PremiumAgnès Buzyn: De ministra da Saúde a candidata à Câmara de Paris

O seu percurso tem sido marcado pela medicina, mas agora Agnès Buzyn decidiu abraçar um novo desafio e substituir Benjamin Griveaux, antigo cadidato do partido de Emmanuel Macron, A República em Marcha, à câmara da capital francesa.

Agnès Buzyn será a próxima candidata às eleições autárquicas em Paris, pelo movimento A República em Marcha, do presidente francês, Emmanuel Macron. Vem substituir Benjamin Griveaux que desistiu da corrida após a divulgação de imagens suas retiradas vídeos com conteúdo sexual. “Vou concorrer para ganhar”, anunciou Agnès Buzyn à agência AFP, depois de renunciar ao cargo de ministra da Saúde para se candidatar às eleições autárquicas, que terão lugar no dia 15 de março.

Agnès Buzyn, de 57 anos, é filha de um cirurgião ortopédico e de uma psicóloga. Casou-se com Yves Lévy em 1997 e tem três filhos do seu primeiro casamento com Pierre François Veil. É formada em medicina e especializada em hematologia. Desempenhou diversas funções em inúmeros institutos científicos e organismos

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

PremiumRafał Trzaskowski: Impacto de Varsóvia pretende deixar a Polónia sem Lei e Justiça

Escolhido à última hora para tentar impedir a reeleição do presidente Andrzej Duda, aliado do governo nacionalista que domina o país, Rafal Trzaskowski conseguiu passar à segunda volta e procura apoios na minoritária esquerda polaca para chegar a chefe de Estado.

PremiumFórmula 1: ‘Circo’ acelera no Algarve e traz impacto de 30 milhões

Há 24 anos que não se ouve a Fórmula 1 em Portugal, mas a pandemia trouxe uma oportunidade. O CEO do circuito algarvio explica que o Estado terá de contribuir com até 36 milhões de euros.

PremiumRaquel Buenrostro: Cobradora dos fortes assume-se como a “Dama de Ferro” do Tesouro mexicano

Após 20 anos de carreira, Buenrostro chega à liderança da Administração Tributária do México com para contrariar a “tolerância” dos sucessores para com o incumprimento das obrigações fiscais das grandes empresas. “Agora sabem que se não pagarem são processadas”, adverte.
Comentários