Algoritmo da TAP é “artimanha inventada pelas consultoras e advogados”, afirma sindicato

A estrutura sindical Sitava refere-se depois à “sanha destruidora em marcha na TAP”, dizendo que “está a empurrar borda fora mais umas largas centenas de trabalhadores a quem se impõe que aceitem a saída ‘voluntária’ ou serão, na mesma despedidos”.

O Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (Sitava) diz que o “algoritmo” alegadamente usado nas negociações da TAP com os trabalhadores “não é mais do que uma artimanha inventada pelas consultoras e advogados”, segundo um comunicado.

“À medida que os dias passam e vamos vivenciando o quotidiano de centenas de trabalhadores condenados a um despedimento coletivo encapotado, mais convictos ficamos do colossal embuste em que se tornou o chamado plano de reestruturação, que ninguém conhece, mas vai destruindo, paulatinamente, a TAP”, acusa o sindicato.

“Torna-se cada vez mais claro que o plano de reestruturação, pensado e executado pela tal consultora especialista em decapitar companhias aéreas, não é mais do que um conjunto de medidas avulsas” para “diminuir drasticamente a capacidade da nossa companhia, de modo que esta não incomode os grandes grupos europeus do transporte aéreo, quando a mobilidade regressar”, afirma o Sitava.

A estrutura refere-se depois à “sanha destruidora em marcha na TAP”, dizendo que “está a empurrar borda fora mais umas largas centenas de trabalhadores a quem se impõe que aceitem a saída ‘voluntária’ ou serão, na mesma despedidos”.

“Parece ficar cada vez mais claro que, tanto o Conselho de Administração como o Governo, o que pretendem com este exercício de manipulação é, simplesmente, justificar aos olhos da opinião pública o gigantesco despedimento coletivo que estão a promover na TAP chamando-lhe cinicamente ‘Rescisões por Mútuo Acordo’ e assim iludir os custos políticos de um despedimento coletivo numa empresa pública”, critica o sindicato.

No comunicado, o Sitava diz ainda que “o já muito falado ‘algoritmo’ não é mais do que uma artimanha inventada pelas consultoras e advogados de turno, para segregar trabalhadores pelos mais variados motivo”, garantindo que “umas vezes é porque não têm habilitações outras é porque as têm a mais, outras ainda porque têm absentismo, ou porque são muito caros e, se não tiverem nenhuma delas, então são despedidos na mesma porque o serviço vai ser extinto. Enfim, serve qualquer coisa para despedir porque, na verdade, é apenas disso que se trata”.

O ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, assegurou esta segunda-feira que a TAP, tendo como principal acionista o Estado, não implementará políticas que não respeitem os trabalhadores e a legislação dos países onde tem atividade.

“Posso assegurar-vos que, tendo o Estado como principal acionista, a TAP não implementará políticas que não respeitem os direitos dos trabalhadores e as legislações laborais dos diversos países onde tem atividade”, afirmou o ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, que falava na abertura do ‘Aviation Day’, organizado pela Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC).

Em 2020, a TAP voltou ao controlo do Estado, que passou a deter 72,5% do seu capital, depois de a companhia ter sido severamente afetada pela pandemia de covid-19 e de a Comissão Europeia ter autorizado um auxílio estatal de até 1.200 milhões de euros à transportadora aérea de bandeira portuguesa.

Relacionadas

PremiumAlgoritmo está a “despedir cegamente” trabalhadores da TAP

Advogado Garcia Pereira e SNPVAC denunciam que algoritmo usado pela empresa para as rescisões não distingue faltas justificadas de injustificadas.
Recomendadas

Relatório final da Comissão de Inquérito ao Novo Banco aprovado com votos contra do PS e abstenção do CDS

O relatório final da Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco imputadas ao Fundo de Resolução foi aprovado com os votos contra do PS e com a abstenção do CDS.

Relatório final da CPI ao Novo Banco com votos contra do PS e sem relator que renunciou

O PS vota contra o relatório final da CPI ao Novo Banco devido às conclusões sobre a venda de 2017 que foram introduzidas na votação da especialidade. Mais de 100 propostas de alteração foram aprovadas. Fernando Anastácio renunciou às condições de relator.

Perdas do Novo Banco imputadas ao Fundo de Resolução. Veja a discussão e votação do relatório final da CPI

A Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco e imputadas ao Fundo de Resolução procede hoje à discussão e votação do relatório final. Veja em direto.
Comentários