugal.

A operadora pretende também juntar a IA com outros aspetos que tem vindo a desenvolver. Como explica Luís Alveirinho, a investigação, desenvolvimento e inovação fazem parte do ADN da Altice Labs. Entre os principais temas estratégicos encontram-se a Inteligência Artificial & Machine Learning, tecnologias Cloud (computação e rede), smart living, Internet das Coisas, Big Data, Segurança & Privacidade, Serviços Digitais & Plataformas, 5G e Redes do Futuro, incluindo o quadro de evolução ótica.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Seguradora Fidelidade entra no mercado chileno

Com esta entrada no Chilea Fidelidade vai também apostar em alianças com parceiros estratégicos locais, alavancadas numa rede ampla de corretores e grandes retalhistas e de bancassurance, apostando numa qualidade de serviço superior com o objetivo de proporcionar o melhor serviço aos clientes.

PAN pede campanha informativa sobre 5G em Matosinhos

Matosinhos tem uma Zonal Livre Tecnológica, promovida pelo CEiiA – Centro de Engenharia e Desenvolvimento, da qual faz parte a NOS. A operadora usa a zona para testar 5G e em outubro anunciou ter coberto “integralmente” com a nova tecnologia móvel. Agora o PAN pede palestras, conferências e debates por toda a cidade para explicar o que é o 5G.

PremiumPropostas não vinculativas pela Brisa são esperadas até 19 de dezembro

O grupo José de Mello e o fundo Arcus, que controlam a maioria do capital, colocaram à venda 80% da empresa (40% cada um).
Comentários