Ações da Cofina valorizam mais de 14%

A empresa de Paulo Fernandes viu levantada a suspensão das ações esta segunda-feira.

As ações do Grupo Cofina encontram-se a valorizar 14,61%, para 0,45 euros a meio da sessão desta segunda-feira, dia em que a empresa voltou às negociações na bolsa de Lisboa.

Na passada quarta-feira, 14 de agosto, o jornal “Expresso adiantou que Paulo Fernandes, o dono da Cofina, decidiu entrar em negociações exclusivas para a compra da TVI. que pertence ao grupo da Media Capital, que pertence à espanhola Prisa.

Nesse mesmo dia a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) decidiu suspender as ações da Cofina e da Media Capital. Na quinta-feira, dia 15 de agosto foi a própria Prisa a enviar um comunicado à CMVM a confirmar as negociações “em regime de exclusividade” com a Cofina para uma “potencial venda” da sua participação acionista da Media Capital.

Contudo, as ações continuaram suspensas até sexta-feira, dia 16 de agosto, quando a Cofina voltou a emitir um comunicado em que refere que “na sequência do comunicado ao mercado efetuado no dia 14 de agosto, e em resposta a uma solicitação de informação complementar dirigida pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários”, a Cofina esclarece que com a Prisa “encontram-se atualmente a negociar, em regime de exclusividade que vigora durante um período de 30 dias, que pode ser prorrogado por vontade das partes, os termos e condições de uma potencial aquisição, pela Cofina, da participação da Prisa na Grupo Media Capital SGPS”.

Após este comunicado a CMVM decidiu levantar a  suspensão das ações do Grupo Media Capital, SGPS e das ações da Cofina – SGPS na sequência da divulgação de informação relevante. Informação relevante essa que diz respeito ao comunicado que confirma a existência de negociações exclusivas do Grupo Prisa (dono da Media Capital que por sua vez detém a TVI) durante 30 dias com a Cofina de Paulo Fernandes para a venda de 94,69% da Media Capital, o que implicará necessariamente o lançamento de uma Oferta Pública de Aquisição (OPA).

Sobre os moldes do negócio, a Cofina “prevê adquirir à Prisa a totalidade do capital social na Vertix, SGPS, S.A. (“Vertix”), sociedade comercial através do qual a Prisa detém ações representativas de 94,69% do capital social e dos direitos de voto da Media Capital, ao invés de proceder diretamente à aquisição da participação na Media Capital”.

De resto a Cofina indica que, neste contexto, está a rever documentação para “concretizar definitivamente o objeto do negócio e, correspondentemente, a respetiva avaliação”.

Ler mais
Relacionadas

CMVM levanta suspensão das ações da Cofina e Media Capital

Depois da Cofina ter admitido uma OPA sobre a Media Capital com recurso a auditor independente para fixar a respetiva contrapartida, eis que a CMVM levantou a suspensão da cotação quer da empresa de Paulo Fernandes quer da Media Capital, que tinha sido decretada a 14 de agosto.

Cofina admite lançar OPA à Media Capital

Sobre os moldes do negócio, a Cofina “prevê adquirir à Prisa a totalidade do capital social na Vertix, SGPS, S.A. (“Vertix”), sociedade comercial através do qual a Prisa detém ações representativas de 94,69% do capital social e dos direitos de voto da Media Capital, ao invés de proceder diretamente à aquisição da participação na Media Capital.

Prisa confirma negociações “em regime de exclusividade” com Cofina pela Media Capital

A Prisa e a Cofina encetaram conversações no final de julho para uma possível compra da participação do conglomerado de media espanhol na Media Capital por parte da holding detida por Paulo Fernandes. As negociações estão, oficialmente, confirmadas por ambas as partes.
Recomendadas

BCP emite 450 milhões de dívida subordinada e paga 3,871%

A emissão, no montante de 450 milhões de euros, terá um prazo de 10,5 anos, com opção de reembolso antecipado pelo Millennium BCP no final de 5,5 anos, e uma taxa de juro de 3,871%, ao ano, durante os primeiros 5,5 anos.

Facebook suspende “dezenas de milhares” de aplicações por falhas na privacidade

A sua suspensão “não é necessariamente uma indicação de que as aplicações eram uma ameaça às pessoas”, ressalva a rede social.

TAP regista prejuízos de 120 milhões no primeiro semestre

Quebra nas receitas com o Brasil e aumento de custos de pessoal foram alguns dos motivos que geraram este resultado negativo.
Comentários