África regista mais 213 mortos e 6.281 infetados nas últimas 24 horas

África registou 213 mortes associadas à Covid-19 nas últimas 24 horas, elevando para 212.055 o total de óbitos desde o início da pandemia, e 6.281 novos contágios, de acordo com os dados oficiais mais recentes.

Segundo o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC), o total acumulado de casos de infeção no continente desde o início da pandemia é agora de 8.333.206 e o de recuperados é de 7.671.969, mais 7.083 nas últimas 24 horas.

A África Austral continua a ser a região mais afetada do continente, com 3.891.170 casos e 109.543 óbitos associados à covid-19. Nesta região, encontra-se o país mais atingido pela pandemia, a África do Sul, que contabiliza 2.905.613 casos e 87.753 mortes.

O Norte de África, que sucede à África Austral nos números da covid-19, atingiu hoje 2.531.451 contágios pelo vírus SARS-CoV-2 e 67.964 mortes associadas à covid-19.

A África Oriental contabiliza 1.016.617 de infeções e 21.531 mortos, e a região da África Ocidental regista 649.047 casos de infeção e 9.597 mortes. A África Central é a que tem menos casos de infeção e de mortes, 244.921 e 3.420 respetivamente.

A Tunísia, o segundo país africano com mais vítimas mortais a seguir à África do Sul, regista 24.921 mortes e 707.983 infetados, seguindo-se o Egito, com 17.399 óbitos e 306.030 casos, e Marrocos, com 934.828 contágios, mas menos mortes do que os dois países anteriores, 14.315 óbitos associados à doença.

Entre os países mais afetados estão também a Argélia, com 5.819 óbitos e 203.657 pessoas infetadas, a Etiópia, com 5.675 vítimas mortais e 347.972 infeções, e o Quénia, com 5.131 mortes associadas à doença e 250.023 contágios acumulados.

Em relação aos países de língua oficial portuguesa, Moçambique contabiliza 1.918 mortes associadas à doença e 150.790 infetados acumulados desde o início da pandemia, seguindo-se Angola (1.574 óbitos e 58.603 casos), Cabo Verde (340 mortes e 37.635 infeções), Guiné Equatorial (147 óbitos e 12.362 casos), Guiné-Bissau (135 mortos e 6.113 infetados) e São Tomé e Príncipe (52 óbitos e 3.531 infeções).

O primeiro caso de covid-19 em África surgiu no Egito, em 14 de fevereiro de 2020, e a Nigéria foi o primeiro país da África subsaariana a registar casos de infeção, em 28 de fevereiro.

A covid-19 provocou mais de 4,7 milhões de mortes em todo o mundo, entre mais de 234 milhões de infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

Recomendadas

Mota-Engil entre os interessados na gestão do corredor do Lobito

Os representantes das empresas visitaram as Oficinas gerais do Caminho de Ferro de Benguela e o local onde vai ser instalado o Terminal de Trânsito de Mercadorias, no Compão, iniciando uma série de visitas técnicas para constatar o estado atual e operacionalidade das infraestruturas.

Bancos centrais devem agir com “prudência, flexibilidade e firmeza”, diz Mário Centeno

“Numa fase de recuperação, mas com incerteza, a atuação e comunicação dos bancos centrais deve pautar-se pela prudência, flexibilidade e firmeza”, disse o governador do Banco de Portugal na intervenção inicial no XXXI Encontro de Lisboa entre os Bancos Centrais dos PALOP.

“Quem não deve, não teme”, diz presidente angolano sobre Isabel dos Santos (com áudio)

João Lourenço diz que o regresso de José Eduardo dos Santos a Angola é “bom para todos” e garante que o Estado angolano continua interessado em vender partes das empresas públicas Sonangol, Endiama e TAAG.
Comentários