A transformação digital à distância de um clique

As empresas têm de reinventar-se e de criar estratégias de gestão focadas na digitalização e inovação do negócio para prosperarem no mercado global.

A quarta revolução industrial já chegou e está mesmo à distância de um clique. Nas últimas décadas, temos vindo a assistir a uma verdadeira disrupção tecnológica, que tem permitido tornar muitas das nossas atividades diárias mais rápidas e ágeis. É a chamada quarta revolução industrial, uma revolução da qual as empresas não podem distanciar-se.

Faz parte desta revolução a denominada transformação digital ou indústria 4.0, que passa pela digitalização dos processos e métodos tradicionais das empresas e pela incorporação de tecnologia nas diferentes etapas da cadeia de valor. Esta é, cada vez mais, uma alavanca para a otimização do desempenho, obtenção de melhores resultados e criação de um ambiente empresarial mais rápido e conectado.

Muito mudou nos últimos anos. Hoje, o digital ganha cada vez mais força e as pessoas estão cada vez mais conectadas, informadas e exigentes. Existe uma maior rapidez na adaptação às novas tecnologias e mais conhecimento sobre o seu real significado. As pessoas mostram-se, assim, mais seletivas e exigentes, tanto relativamente ao produto como à ação das próprias empresas. Expressões como IoT – Internet of Things, Cloud, Big Data ou realidade aumentada fazem agora parte do nosso vocabulário corrente e constituem uma oportunidade única para as empresas inovarem e se destacarem pela diferença.

Para acompanhar as novas necessidades, as organizações, independentemente do setor onde atuam, devem tornar-se cada vez mais flexíveis e eficientes. Trata-se de um novo desafio que exige que as empresas se reinventem e criem estratégias de gestão com foco na digitalização e inovação do negócio, de forma a prosperarem no mercado global.

A indústria 4.0 já não é só o futuro. Já é o presente. E traz consigo uma variedade de oportunidades e benefícios para os negócios. Através da implementação de tecnologia em etapas-chave da cadeia de valor, é possível automatizar e reduzir o tempo e os custos de alguns processos. Temos hoje, através da tecnologia, empresas mais eficientes e mais produtivas.

A transformação digital também possibilita o acesso a novos mercados, uma vez que permite às organizações estabelecer as suas operações em diversos países. A partir das novas tecnologias, as equipas conseguem comunicar e trabalhar cada vez melhor à distância, alcançando-se assim a globalização de numerosas organizações.

Muitas empresas portuguesas já embarcaram neste comboio da transformação digital, aproveitando os benefícios e as oportunidades que daí advêm. Além de impactar o tecido empresarial, também a economia nacional acaba favorecida. Segundo o Boston Consulting Group, a economia digital representava 4,6% do PIB português em 2017. Perante este valor, o mesmo estudo refere que a economia digital pode chegar a 2025 a valer mais 20 mil milhões de euros do que atualmente, caso Portugal se transforme no hub tecnológico da Europa.

Valores auspiciosos que mostram a importância que a transformação digital assume cada vez mais no nosso país e com impacto em diferentes setores.  A revolução digital chegou em definitivo e as vantagens chamam por nós, à distância de um clique.

Recomendadas

Huawei já tem 91 contratos para fornecer tecnologia 5G pelo mundo

Apesar da pressão dos EUA sobre países aliados para excluírem a empresa chinesa da expansão das suas redes, 47 dos contratos assinados até agora foram feitos na Europa, 27 na Ásia e os restantes 17 em países não especificados.

Antonoaldo Neves: Quem vai pagar os prejuízos da TAP com a suspensão de 90 dias nos voos para a Venezuela?

A suspensão da TAP nos seus voos para a Venezuela representam prejuízos de pelo menos 10 milhões de euros, referiu o presidente executivo da TAP no final da conferência de imprensa de apresentação dos resultados de 2019.

Efacec assegura que “reúne todas as condições” para pagar salários e a fornecedores

Empresa afasta qualquer cenário de incumprimento, após Isabel dos Santos, que detém perto de 70% da Efacec, ter alertado hoje em comunicado de que o congelamento de contas das suas empresas se estende ao bloqueio de ordens de pagamento de salários, impostos a fornecedores e à Segurança Social.
Comentários