África subsaariana deve crescer 4,9% superando recessão de 2,5% em 2020

A distribuição de vacinas contra a Covid-19 vai ser um dos principais desafios na região, podendo atrasar o ritmo da recuperação prevista pela consultora Capital Economics.

A consultora Capital Economics considerou este domingo, 3 de janeiro, que a África subsaariana deverá crescer 4,9% este ano, recuperando da recessão do ano passado motivada pela pandemia de covid-19, classificada de “tempestade” por estes analistas britânicos.

“Depois da tempestade de 2020, os decisores políticos na África subsaariana desejam acalmia em 2021, mas com a distribuição de vacinas a ser um dos principais desafios na região, a recuperação económica pode ser mais lenta que noutras partes do mundo”, escrevem os analistas numa análise às economias africanas.

No documento, enviado aos clientes e a que a Lusa teve acesso, a Capital Economics escreve que “as iniciativas de alívio da dívida também não deverão ser grande ajuda”, o que faz com que a recuperação económica fique nos 4,9% este ano, depois da contração de 2,5% em 2020.

“Os decisores políticos africanos têm uma montanha para escalar no que diz respeito à encomenda e distribuição de vacinas”, escrevem, apontando que “a fraca infraestrutura e equipamentos de congelação também fazem com que a distribuição em África seja mais difícil que noutras partes do mundo”.

Os esforços das instituições financeiras multilaterais, por outro lado, também não serão uma panaceia para os males africanos: “Um dos principais legados do covid-19 é deixar os governos africanos com um peso da dívida maior do que no início da pandemia”, apontam.

As iniciativas de alívio da dívida, como a Iniciativa de Suspensão do Serviço da Dívida (DSSI), “não esteve à altura das expectativas devido às potenciais consequências negativas da adesão, envolvimento seletivo da China e falta de participação do setor privado”, dizem os analistas, alertando que a “Moldura Comum” para tratar a dívida, acordada no final do ano pelo G20, também não deverá resolver o problema.

“A Moldura Comum do G20 também não deverá ser solução, porque o plano, apesar de apresentar condições de redução da dívida com uma participação mais alargada dos credores, deverá ser insuficiente para minorar a desconfiança mútua que existe entre os detentores privados de dívida e a China”, conclui-se no texto.

África ultrapassou as 65 mil mortes associadas à covid-19, segundo os dados mais recentes sobre a pandemia divulgados hoje pela Organização Mundial de Saúde (OMS), que contabiliza mais de 2,7 milhões de infeções no continente.

De acordo com o escritório da OMS para África, até 1 de janeiro, data dos dados mais recentes, o continente somava 65.432 mortes e 2.755.50 infeções.

Ler mais
Recomendadas

África com mais 932 mortes por Covid-19 registadas em 24 horas

África registou nas últimas 24 horas mais 932 mortes por covid-19, alcançando um total de 77.684, e 30.855 novos casos de infeção, segundo os últimos dados oficiais da pandemia no continente

Rui Figueiredo Soares é o novo ministro dos Negócios Estrangeiros de Cabo Verde

O atual ministro da Integração Regional de Cabo Verde passa esta quinta-feira a acumular com o cargo de ministro dos Negócios Estrangeiros e da Defesa, após a demissão de Luís Filipe Tavares, devido à polémica envolvendo o partido Chega.

Primeiro-ministro de Cabo Verde garante que Governo não tem ligações ao Chega 

“Nem este Governo, nem o partido que o apoia [MpD], têm alguma relação de afinidade ou simpatia com partidos do tipo do Chega! em Portugal, nem partidos de lógica ideológica similar”, afirmou Ulisses Correia e Silva.
Comentários