Alterações climáticas: Governo tem 1,3 milhões de euros para avaliar vulnerabilidade do país

O Ministro do Ambiente e da Ação Climática vai assinar nesta segunda-feira, 7 de setembro, o contrato do projeto Roteiro Nacional para a Adaptação 2100 – Avaliação da vulnerabilidade do território Português às alterações climáticas no século XXI (RNA 2100).

O ministro do Ambiente e da Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, vai assinar nesta segunda-feira, 7 de setembro, o contrato do projeto Roteiro Nacional para a Adaptação 2100 – Avaliação da vulnerabilidade do território Português às alterações climáticas no século XXI (RNA 2100). Custo desta avaliação está estimado em 1,3 milhões de euros.

“O Ministro do Ambiente e da Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, preside hoje às 15h00 à sessão de assinatura do contrato do projeto Roteiro Nacional para a Adaptação 2100 – Avaliação da vulnerabilidade do território Português às alterações climáticas no século XXI (RNA 2100)”, avançou o Executivo, dando conta de que a sessão terá lugar no Auditório da Direção-Geral do Território (DGT), e contará também com a presença do secretário de Estado do Planeamento, José Gomes Mendes.

O Governo avança que o RNA 2100, conta com um financiamento total de 1,3 milhões de euros: 400 mil euros atribuídos pelo mecanismo financeiro EEA Grants e 900 mil euros da Agência Portuguesa do Ambiente – APA. E frisa que tem como objetivo prioritário apoiar e dar resposta a exercícios de política pública de adaptação às alterações climáticas nos vários níveis de intervenção territorial.

“Através de um conjunto de projeções e estimativa de custos de adaptação às alterações climáticas para os setores económicos em 2100, o projeto agrega conhecimento de diversas instituições”, explica, sinalizando que estas, vão avaliar, de forma ampla, o impacto, a vulnerabilidade e o risco das alterações climáticas no território nacional. Os resultados alcançados estabelecerão diretrizes para os contextos micro e macroeconómico.

O RNA 2100 envolve a participação da APA, enquanto promotora do projeto, do Banco de Portugal, da DGT, da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, do Instituto Português do Mar e da Atmosfera e da Direção Norueguesa de Proteção Civil.

[Custo de avaliação de 1,7 milhões divulgado inicialmente pelo Ministério do Ambiente e da Ação Climática. corrigido para 1,3 milhões em nota de imprensa enviada às redações às 20.22 de 7 de setembro]

Ler mais

Recomendadas

Pacto Português para os Plásticos quer reiventar o uso deste material

‘Vamos Reinventar o Plástico’ é o mote da campanha do Pacto Português para os Plásticos, que arranca hoje [dia 18 de setembro] e que pretende sensibilizar os consumidores portugueses para uma utilização responsável do plástico.

António Guterres pede aos governos para não apoiarem indústrias de combustíveis fósseis

“Ou podemos investir nas tecnologias do futuro, energia renovável, soluções baseadas na natureza, transporte sustentável e tecnologias verdes”, acrescentou o secretário-geral da ONU, dizendo que apenas este último é o caminho “racional”.

Boston Consulting Group investe 400 milhões de dólares para alcançar impacto climático zero até 2030

No ano a que a BCG celebra 25 anos em Portugal, a consultora irá investir 400 milhões de dólares, ao longo da próxima década, para permitir que as suas equipas impulsionem iniciativas de impacto ambiental e climático junto das maiores organizações mundiais.
Comentários