Abrandamento das importações chinesas aos EUA pode comprometer objetivos do acordo comercial

A primeira fase do acordo comercial entre os dois gigantes prevê um aumento das exportações americanas destinadas à China, uma meta que poderá estar em risco caso se mantenha o ritmo atual de compra de bens norte-americanos pelos chineses.

FILE PHOTO: An attendant cleans the carpet next to U.S. and Chinese national flags before a news conference for the 6th round of U.S.-China Strategic and Economic Dialogue at the Great Hall of the People in Beijing, July 10, 2014. REUTERS/Jason Lee/File Photo

A China tem vindo a abrandar o ritmo das suas encomendas aos EUA, dificultando o progresso no sentido de atingir os objetivos do acordo comercial entre as duas maiores economias do mundo, reporta a Bloomberg.

O valor dos produtos importados pelos chineses aos EUA diminuiu no passado mês, sobretudo à boleia da queda nos produtos energéticos. A China comprometeu-se no acordo comercial a comprar mais de 170 mil milhões de dólares, ou 145 mil milhões de euros, em importações aos americanos durante um ano. Até ao final de agosto, apenas 32,8% desta meta havia sido já cumprida.

Em agosto, Pequim importou menos 24% de bens energéticos do que havia feito em julho, além de menos 40% de carne de porco. Apesar disso, as importações de petróleo norte-americano deverão recuperar nos próximos meses e nalguns bens, como os rebentos de soja, as exportações americanas para a China cresceram 300% em agosto, fruto do começo da colheita do bem nas explorações dos EUA.

Os valores de referência para as trocas comerciais entre americanos e chineses fazem parte da primeira fase do acordo entre os dois países, um compromisso que ambos os países reforçaram em agosto, apesar das tensões evidentes entre ambos.

Recomendadas

EDP desiste do processo contra o Estado na CESE. Custos superam probabilidade de sucesso

A energética anunciou ainda que vai pedir a Bruxelas a análise da conformidade relativamente ao futuro do mecanismo de financiamento da Tarifa Social. “A EDP não questiona a existência da Tarifa Social em si mesma, com cujo propósito concorda, mas não pode, atendendo à evolução do respectivo regime, conformar-se com os termos de financiamento”.

‘Fintech’ crescem em Portugal apesar da pandemia, revela relatório

De acordo com o “Portugal Fintech Report 2020”, apresentado esta manhã pela Associação Portugal Fintech, “a maior parte das ‘fintechs’ em Portugal situa-se nos verticais de ‘pagamentos e transferências’, ‘insurtech’ e ‘criptomoeda’, estando 43% na fase de ‘seed’” (fase inicial de desenvolvimento).

Portugal Blue quer distribuir 75 milhões de euros em investimentos na economia azul

A Portugal Blue quer mobilizar mais de 75 milhões de euros de capital privado, público e europeu para fomentar o ecossistema da economia azul portuguesa, disponibilizando capital de risco e expansão a mais de 30 empresas, em todos os estágios de desenvolvimento. O programa de investimento cobrirá até 70% da dimensão dos fundos selecionados, com o intuito de potenciar a capacidade crítica da plataforma local da economia azul.
Comentários