Alterações climáticas: Governo tem 1,3 milhões de euros para avaliar vulnerabilidade do país

O Ministro do Ambiente e da Ação Climática vai assinar nesta segunda-feira, 7 de setembro, o contrato do projeto Roteiro Nacional para a Adaptação 2100 – Avaliação da vulnerabilidade do território Português às alterações climáticas no século XXI (RNA 2100).

O ministro do Ambiente e da Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, vai assinar nesta segunda-feira, 7 de setembro, o contrato do projeto Roteiro Nacional para a Adaptação 2100 – Avaliação da vulnerabilidade do território Português às alterações climáticas no século XXI (RNA 2100). Custo desta avaliação está estimado em 1,3 milhões de euros.

“O Ministro do Ambiente e da Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, preside hoje às 15h00 à sessão de assinatura do contrato do projeto Roteiro Nacional para a Adaptação 2100 – Avaliação da vulnerabilidade do território Português às alterações climáticas no século XXI (RNA 2100)”, avançou o Executivo, dando conta de que a sessão terá lugar no Auditório da Direção-Geral do Território (DGT), e contará também com a presença do secretário de Estado do Planeamento, José Gomes Mendes.

O Governo avança que o RNA 2100, conta com um financiamento total de 1,3 milhões de euros: 400 mil euros atribuídos pelo mecanismo financeiro EEA Grants e 900 mil euros da Agência Portuguesa do Ambiente – APA. E frisa que tem como objetivo prioritário apoiar e dar resposta a exercícios de política pública de adaptação às alterações climáticas nos vários níveis de intervenção territorial.

“Através de um conjunto de projeções e estimativa de custos de adaptação às alterações climáticas para os setores económicos em 2100, o projeto agrega conhecimento de diversas instituições”, explica, sinalizando que estas, vão avaliar, de forma ampla, o impacto, a vulnerabilidade e o risco das alterações climáticas no território nacional. Os resultados alcançados estabelecerão diretrizes para os contextos micro e macroeconómico.

O RNA 2100 envolve a participação da APA, enquanto promotora do projeto, do Banco de Portugal, da DGT, da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, do Instituto Português do Mar e da Atmosfera e da Direção Norueguesa de Proteção Civil.

[Custo de avaliação de 1,7 milhões divulgado inicialmente pelo Ministério do Ambiente e da Ação Climática. corrigido para 1,3 milhões em nota de imprensa enviada às redações às 20.22 de 7 de setembro]

Ler mais

Recomendadas

25 cidades portuguesas estão preparadas para atenuar danos das alterações climáticas

As cidades dos municípios de Águeda, Amarante, Braga, Fafe, Guimarães, Ovar, Valongo, Viseu, Funchal, Loulé, Barreiro, Cascais, Lisboa, Mafra, Sintra e Torres Vedras fazem parte do total das 148 cidades europeias que assumem boas práticas para atenuar os efeitos das alterações climáticas.

Estudo alerta para incumprimento da Convenção sobre a Diversidade Biológica por países ricos

Esta investigação dedicou-se a analisar as principais causas da perda de biodiversidade mundial e concluiu que é necessária uma “reorganização urgente e profunda” da economia global pós-pandemia da covid-19 para evitar mais danos ambientais.

David Attenborough nomeado por Londres para alertar no combate às alterações climáticas

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, disse que “não existe pessoa melhor para imprimir dinâmica para novas mudanças à medida que nos aproximamos” da data.
Comentários