Aluno de Economia vence Gap Year Scholarship/Nova SBE

Bernardo Fortuna Rebelo e Silva escolheu escolheu a cultura oriental para fazer o interregno escolar, razão pela qual este ano visitará países como Taiwan, Filipinas, Indonésia, Tailândia e Índia.

O jovem estudante de Economia da Nova SBE quer perceber  “como culturas tão diferentes abordam problemas económicos e sociais e como se repercutem psicossociologicamente nas povoações, nomeadamente nos projetos com crianças”.

A iniciativa, promovida pela Nova SBE e pela associação Gap Year Portugal, aposta no desenvolvimento de soft skills, essenciais para o sucesso e impacto dos alunos.

Bernardo é por natureza um empreendedor social. Antes de ingressar no ensino superior foi presidente do conselho fiscal da associação de estudantes da Escola Secundária Frei Heitor Pinto, levando a cabo atividades para apoiar alunos mais carenciados, melhorar a qualidade do ensino e promover a responsabilização coletiva dos estudantes, no presente, enquanto aluno da Nova SBE, juntou-se ao Coletivo Economia Sem Muros (Economics Without Borders), que visa promover o pluralismo no pensamento económico, dinamizando atividades que possibilitam diferentes formas de pensar a economia e as sociedades, num esforço coletivo para um debate mais aberto sobre a realidade.

A bolsa tem o valor pecuniário de cinco mil euros.

Recomendadas

FCT aprova 400 novos contratos de trabalho a prazo para cientistas

Os contratos de trabalho selecionados – 208 para investigador júnior, 156 para investigador assistente, 35 para investigador principal e 1 para investigador coordenador – têm a duração máxima de seis anos, de acordo com a legislação de estímulo ao emprego científico.

Nelson Ribeiro: “A ideia de que a universidade serve apenas para formar técnicos é algo que me assusta”

Para o diretor da FCH-Católica, o papel da Universidade é inquestionável: formar novas gerações capazes de pensar pela própria cabeça, de inovar e de desenvolver um espírito crítico. Formar apenas técnicos é olhar só para o presente. Sem perspetiva. “Precisamos de formar para o futuro”, diz Nelson Ribeiro, e “construir uma sociedade mais justa e mais inclusiva”.

Mais de 20% dos trabalhadores em Portugal querem receber criptomoedas como benefício extrassalarial

Dois em cada três colaboradores preferem um salário bruto anual de 21 mil euros e 5 mil euros em benefícios do que um salário bruto anual de 25 mil euros, concluiu um estudo da startup Coverflex e da Associação Portuguesa de Gestão das Pessoas.
Comentários