Acordo do Brexit dá lucro de mil milhões de dólares aos três homens mais ricos do Reino Unido

O anúncio de chegada a acordo para o Brexit não animou apenas os mercados. Os três homens mais ricos do Reino Unido viram as suas contas bancárias a somar mais mil milhões depois da ‘luz verde’ da União Europeia.

Os homens mais ricos do Reino Unido têm vários motivos para celebrar a chegada de um acordo com a União Europeia. A começar pelas suas contas bancárias.

Jim Ratcliffe, James Dyson e Hugh Grosvenor considerados os três homens mais ricos do Reino Unido, lucraram mil milhões de dólares com os últimos avanços do Brexit. O anúncio de acordo levou à subida do valor da libra e das acções cotadas em bolsa, o que beneficiou as pessoas mais endinheiradas do Reino Unido.

De acordo com o Bloomberg Billionaires Index, só Hugh Grosvenor, de 28 anos e Duque de Westminster, ganhou cerca de 700 milhões de dólares

Jim Ratcliffe, o presidente e director executivo do grupo de produtos químicos Ineos que tem 66 anos, e James Dyson, designer industrial de 72 anos que está ligado ao negócio dos aspiradores, também viram as suas fortunas aumentar. De notar que estes dois milionários são fortes apoiantes do Brexit.

A saída da União Europeia do Reino Unido não está, contudo, ainda consumada, já que Boris Johnson, primeiro-ministro britânico, tem agora que convencer o Parlamento do seu país para aceitar o acordo alcançado no Conselho Europeu.

O ‘super sábado’

A fase final do divórcio entre o Reino Unido e a União Europeia (UE) está dependente do desfecho da sessão extraordinária na Câmara dos Comuns, esta sábado. Há quem diga que será necessário um milagre para convencer toda a oposição a dar ‘luz verde’ ao acordo que Boris Johnson fechou com União Europeia, mas o primeiro-ministro britânico despensa votos de boa sorte e diz estar confiante que o acordo vai ser aprovado.

Tanto os aliados da Irlanda do Norte como os três principais partidos da oposição já se comprometeram em rejeitar o acordo o que dificulta a tarefa do Executivo britânico. Sem maioria na Câmara dos Comuns – fruto da fuga de conservadores para os Liberais-Democratas – Johnson terá, neste momento, o apoio de cerca de 260 deputados, longe dos 318 necessários para aprovar o acordo.

Com o Partido Democrático Unionista (DUP) da Irlanda do Norte decidido a virar as costas à aliança parlamentar formada com o Partido Conservador após as eleições de 2017, é fundamental para o Governo conseguir chamar a si os quase 30 conservadores hard-brexiteers que desconfiavam do backstop e, principalmente, os 21 tories rebeldes que, por decisão do próprio primeiro-ministro, foram expulsos do grupo parlamentar do Partido Conservador por se oporem abertamente a uma saída sem acordo no dia 31 de outubro. Jeremy Corbyn, líder do Partido Trabalhista, e Nicola Sturgeon, dirigente máxima do Partido Nacional Escocês já vieram garantir que vão votar contra o acordo de Johnson na Câmara dos Comuns.

Caso ganhe a votação – uma tarefa quase impossível -, Johnson fica para a história como sendo o líder que finalizou o Brexit, para o bem ou para o mal. Caso falhe, esta será mais uma derrota (ou até humilhação) para o Governo britânico que prometeu uma saída ordeira da UE e recusou um novo pedido de extensão a 31 de outubro, que vem estipulado na Lei de Benn. Seja esse o cenário no fim da sessão parlamentar, o mais certo é que os britânicos serão chamados às urnas para eleger um novo Governo.

Ler mais
Relacionadas

Brexit: o que esperar do ‘super sábado’?

A votação de amanhã sobre o acordo Brexit no parlamento britânico encerra muitas dúvidas mas um número menor de cenários. O INGroup traça os caminhos mais expectáveis.
boris_johnson_angela_merkel

Merkel alerta para novo adiamento do Brexit se parlamento britânico chumbar acordo com Bruxelas

Para Merkel, o Brexit será uma herança histórica pesada sobre os ombros da UE e que os líderes europeus têm a responsabilidade de não empurrar o Reino Unido para fora do clube de Bruxelas se houver um novo pedido de mais adiamento.

Juncker antevê situação “extremamente complicada” se parlamento britânico rejeitar acordo para o Brexit

“Se isso acontecer, vamos encontrar-nos numa situação extremamente complicada”, disse o presidente da Comissão Europeia aos jornalistas, no final do primeiro dia da cimeira da União Europeia, em Bruxelas.
Recomendadas

Bruxelas saúda aprovação de mandato para negociações que arrancam dia 2 de março

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, vinca que a UE está “agora pronta para negociar”.

Brexit: Conselho da União Europeia autoriza Bruxelas a iniciar negociações com Reino Unido para futuros acordos

A primeira reunião entre a delegação da UE e a delegação britânica está a agendada para março. As negociações têm de estar concluídas até final de 2020, antes de terminar o designado “período de transição”  da saída do Reino Unido do clube de Bruxelas, concretizada em 31 de janeiro.

Azul e dourado de regresso. Passaporte britânico vai ser emitido em março

O anúncio foi feito pela secretária do Interior, Priti Patel, que colocou a imagem do novo passaporte no Twitter. O passaporte azul e dourado vai voltar a ser emitido pela primeira vez depois de três décadas, quando se instalou o passaporte de aspeto único em 1988.
Comentários