PremiumAbrandamento atinge economia portuguesa

Apesar de ter mantido o crescimento homólogo de 1,9% no terceiro trimestre, Portugal não ficou imune à deterioração da economia europeia. Menos procura externa levou a desaceleração do PIB em cadeia.

Os dados do PIB revelados nesta quinta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) mostram que o abrandamento europeu está a ter reflexos na economia portuguesa, apesar de o ritmo de crescimento homólogo no terceiro trimestre ter sido semelhante ao dos três meses anteriores.

O PIB cresceu 1,9% em comparação com o mesmo período do ano passado e, segundo a estimativa rápida divulgada pelo INE, a procura interna registou um contributo positivo para a variação homóloga do PIB, semelhante ao observado no segundo trimestre. Verificou-se “uma aceleração do consumo privado, enquanto o investimento registou um crescimento menos intenso”, mas o contributo da procura externa líquida foi negativo, “observando-se uma aceleração das importações e das exportações de bens e serviços”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

António Costa deixa Haia “mais confiante” num acordo no Conselho Europeu

O primeiro-ministro, António Costa, disse hoje deixar Haia “mais confiante” num acordo no Conselho Europeu desta semana sobre o plano de recuperação europeu, por ter sentido também “claramente” no seu homólogo holandês “uma grande vontade” num compromisso.

Merkel manifesta incerteza sobre aprovação do plano de relançamento na cimeira europeia

A chanceler alemã Angela Merkel manifestou hoje incerteza pela possibilidade de um acordo entre os 27 países da União Europeia (UE) sobre um plano de relançamento de 750 mil milhões de euros proposto para enfrentar a pandemia do coronavírus.

Covid-19: Orçamento Suplementar da Madeira com reforço de 287,7 milhões de euros e sem agravamento fiscal

A proposta de Orçamento Suplementar da Madeira adiciona 287,7 milhões de euros ao valor aprovado para 2020, passando de 1.743 milhões de euros para 2.030 milhões, indicou hoje o vice-presidente do Governo Regional, sublinhando que não haverá qualquer agravamento fiscal.
Comentários