Alibaba: homem mais rico da China faz anos, cumpre promessa e deixa império superior a 410 mil milhões de euros

Com um património de 38 mil milhões de dólares, e o título de “empresário mais carismático de sempre”, Jack Ma renuncia o cargo de CEO da empresa mais valiosa da Ásia no dia do 55º aniversário. Daniel Zhang assume a chefia do grupo fundado há 20 anos.

Jack Ma

Há cerca de um ano, Jack Ma anunciava aquilo que se tornou esta terça-feira oficial: iria sair, quando fizesse 55 anos. Hoje, 10 de setembro de 2019, cumpre 55º aniversário e dá sequência à promessa. E o seu sucessor já foi escolhido: Daniel Zhang, atual CEO da empresa. O homem mais rico da China, e CEO do grupo Alibaba, vai deixar a Zhang um império no valor de 460 mil milhões de dólares (416 mil milhões de euros).

Agora, Ma vai focar-se na filantropia em áreas como a educação, os direitos dos animais, a economia ambientalmente sustentável e a igualdade entre homens e mulheres. A festa anual da Alibaba, este ano, vai acontecer num estádio com capacidade para 80 mil pessoas, na cidade onde a companhia nasceu, numa garagem, em Hangzhou. Foi em 1999.

Professor de inglês no início da carreira, Jack Ma sempre defendeu a importância da educação na sociedade. Esta terça-feira, dia do seu aniversário, é, também, dia dos professores na China.

Segundo a Reuters, Jack Ma não vai desertar da empresa por completo. O empresário deixa o cargo de presidente-executivo da empresa que ajudou a fundar, mas vai manter-se na administração, ao lado de mais 35 pessoas, onde terá direito a nomear a maioria dos futuros líderes da gigante chinesa, onde mantém uma participação acionista de 6,22%.

A agência noticiosa aponta que existe um claro contraste entre Ma – considerado um dos empresários e líderes mais carismáticos de sempre – e Zhang – que foi considerado pelo aniversariante como “metódico” e com um “raciocínio semelhante a de um computador”. Porém, sublinhou no mesmo momento, em 2018, que o agora sucessor “tem a coragem de assumir modelos de negócios e indústrias inovadoras do futuro”.

O plano de demissão anunciado por Ma, no ano passado, foi considerado fora do normal, já que é raro um fundador de uma empresa tecnologica tão grande e transformadora se aposentar tão cedo.

Sob a liderança de Ma, o Alibaba cresceu e tornou-se na empresa mais valiosa da Ásia. Emprega mais de 100 mil pessoas e expandiu-se para os setores financeiros, de computação na cloud e inteligência artificial. Ainda assim, a empresa tem tido abrandamento nas vendas e a guerra comercial da China com os EUA não tem ajudado. Porém, Ma não tem parado e levou a empresa a fazer um investimento de 2,7 milhões de dólares em plataformas de retalho e numa empresa de streaming de música. O seu sucessor, Daniel Zhang, enfrenta novos desafios à medida que o mercado chinês fica mais maduro.

A sua história é muitas vezes comparada com a de Steve Jobs, embora Jack Ma indique que não é nenhum especialista ou visionário em tecnologia. O fundador do Alibaba gosta de lembrar as suas origens humildes e que, na essência, continua a ser um professor, a sua primeira profissão.

Ler mais
Recomendadas

IMT proíbe circulação de veículos ferroviários sem controlo de velocidade (Convel)

No início desta semana, administração da IP revelou que tem uma solução credível, proposta pela Critical Software. Órgão regulador do setor dos transportes “requereu uma avaliação urgente da viabilidade da solução e, caso viável, a consequente implementação igualmente urgente”.

NBA lança-se no mundo das apostas com o serviço NBABet Stream

Com a legalização das apostas desportivas nos EUA em 2018, a NBA torna-se a primeira grande liga desportiva dos EUA a atacar o mercado.

Siza Vieira sobre a possibilidade de adeptos nos estádios: “É mais importante que os jogos se realizem em segurança”

“É mais importante garantirmos a segurança de que as atividades se realizem sem percalços e com limitações do que permitir flexibilidade e depois ter de voltar atrás”, realçou o ministro à margem da conferência sobre o ‘Futebol Profissional e Economia Pós Covid-19’ que decorreu em Oeiras.
Comentários