Aigle Azur cancela todos os voos a partir de sábado por problema financeiros

A companhia aérea Aigle Azur vai cancelar todos os voos a partir de sábado, devido a problemas financeiros, segundo noticia hoje a agência AP.

Num comunicado no seu ‘site’, que, segundo verificou a Lusa, não está a funcionar (apenas mostra o anúncio), a companhia aérea referiu que “a sua situação financeira e as consequentes dificuldades operacionais não permitem continuar a assegurar voos” depois do dia de hoje.

Entre os voos suspensos estão ligações a Portugal, Mali, Brasil e Ucrânia, sendo que a companhia aérea não pode garantir a devolução do dinheiro dos bilhetes marcados para datas posteriores a sábado.

A transportadora francesa voa para os aeroportos de Faro, Funchal e Porto, em Portugal.

O seu voo da Aigle Azur foi cancelado? Saiba se tem direito a indemnização ou a reembolso

O secretário de Estado dos Transportes francês, Jean-Baptiste Djebbari referiu, numa entrevista à rádio RTL, que os cancelamentos significam que vários milhares de passageiros irão ficar presos fora de França durante o regresso das férias de verão.

Djebari disse ainda que o governo francês está a prestar assistência à companhia, que entrou com um pedido de insolvência esta semana. Paris está a estudar soluções para o problema em conjunto com a Air France.

O governante salientou que o executivo que integra congelou algumas dívidas da Aigle Azur ao Estado, para manter a sua atividade o máximo de tempo possível e permitir a repatriação de passageiros, bem como garantir a segurança dos últimos voos.

O governo francês está também em contacto com “outras companhias aéreas e operadores” para tentar que cubram, no futuro, as rotas que eram exploradas pela Aigle Azur.

Está ainda em cima da mesa a possibilidade de que algum operador compre uma parte do negócio da Aigle Azur e leve a cabo uma reestruturação.

A Aigle Azur emprega 1.150 pessoas e opera voos entre vários destinos, incluindo entre França e Argélia, mas também conta com rotas para o Brasil, China, Rússia e outros países.

O tribunal, que nomeou um administrador de insolvência para a empresa, deu aos potenciais interessados até às 10:00 do dia 09 de setembro para a apresentação de propostas, segundo a agência Efe.

O jornal francês Le Figaro aponta para três ofertas parciais, da Air France, Air Caraibes e da Vueling.

Um dos principais ativos da Aigle Azur são os ‘slots’ (direitos de descolagem/aterragem) que detém no aeroporto de Orly, em Paris.

O maior acionista da empresa é a chinesa HNA, que também já foi detentora de uma participação na TAP, com uma posição de 49%.

Ler mais
Relacionadas

O seu voo da Aigle Azur foi cancelado? Saiba se tem direito a indemnização ou a reembolso

A companhia francesa Aigle Azur entrou em insolvência. A AirHelp explica como é que os passageiros portugueses com voos cancelados podem saber se têm direito a serem reembolsados.

Aigle Azur abre insolvência e cancela voos em Portugal, Brasil e Mali

“A Aigle Azur entrou em período de busca ativa de compradores, enquadrada pela justiça comercial, que exige a suspensão gradual dos seus voos programados”, justificou a empresa francesa.
Recomendadas

Vietname contorna Huawei ao desenvolver tecnologia própria para o 5G

A empresa estatal Viettel, que é operada pelo Ministério da Defesa do Vietname, vai começar a instalar a próxima geração de rede móvel a partir de junho e concluirá a implementação em todo o país no período de um ano.

Central de hidrogénio de Sines implica investimento de 3,5 mil milhões

O projeto visa criar hidrogénio verde em Portugal para ser exportado para os Países Baixos. Construção poderá arrancar em meados de 2021.

Matosinhos chama empreendedores do mar para “inverter ciclos negativos” da economia azul

O programa BluAct é apresentado esta segunda-feira em Matosinhos, cidade que representa Portugal a nível europeu. “Há cerca de 200 investigadores a trabalhar no centro tecnológico CIIMAR que, em muitos casos, têm ideias que não avançam por não terem estímulos suficientes”, disse António Correia Pinto, vereador do Ambiente da Câmara Municipal, ao Jornal Económico.
Comentários