Almaraz: autarquia espanhola contra encerramento de central nuclear

A presidente da Câmara Municipal de Almaraz (Extremadura espanhola), onde se encontra uma central nuclear com o mesmo nome, manifestou hoje a sua preocupação com as consequências sociais de um eventual encerramento dessa unidade.

Sabina Hernández solicitou em carta enviada ao ministério para a Transição Ecológica, em Madrid, e às autoridades regionais da Extremadura espanhola “um plano alternativo” para minorar as consequências do previsível encerramento da central nuclear.

A presidente da autarquia estima que os empregos diretos na central de Almaraz são mais de 800 pessoas, com 24 milhões de euros em salários, e os indiretos cerca de 2.900, havendo ainda uma situação de emprego sazonal, em cada fase de recarga, todos os 18 meses, com mais de mil trabalhadores contratados, o que representa mais de cinco milhões de euros em salários.

A Ministra da Transição Ecológica, Teresa Ribera, reiterou a 11 de junho último, numa intervenção na comissão parlamentar sobre a Transição Ecológica, em Madrid, a vontade do Governo socialista, que tinha tomado posse poucos dias antes, de encerrar as centrais nucleares espanholas no final da sua vida útil.

Ribera sublinhou que o executivo espanhol liderado por Pedro Sánchez mantinha a orientação de cumprir com o que estava estabelecido no programa do PSOE (socialistas), de tomar como referência os 40 anos de vida útil desde o início da exploração comercial de uma central nuclear.

Almaraz tem dois reatores nucleares, tendo o primeiro entrado em funcionamento a 01 de maio de 1981 e o segundo a 08 de outubro de 1983.

A atual licença de exploração da central elétrica, que se situa a cerca de 100km de Portugal, numa das margens do rio Tejo, é válida até 08 de junho de 2020.

Diversos grupos de defesa do ambiente em Portugal e Espanha têm contestado a continuação do período de vida da central para além do termo da autorização em vigor.

O Governo português tem manifestado o seu desagrado com a produção de eletricidade através da energia nuclear, mas Lisboa defende que Madrid é soberana para decidir a forma de produzir energia elétrica no seu país.

Ler mais
Recomendadas

Carlos Costa escapa a exame de idoneidade a ex-gestores da CGD

Supervisor está a avaliar a responsabilidade de ex-gestores da Caixa nas decisões de negócios ruinosos do banco público. Exame exclui o governador do Banco de Portugal, também ele ex-administrador da CGD. Decisão está a gerar polémica.

O “ouro branco” está a mudar o mundo

Bolívia, Chile e Argentina são alguns dos países com as maiores reservas de lítio. Os países e as empresas que controlarem a produção deste elemento serão donos da energia do futuro.

Pescadores em Portugal são cada vez menos

Os baixos salários, as restrições à captura e a concorrência da náutica de recreio estão a fazer baixar o número de pescadores em Portugal, sobretudo no Algarve, região onde, desde 2001, o número caiu para metade.
Comentários