PremiumAgnès Buzyn: De ministra da Saúde a candidata à Câmara de Paris

O seu percurso tem sido marcado pela medicina, mas agora Agnès Buzyn decidiu abraçar um novo desafio e substituir Benjamin Griveaux, antigo cadidato do partido de Emmanuel Macron, A República em Marcha, à câmara da capital francesa.

Agnès Buzyn será a próxima candidata às eleições autárquicas em Paris, pelo movimento A República em Marcha, do presidente francês, Emmanuel Macron. Vem substituir Benjamin Griveaux que desistiu da corrida após a divulgação de imagens suas retiradas vídeos com conteúdo sexual. “Vou concorrer para ganhar”, anunciou Agnès Buzyn à agência AFP, depois de renunciar ao cargo de ministra da Saúde para se candidatar às eleições autárquicas, que terão lugar no dia 15 de março.

Agnès Buzyn, de 57 anos, é filha de um cirurgião ortopédico e de uma psicóloga. Casou-se com Yves Lévy em 1997 e tem três filhos do seu primeiro casamento com Pierre François Veil. É formada em medicina e especializada em hematologia. Desempenhou diversas funções em inúmeros institutos científicos e organismos

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Eterno herdeiro da coroa britânica juntou-se à lista dos infetados com coronavírus

Príncipe Carlos, o filho mais velho de Isabel II, tem apenas sintomas ligeiros da Covid-19 e está a trabalhar a partir da sua residência escocesa. Para o homem que ocupa o primeiro lugar na linha de sucessão do trono há mais de seis décadas, chegou a hora do distanciamento social.

Covid-19: Perda de receitas na aviação civil supera valor do PIB português

Em menos de dois meses, a Covid-19 arrasou o transporte aéreo mundial, pondo em risco mais de 2,7 milhões de empregos diretos, bem como 65 milhões de empregos no resto da cadeia de valor do setor. Associação mundial IATA diz que a perda de receitas das empresas está estimada em 233,2 mil milhões de euros se a pandemia durar três meses.

Investimento: Quanto tempo demoram os mercados a recuperar?

Apesar de o mundo ter passado por duas grandes guerras mundiais, pela Grande Depressão, pela grande crise financeira de 2008 e por uma série de recessões, tem sido muito mais seguro investir numa coleção diversificada de negócios do que investir em títulos indexados às moedas, como são as obrigações.
Comentários